Números de fechamento

Ibovespa fecha acima dos 103 mil pontos com tom mais brando do Fed; dólar recua mais de 1%

Tom menos “hawkish” do presidente do Banco Central americano beneficiou ativos de risco nos negócios desta terça-feira (11)

Por  Mitchel Diniz -

O Ibovespa fechou em alta nesta terça-feira (11) e recuperou parte das perdas da véspera. A Bolsa foi beneficiada pelo desempenho de ações de commodities, como Vale (VALE3) e Petrobras (PETR3; (PETR4), os papéis de maior peso do índice. O Ibovespa terminou o dia em alta de 1,8%, aos 103.778 pontos. O volume negociado ficou em R$ 26,9 bilhões.

“Tudo levava a crer em mais um dia de perdas, com a divulgação do IPCA de dezembro acima das expectativas, além do persistente incômodo fiscal, com o impasse em relação ao reajuste para servidores. Porém, assim que o pregão abriu o Ibovespa ganhou tração superior aos seus pares externos, sustentado pelo avanço das ações ligadas às commodities”, afirma Alexsandro Nishimura, economista da BRA.

  • A Méliuz (CASH3) foi a maior alta do índice no dia (a ação subiu 7,32%, a R$ 2,64), seguida por Petz (PETZ3) (alta de 7,07%, a R$ 14,99) e Natura (NTCO3) (alta de 6,33%, a R$ 23).
  • As três maiores baixas do dia foram: BRF (BRFS3) (queda de 1,28%, a R$ 23,22); Braskem (BRKM5) (queda de 1,19%, a R$ 52,94) e Embraer (EMBR3) (queda de 1,1%, a R$ 23,48).
  • VALE3 teve o maior volume negociado do índice nesta terça-feira e fechou em alta de 1,9% (R$ 84,59); PETR4 subiu 2,96% (R$ 28,84) e PETR3, 4,13% (R$ 31,99), com a disparada do petróleo no exterior e o anúncio de mais um aumento no preço dos combustíveis.

O Ibovespa ampliou ganhos após discurso de Jerome Powell, presidente do Banco Central Americano (Federal Reserve), no Senado dos Estados Unidos. Ele afirmou que o país está em “uma era de juros muitos baixos” e provavelmente permanecerão nesta configuração, mesmo com as perspectivas de elevação da taxa básica nos próximos meses.

Aqui no Brasil, o discurso foi diferente: em carta ao ministro da Economia, Paulo Guedes, o BC sinaliza que a trajetória de alta de juros deve continuar em 2022 – e, ainda assim, a inflação deve terminar o ano acima da meta. Analistas acreditam que os preços devem extrapolar os limites de tolerância (teto da meta) também este ano.

Os contratos de juros negociados no mercado futuro terminaram com tendências mistas na sessão estendida. O DI para janeiro de 2023 recuou seis pontos-base a 12,02%. O DI para janeiro de 2025 subiu quatro pontos-base, a 11,52% e os juros para janeiro de 2027 subiram sete pontos-base, a 11,44%,

O dólar, por sua vez, fechou em forte baixa de 1,67%, a R$ 5,579 na compra e R$ 5,580 na venda.

Em Nova York, foi um dia de virada. As Bolsas abriram em baixa, mas inverteram sinal após o discurso menos hawkish do que o esperado do chairman do Banco Central Americano.

  • Dow Jones fechou em alta de 0,51% a 36.251 pontos
  • S&P 500 avançou 0,92%, a 4.713 pontos
  • Nasdaq fechou em alta de 1,41% a 15.153 pontos

Os índices da Europa também acompanharam o bom humor nos mercados globais.

  • Euro Stoxx 600: +0,85%
  • DAX (Frankfurt): +1,11%
  • FTSE 100 (Londres): +0,62%
  • CAC 40 (Paris): +0,95%
  • IBEX 35 (Madri): +0,58%
  • FTSE MIB (Milão): +0,63%

No segmento de commodities os preços do petróleo voltaram a subir forte hoje, com a perspectiva de que o avanço da variante ômicron não deve impactar a demanda pela matéria-prima.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

    • WTI (fevereiro): +3,64% (US$ 81,08)
    • Brent (março): +3,39% (US$ 83,61)

Oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje. Assista aqui!

Compartilhe