HBR lucra R$ 151,2 mi no 4º tri, Enauta informa renúncia de conselheiro e mais notícias

Confira os principais destaques do noticiário corporativo desta sexta-feira (1º)

Felipe Moreira

Divulgação

Publicidade

O radar corporativo desta sexta-feira (1º) traz a HBR Realty (HBRE3), que registrou lucro líquido atribuído aos acionistas de R$ 151,2 milhões no quarto trimestre, alta de 109,7% no comparativo anual. Já a Enauta (ENAT3) foi informada acerca da renúncia do conselheiro de administração Bruno Pirim Baratta com efeitos imediatos. A Fitch, por sua vez, afirmou o Rating Nacional de Longo Prazo ‘AAA(bra) da Allos (ALOS3).

Ainda em destaque, a Copel (CPLE6) lucrou R$ 942,8 mi no 4º tri, alta anual de 51% e acima do consenso. Já as controladas da Cemig (CMIG4) concluíram venda de 15 hidrelétricas por R$ 101 milhões. A Grendene (GRND3) lucrou 22,7% mais no 4º tri, a R$ 256 milhões. O Grupo Casas Bahia firmou acordos para reperfilamento de dívidas no valor de R$ 1,5 bilhão, enquanto a Cielo (CIEL3) convocou Assembleia sobre novo laudo de avaliação para valor da OPA.

Confira mais destaques:

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Allos (ALOS3)

A Fitch Ratings afirmou o Rating Nacional de Longo Prazo ‘AAA(bra)’ da ALLOS e o IDR (Issuer Default Ratings – Ratings de Inadimplência do Emissor) de Longo Prazo de Moeda Estrangeira da sua subsidiária integral, a BR Malls Participações S.A. (“BR Malls”), em ‘BB+’. A Agência também afirmou os IDRs de Longo Prazo em Moedas Local e Nacional ‘BBB-’ e ‘AAA(bra)’, respectivamente, da BR Malls. Adicionalmente, Fitch retirou o IDR da BR Malls, por razões comerciais, e afirmou as debêntures sem garantia em ‘AAA(bra)’. A Perspectiva de todos os ratings corporativos é Estável.

HBR Realty (HBRE3)

A HBR Realty (HBRE3) registrou lucro líquido atribuído aos acionistas de R$ 151,2 milhões no quarto trimestre, alta de 109,7% no comparativo anual. Já o lucro líquido foi de R$ 274,2 milhões, crescimento de 120,9% na comparação anual.

Enauta (ENAT3)

A Enauta (ENAT3) foi informada acerca da renúncia do conselheiro de administração Bruno Pirim Baratta com efeitos imediatos.

Continua depois da publicidade

Cielo (CIEL3)

O Conselho de Administração da Cielo (CIEL3) convocou Assembleia Especial para deliberar sobre a realização de nova avaliação para determinação do valor justo das ações de emissão da Companhia para fins da Oferta Pública de Aquisição (OPA).

Copel (CPLE6)

A Copel (CPLE6) reportou lucro líquido de R$ 942,8 milhões no quarto trimestre de 2023 (4T23), montante 51,2% superior ao reportado no mesmo intervalo de 2022 e acima dos R$ 539,6 milhões previstos pelo cosenso LSEG.

MRV&CO (MRVE3)

A MRV&CO (MRVE3) (conglomerado imobiliário que reúne MRV, Urba, Luggo e Resia) teve um prejuízo líquido consolidado de R$ 104,9 milhões no quarto trimestre de 2023, montante que representa uma perda 68% menor na comparação com o mesmo período de 2022, quando sofreu prejuízo de R$ 333 milhões.

Grendene (GRND3)

A Grendene (GRND3) registrou lucro líquido recorrente de R$ 256,5 milhões no quarto trimestre de 2023 (4T23), aumento de 22,7% em relação ao mesmo período do ano anterior, informou a companhia no balanço divulgado na noite desta quinta-feira (29). O aumento foi observado também na margem líquida recorrente, que subiu 33,7% em comparação com o quarto trimestre de 2022.

Cemig (CMIG4)

A Cemig (CMIG4) informou que sua controlada Cemig GT e sua subsidiária integral Horizontes concluíram, nesta quinta-feira (29), a alienação, por meio do leilão público 500-Y17124, de 15 PCHs / CGHs de geração hídrica, para a Mang, após cumpridas todas as condições precedentes do Contrato de Compra e Venda de Ativos.

Casas Bahia (BHIA3)

O Grupo Casas Bahia (BHIA3) assinou com Instituições Financeiras um documento contendo os termos e condições para o reperfilamento de suas emissões de Cédulas de Crédito Bancário e da 9° emissão de debêntures da companhia que somam R$ 1,5 bilhão.