Copel (CPLE6) lucra R$ 942,8 mi no 4º tri, alta anual de 51% e acima do consenso

Receita líquida somou R$ 5,567 bilhões no quarto trimestre do ano passado, crescimento de 5,8%

Felipe Moreira

Reprodução / Copel

Publicidade

A Copel (CPLE6) reportou lucro líquido de R$ 942,8 milhões no quarto trimestre de 2023 (4T23), montante 51,2% superior ao reportado no mesmo intervalo de 2022 e acima dos R$ 539,6 milhões previstos pelo cosenso LSEG.

A empresa disse que “constribuiu para o crescimento do resultado a reversão de impairment na UEGA no montante de R$ 258,6 milhões”.

O lucro antes juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado totalizou R$ 1,482 bilhão no 4T23, um crescimento de 10,1% em relação ao 4T22.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A receita líquida somou R$ 5,567 bilhões no quarto trimestre do ano passado, crescimento de 5,8% na comparação com igual etapa de 2022.

De acordo com a Copel, o resultado é reflexo, principalmente, do acréscimo de R$ 429,4 milhões na receita de fornecimento de energia elétrica, em função, essencialmente, do crescimento de 9,0% no mercado cativo faturado e do reajuste tarifário aplicado na componente de Tarifa de Energia (TE) da distribuidora em junho de 2023, com efeito médio de 17,4%.

Os custos e despesas operacionais das operações continuadas totalizaram R$ 4,445 bilhões, redução de 6,7% em comparação aos R$ 4,765 milhões registrados em 4T22.

Continua depois da publicidade

O resultado financeiro líquido foi negativo em R$ 305,7 milhões no quarto trimestre de 2023, uma elevação de 9,3% sobre as perdas financeiras da mesma etapa de 2022. 

Em 31 de dezembro de 2023, a dívida líquida ajustada da Copel era de R$ 8,922 bilhões.

O indicador de alavancagem financeira, medido pela dívida líquida/Ebitda ajustado, ficou em 1,9 vez em dezembro/23, queda de 0,1 ponto percentual (p.p.) em relação ao mesmo período de 2022.