Gol (GOLL4) e Enauta (ENAT3) divulgam dados operacionais, Fleury (FLRY3) conclui recompra de ações e mais

Confira os principais destaques do noticiário corporativo desta quarta-feira (6)

Felipe Moreira

(Divulgação)

Publicidade

O radar corporativo desta quarta-feira (6) traz a prévia operacional da companhia aérea Gol (GOLL4) no mês de novembro. Além da Gol, a Enauta (ENAT3) divulgou dados operacionais na noite de ontem.

A Fleury concluiu o programa de recompra de ações de emissão da companhia.

Suzano (SUZB3), Agrogalaxy (AGXY3) e Triunfo (TPIS3) aprovaram pagamento de dividendos.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A WEG (WEGE3) anunciou que investirá R$ 1,2 bilhão em expansão de capacidade nos próximos três anos no Brasil, México e Colômbia.

Já a Vale (VALE3) aprovou revisão de política de sucessão do presidente

Confira mais destaques:

Continua depois da publicidade

Gol (GOLL4)

A Gol (GOLL4) informou, em sua prévia operacional de novembro, que a oferta total da companhia caiu 7,3% como reflexo do atraso na entrega do Boeing 737 Max. Enquanto isso, a demanda total recuou 3,1%, resultando em uma taxa de ocupação de 85%.

Já no mercado doméstico, a oferta caiu 6,3% e a demanda diminuiu 2,8%, ao passo que a taxa de ocupação foi de 84,9%.

Fleury (FLRY3)

A Fleury informou o encerramento, nesta terça-feira (5), do programa de recompra de ações de emissão da companhia, tendo em vista a aquisição da totalidade das ações objeto do Programa de Recompra.

A companhia adquiriu, em bolsa de valores, a preços de mercado, o total de 1.765.113 ações ordinárias de emissão da companhia, que poderão ser utilizadas para lastrear o Plano de Ações Diferidas e Plano de Matching da companhia aprovados em Assembleia Geral Extraordinária realizada em 5 de dezembro de 2019, podendo, ainda, serem mantidas em tesouraria, alienadas ou canceladas nos termos da lei.

Enauta (ENAT3)

A Enauta (ENAT3) informa que, em novembro de 2023, a produção total atingiu 453,9 mil barris de óleo equivalente (boe).

Taesa (TAEE11)

A Secretaria Estadual do Meio Ambiente e Infraestrutura (SEMA) concedeu a Licença Prévia (LP) para Subestação Santa Luzia III, referentes às instalações da concessão Tangará, da Taesa (TAEE11).

Tangará é um empreendimento referente ao lote 3 do leilão de transmissão nº 02/2022, realizado em dezembro de 2022, 100% controlada pela Taesa. Tangará apresenta uma RAP total de R$ 104,7 milhões para o ciclo 2023-2024 e um Capex ANEEL de R$ 1,117 bilhão.

O empreendimento está localizado nos estados de Maranhão e Pará, com extensão aproximadamente de 279 km de linhas de transmissão, sendo 72 km de circuito duplo. O prazo estipulado pela ANEEL para energização de Tangará é março de 2028.

Klabin (KLBN11)

A Klabin aprovou, em reunião ordinária do Conselho de Administração realizada na terça-feira, a Política de Hedge Cambial de Fluxo de Caixa, que estabelece parâmetros objetivos para contratação de instrumentos derivativos exclusivamente para fins de proteção da exposição do fluxo de caixa às variações cambiais.

Carrefour Brasil (CRFB3)

O Carrefour Brasil espera que as vendas por m2 atinjam aproximadamente entre R$ 28.000/m² e R$ 31.000/m² em bases anualizadas até o final de 2024, enquanto a margem Ebitda (nível loja) alcance entre 5% e 6% até o fim do período.

Até o final de 2025, a companhia espera que as vendas por m2 alcancem aproximadamente R$ 35.000/m² em bases anualizadas, enquanto a margem Ebitda (nível loja) atinja entre 7% e 8% até o fim do período.

Para margem Ebitda (nível loja) e margem Ebitda (unidade de negócio) para lojas maduras do Sam’s Club: até o final de 2025, entre 9% e 10% e entre 7% e 8%, respectivamente.

O Carrefour ainda espera que o impacto potencial total decorrente da otimização do portfólio de lojas (conversões de formato, venda de operações e fechamento de lojas, combinados) no Ebitda seja entre R$ 180 e 220 milhões no próximo ano. Em 2026, a companhia espera que o impacto potencial total no Ebitda seja de R$550 a 800 milhões.

CSN (CSNA3)

A CSN (CSNA3) informou na terça-feira que acertou a recompra de US$ 117 milhões em bonds com vencimento em 2026. A recompra havia sido anunciada no final de novembro, e a oferta envolvia até o total dos US$ 300 milhões de principal aberto dessa emissão.

A CSN disse que ao fim do prazo previsto recebeu ofertas de vendas totalizando US$ 117 milhões em principal, tendo aceitado todas. A expectativa é que o pagamento ocorra em 8 de dezembro, de acordo com a empresa.

Na prática, a siderúrgica está rolando sua dívida em dólar, uma vez que levantou, também no final do mês passado, US$ 500 milhões com bonds de vencimento em 2030. A CSN disse que utilizaria os recursos para financiar a recompra e para propósitos corporativos gerais.

WEG (WEGE3)

A WEG (WEGE3) anunciou nesta terça que investirá R$ 1,2 bilhão, ao longo dos próximos três anos, para expansão de capacidade de produção de transformadores no Brasil, México e Colômbia. Com foco nos principais mercados de atuação, a companhia prevê iniciativas para aumentar aproximadamente 50% da sua capacidade de produção.

Serena (SRNA3)

A Serena (SRNA3), antiga Omega Energia, informou que seus principais acionistas – fundos sob gestão da Tarpon Gestora de Recursos, Lambda 3 FIA-IE e Alpha Brazil FIP (fundo detido por investidores sob gestão de Actis LLP) – engajaram um assessor para auxiliá-los na avaliação de potenciais alternativas estratégicas para suas participações na companhia.

Segundo comunicado, as alternativas poderão incluir operações privadas ou no mercado de capitais, incluindo potenciais operações entre os acionistas principais.

Suzano (SUZB3)

O Conselho de Administração da Suzano (SUZB3) aprovou a distribuição de dividendos intermediários no valor total de R$ 30 milhões, correspondendo a R$ 0,082094339 por ação ordinária e R$ 0,090303773 por ação preferencial classe A e B.

Terão como base de cálculo a posição acionária da Suzano nesta terça-feira (5), sendo que, a partir de 6 de dezembro 2023, as ações da companhia serão negociadas “ex-direitos”.

Os dividendos deverão ser pagos no dia 14 de dezembro 2023.

Oi (OIBR3)

A Oi (OIBR3), em recuperação judicial, comunicou que, na última terça, foi publicado o edital de individualização de créditos decorrentes da Indenture, de julho de 2018, com valor principal de US$ 1,653 bilhão, 10,00% / 12.00% – Senior Pik Toggle Notes, com vencimento em 2025, para fins de direito de petição, voz e voto na Assembleia Geral de Credores a ser convocada para deliberar sobre a aprovação do plano de recuperação judicial da companhia.

Agrogalaxy (AGXY3)

O Agrogalaxy (AGXY3) comunicou que o pagamento de dividendos aprovados na Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária realizada em 28 de abril deste ano, no valor bruto de R$ 6.639.794,91, equivalente a R$ 0,039657303 por ação, será realizado a partir de 29 de dezembro de 2023.

Farão jus ao recebimento dos dividendos os acionistas constantes da posição acionária da companhia em 28 de abril de 2023.

Triunfo (TPIS3)

A Triunfo (TPIS3) informou que o pagamento de dividendos no valor de R$ 7,96 milhões ou R$ 0,0458966269653469 por ação, relativos ao exercício social findo em 31 de dezembro de 2022, aprovado na Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária realizada em 27 de abril de 2023, será efetuado no próximo dia 15 de dezembro de 2023.

Os dividendos têm como base a posição acionária de 27 de abril de 2023.

(com Reuters)