5 assuntos

Futuros de NY sobem após baixa da véspera com Apple elevando temor de recessão; balanço da Netflix e mais assuntos do mercado hoje

Já as bolsas da Europa operam sem direção definida com investidores atentos aos dados de inflação, às vésperas da reunião do BCE

Por  Felipe Moreira -

Os índices futuros de Nova York operam com leve alta, enquanto as bolsas da Europa têm leve recuo em sua maioria na manhã desta terça-feira (19), com investidores atentos ao ritmo de aperto monetário dos principais dos bancos centrais do mundo e uma estimativa de queda nos lucros das empresas durante o segundo trimestre de 2022.

Ontem (18), uma reportagem da Bloomberg apontou que a Apple diminuiria as contratações e os gastos com crescimento no próximo ano para se preparar para uma possível desaceleração econômica, o que derrubou os principais índices dos EUA.

A temporada de balanços do segundo trimestre continua esta semana. A Johnson & Johnson e a Hasbro divulgarão os resultados trimestrais antes da abertura dos mercados. Mas os números mais aguardados da semana são os das empresas de tecnologia. Netflix da o pontapé inicial na temporada de balanços das empresas de tecnologia, divulgando seus números após fechamento nesta terça-feira (19). A própria empresa prevê ter perdido 2 milhões de assinantes no segundo trimestre de 2022. Analistas consultados pela FactSet esperam lucro por ação de US$ 2,96 e receitas de US$ 8,03 bilhões.

O sentimento mensal dos construtores caiu 12 pontos, para 55, o menor desde o início da pandemia, de acordo com um relatório na segunda-feira da Associação Nacional de Construtores de Casas. A confiança está sob pressão em vários setores econômicos, à medida que o Federal Reserve continua sua campanha para aumentar as taxas de juros para domar a alta inflação. A próxima reunião de política do Fed termina na quarta-feira, 27 de julho.

Ainda assim, se os EUA passarão por uma recessão, e sua duração e profundidade potenciais, estão em debate.

Todos os olhos esta semana se voltarão para a reunião de política do Banco Central Europeu na quinta-feira, com os formuladores de políticas tendo avisado antecipadamente um primeiro aumento em 11 anos, mas enfrentando um cenário de desaceleração do crescimento em meio à guerra na Ucrânia e ameaças subsequentes à energia. suprimentos.

No Brasil, a agenda de indicadores está esvaziada e as atenções se voltam para o leilão de NTN-B do Tesouro.

Do lado corporativo, saem os números de produção da Vale (VALE3) no segundo trimestre. O Citi prevê estabilidade para minério de ferro, em 76 milhões de toneladas.

1.Bolsas Mundiais

Estados Unidos

Os índices futuros dos EUA apagam partes das perdas da sessão anterior e operam em leve alta na manhã desta terça-feira (19), depois de que um relatório da Apple reacendeu preocupações com recessão.

No final do pregão de segunda (18), as ações foram arrastadas para baixo após uma matéria da Bloomberg relatando que a Apple diminuiria as contratações e os gastos com crescimento no próximo ano para se preparar para uma possível desaceleração econômica. As ações da fabricante do iPhone fecharam o dia com queda de 2,1%.

Veja o desempenho dos mercados futuros:

  • Dow Jones Futuro (EUA),+0,52%
  • S&P 500 Futuro (EUA), +0,70%
  • Nasdaq Futuro (EUA), +0,65%

Ásia

Os mercados da Ásia-Pacifico fecharam sem direção definida, enquanto investidores digerem as atas da reunião do banco central da Austrália.

O Reserve Bank of Australia divulgou sua ata de reunião nesta terça-feira, que mostrou que o conselho viu as taxas atuais como “bem abaixo” da taxa neutra, sugerindo que serão necessários mais aumentos para retornar a inflação à meta ao longo do tempo.

O Financial Times informou que o SoftBank interrompeu os planos de listar o designer de chips Arm em Londres por causa da incerteza política nas ações do SoftBank Group do Reino Unido subiram 1,42%.

  • Shanghai SE (China), +0,04%
  • Nikkei (Japão), +0,65%
  • Hang Seng Index (Hong Kong), -0,89%
  • Kospi (Coreia do Sul), -0,18%

Europa

Os mercados europeus operam em leve queda em sua maioria nesta terça-feira, enquanto alguns mercados operam próximos à estabilidade, com o rali de alívio visto nas duas sessões anteriores perdendo força.

O euro subiu para a máxima de quase duas semanas e os rendimentos dos títulos do governo da zona do euro saltaram na manhã de hoje, depois que a Reuters informou, citando uma fonte, que o BCE vai avaliar se optará por um aumento de 50 pontos-base em oposição aos 25 pontos-base já “contratados” pelos investidores.

No radar de indicadores, a inflação na zona do euro atingiu recorde histórico em junho, com alta de 8,6% na comparação anual e de 0,8% na base mensal.

A instabilidade política segue no radar europeu, com a disputa pela liderança do Partido Conservador do Reino Unido entrando em sua quarta rodada de cédulas entre os parlamentares, enquanto os candidatos restantes buscam suceder o primeiro-ministro Boris Johnson.

  • FTSE 100 (Reino Unido), +0,01%
  • DAX (Alemanha), -0,16%
  • CAC 40 (França), -0,09%
  • FTSE MIB (Itália), +0,25%

Commodities

As cotações do petróleo perderam força na terça-feira depois de subirem forte na sessão anterior, com preocupações de que o aumento do petróleo possa alimentar uma recessão que atrapalhará a demanda, superando ligeiramente as preocupações contínuas com a oferta apertada.

Já os preços do minério voltaram a cair abaixo dos US$ 100 na China.

  • Petróleo WTI, -0,68%, a US$ 101,90 o barril
  • Petróleo Brent, -0,85%, a US$ 105,37 o barril
  • Minério de ferro negociado na bolsa de Dalian teve baixa de -0,98%, a 656,50 iuanes, o equivalente a US$ 97,42

Bitcoin

  • Bitcoin, -1,53% a US$ 21.900,91 (em relação à cotação de 24 horas atrás)

2. Agenda

A agenda doméstica de indicadores está vazia nesta terça-feira (19).

EUA

9h30: Início de construções de junho

15h35: Discurso da vice-presidente do Fed, Lael Brainard

17h30: Estoques de petróleo semanal – API

China

22h15: taxas de referência para empréstimo de 5 anos

3. Sistema eleitoral

Após Bolsonaro fazer uma apresentação para embaixadores com uma série de ataques ao sistema eleitoral e às urnas eletrônicas, o presidente do TSE, ministro Edson Fachin, rebateu as acusações feitas pelo presidente e chamou o episódio de “encenação”. Sem citar o nome de Bolsonaro, mas em um discurso bastante duro, que durou cerca de 40 minutos, Fachin disse que é preciso dar um “basta à desinformação e ao populismo autoritário”.

O presidente do TSE classificou a apresentação do presidente como uma tentativa de “sequestrar a ação comunicativa e sequestrar a opinião pública e a estabilidade política”.

Rodrigo Pacheco também reagiu aos novos ataques feitos por Bolsonaro ao sistema eleitoral brasileiro em reunião com embaixadores. Pacheco defendeu as urnas eletrônicas e afirmou que a lisura do sistema não pode mais ser posta em dúvida.

Partido Novo vai ao STF contra PEC dos Auxílios

O Partido Novo protocolou, na última segunda, uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) questionando a Emenda Constitucional 123/2022, decorrente da PEC dos Auxílios (PEC 1/2022), promulgada pelo Congresso Nacional na semana passada. A legenda pede a suspensão dos efeitos da medida pelo menos até o fim do processo eleitoral.

O texto reconheceu estado de emergência, “decorrente da elevação extraordinária e imprevisível dos preços do petróleo, combustíveis e seus derivados e dos impactos sociais dela decorrentes”, para criar programas sociais e ampliar benefícios já existentes a menos de três meses das eleições, afastando restrições impostas pela Lei das Eleições e pelas próprias regras fiscais vigentes.

4. Covid

Na última segunda-feira (18), o Brasil registrou 143 mortes e 22.855 casos de covid-19 em 24h, segundo informações do consórcio de veículos de imprensa, às 20h.

A média móvel de mortes por Covid em 7 dias no Brasil ficou em 248, elevação de 9% em comparação com o patamar de 14 dias antes.

A média móvel de novos casos em sete dias foi de 54.258, o que representa baixa de 6% em relação ao patamar de 14 dias antes.

Chegou a 168.327.951 o número de pessoas totalmente imunizadas contra a Covid no Brasil, o equivalente a 78,35% da população.

O número de pessoas que tomaram ao menos a primeira dose de vacinas atingiu 179.447.243 pessoas, o que representa 83,53% da população.

A dose de reforço foi aplicada em 98.498.426 pessoas, ou 45,85% da população.

Os estados de SP, RJ, MA, TO e AP não separam os números de terceira e quarta dose. Por esse motivo, os percentuais de reforço podem estar inflados.

5. Radar Corporativo

Petrobras (PETR3;PETR4)

O Conselho de Administração da estatal, em sessão com a participação apenas de seus membros que não foram indicados para nova eleição, o Conselho validou integralmente as análises do Comitê de Elegibilidade (CELEG) em relação aos candidatos indicados pelo acionista controlador e pelos acionistas minoritários para o CA da companhia.

O Conselho deliberou também, com a participação de todos os seus membros, por maioria, sobre a convocação de Assembleia Geral Extraordinária, a ser realizada em 19 de agosto. “O edital de convocação e o manual para participação na Assembleia serão divulgados ao mercado amanhã”, finalizou.

Ecorodovias (ECOR3)

A EcoRodovias (ECOR3) informou que sua controlada Ecovias do Araguaia obteve linhas de crédito de longo prazo junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o Banco da Amazônia (BASA), no valor total de R$ 4,2 bilhões e com prazo de vencimento em setembro de 2051.

Hermes Pardini (PARD3) e Fleury (FLRY3)

A rede de laboratórios Hermes Pardini (PARD3) e Fleury (FLRY3) marcaram assembleia geral extraordinária para 18 de agosto para deliberar sobre fusão.

(Com Estadão, Reuters e Agência Brasil)

Oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje. Assista aqui.

Compartilhe