Enauta propõe fusão com 3R Petroleum; RRRP3 sobe, ENAT3 e RECV3 caem

3R suspendeu momentaneamente traballhos internos para possível fusão com a PetroReconcavo

Felipe Moreira

Publicidade

A petroleira Enauta (ENAT3) propôs uma combinação de negócios com a 3R (RRRP3), segundo fato relevante publicado na última segunda-feira (1º) à noite.

Em carta anexada ao comunicado, a Enauta sugere ficar com 47% da empresa combinada e os acionistas da 3R com 53%.

De acordo com a Enauta, a união traria uma produção potencial superior a 100 mil barris de óleo equivalente “com oportunidade de crescimento composto nos próximos cinco anos, e reservas operadas superiores a 770 milhões de barris”.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Diante da proposta, o Conselho de Administração da 3R deliberou que os esforços internos para possível combinação de negócios entre a companhia e a PetroReconcavo (RECV3) fossem momentaneamente suspensos, bem como que a Diretoria direcionasse esforços para avaliação da combinação de negócios com a Enauta no prazo de até 30 dias corrido.

No fechamento dos negócios, as ações da 3R Petroleum (RRRP3) subiram 0,73%, cotadas a R$ 33,34, ms chegaram a avançar 7%, reagindo positivamente ao negócio.

Enquanto isso, PetroRecôncavo (RECV3) recuou 9%, a R$ 21,07, refletindo a possível perda do negócio para a Enauta (ENAT3), que, por sua vez, caiu 11,09%, a R$ 25,73.

Continua depois da publicidade

3R e PetroRecôncavo: vem aí uma gigante onshore? O forte potencial para ações, mesmo se a operação não vingar

Fusão petroleiras: ENAT3 e RRRP3

Em janeiro, em carta, a sueca Maha Energy, que passou a deter 5% da 3R Petroleum, sugeriu ao Conselho de Administração da petroleira brasileira o desmembramento das operações onshore (campos terrestres) para incorporação pela PetroRecôncavo.

Na ocasião os dois ativos – RECV3 e RRRP3 – dispararam. 3R Petroleum subiu 7,62%, enquanto os papéis da PetroReconcavo saltaram 11,7%, mas, no melhor momento da sessão, as ações, respectivamente, subiram16,85% e 17,68%.

Análise

Para o Bradesco BBI, a 3R precisará “pensar profundamente em relação a esta proposta de fusão (com Enauta)”, pois faria mais sentido, do que a proposta pela PetroRecôncavo.

Os analistas do banco enumeram os fatores:

“A notícia deverá pesar positivamente nas ações da 3R e negativamente nas ações da RECV, já que a potencial fusão com a 3R é o principal catalisador do nome e será colocada em espera por enquanto”, acrescentaram.

Por fim, o BBA reforça que, semelhante ao acordo com RECV, poderia haver sinergias materiais relacionadas com SG&A e custo de capital que poderiam ascender a US$ 400-500 milhões.

Além disso, conforme a Enauta reforçou no comunicado, poderá haver sinergias comerciais entre os campos de Atlanta/Oliva com as refinarias da 3R. “Acreditamos que poderá haver outras sinergias no negócio offshore com Papa Terra”, completa o BBA.

“Vemos a proposta como positiva para a 3R principalmente porque fortalece a posição de negociar da empresa com ambos os potenciais parceiros, além de implicar um prêmio ao seu atual valor de mercado e ter o potencial de desbloquear sinergias”, afirmaram analistas do Safra em relatório a clientes.