5 assuntos

Bolsas mundiais, petróleo e minério caem após dados da China e à espera de números de inflação: os assuntos do mercado hoje

Por aqui, investidores seguem monitorando a temporada de resultados, com a divulgação dos números do Itaú

Por  Equipe InfoMoney -

Os índices futuros de Nova York e bolsas da Europa recuam, enquanto os mercados asiáticos fecharam majoritariamente em baixa nesta segunda-feira (9), à medida que os investidores continuam refletindo sobre a inflação persistentemente alta e perspectiva de aperto monetária mais agressivo, o que pode levar uma desaceleração econômica global.

Na semana seguinte à decisão do BC dos Estados Unidos em elevar os juros do país em 50 pontos base, as atenções se voltam agora a novos dados de inflação do país. Na quarta-feira (11), sai o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês), e o consenso Refinitiv aguarda por uma variação mensal positiva de 0,2% em abril. No dia seguinte (12), é a vez do índice de preços ao produtor (PPI), que, segundo projeções do mercado, deve avançar 0,5% de março para abril.

Saiba mais: 

Ata do Copom, IPCA de abril e inflação nos EUA: o que acompanhar na semana

Atenção ainda para os dados da China. O crescimento das exportações do país desacelerou a um dígito, nível mais fraco em quase dois anos, enquanto que as importações mal mudaram em abril, uma vez que medidas mais duras e amplas contra a Covid-19 afetou a produção em fábricas e a demanda doméstica, ampliando as preocupações econômicas.

As exportações em dólares cresceram 3,9% em abril em relação ao ano anterior, caindo acentuadamente em relação ao crescimento de 14,7% registrado em março, embora ligeiramente melhor que a previsão dos analistas de 3,2%. Foi o ritmo mais lento desde junho de 2020. As importações permaneceram estáveis em relação ao ano anterior, melhorando ligeiramente em relação a uma queda de 0,1% em março e um pouco melhor do que a contração de 3,0% esperada pela pesquisa da Reuters.

Os dados vieram quando a China continuou a combater seu pior surto de Covid desde o início de 2020 . O presidente chinês, Xi Jinping , enfatizou na quinta-feira que o país deve manter sua política de “dinâmica zero Covid” .

Os investidores também estarão atentos à guerra na Ucrânia. A primeira-dama dos EUA, Jill Biden, fez uma visita surpresa ao país no domingo. Os EUA e os países do Grupo dos Sete anunciaram que aumentariam o apoio financeiro de curto prazo à Ucrânia, à medida que a guerra com a Rússia se aproxima da marca de três meses.

A Rússia também está sob escrutínio na segunda-feira, enquanto se prepara para o “Dia da Vitória” – um feriado que comemora a derrota da Alemanha nazista pela União Soviética na Segunda Guerra Mundial.

Vladimir Putin, presidente da Rússia, afirmou em discurso que a “operação militar especial” na Ucrânia foi “a decisão certa na hora certa”. “A Rússia deu uma resposta preventiva à agressão, com uma decisão forçada e soberana. A operação militar especial era necessária e foi a decisão certa na hora certa”, afirmou, na Praça Vermelha.

Por aqui, a temporada de balanços segue a todo vapor, com destaque para divulgação de resultados pelo Itaú, Via e BB Seguridade. Destaque também para a escalada dos preços dos combustíveis no Brasil e para a possibilidade iminente de reajustes nos preços da Petrobras. Segundo contas da XP, o diesel apresenta defasagem na ordem de 20%, enquanto a gasolina, de 30%.

Confira mais destaques:

1. Bolsas Mundiais

Estados Unidos

Os índices futuros dos EUA operam em queda, após uma última semana bastante turbulenta para os mercados, em meio à preocupação com a alta da inflação e com as consequências do aperto monetário pelo Federal Reserve.

Na última sexta, o índice de tecnologia Nasdaq marcou seu menor nível de fechamento desde 2020 e registrou a quinta perda semanal consecutiva, maior sequência de baixas desde o quarto trimestre de 2012. O índice S&P 500 também emendou sua quinta perda semanal seguida, mais longa série de declínios semanais desde o segundo trimestre de 2011.

Veja o desempenho dos mercados futuros:

  • Dow Jones Futuro (EUA), -1,13%
  • S&P 500 Futuro (EUA), -1,37%
  • Nasdaq Futuro (EUA), -1,60%

Ásia

Os mercados asiáticos fecharam em baixa em sua maioria, com os investidores reagindo aos dados comerciais chineses que vieram acima do esperado.

Os investidores também estão de olho na guerra na Ucrânia, já que dezenas de pessoas foram mortas depois que uma escola na região de Luhansk, no leste da Ucrânia, foi atingida por bombardeios russos.

  • Shanghai SE (China), +0,09%
  • Nikkei (Japão), -2,53%
  • Hang Seng Index (Hong Kong), fechado por feriado
  • Kospi (Coreia do Sul), -1,27%

Europa

Os mercados europeus recuam, acompanhando o sentimento negativo global, à medida que os investidores continuam refletindo sobre a inflação persistentemente alta.

  • FTSE 100 (Reino Unido), -0,92%
  • DAX (Alemanha), -0,76%
  • CAC 40 (França), -1,14%
  • FTSE MIB (Itália), -1,04%

Commodities

Os preços do petróleo caem nesta segunda-feira, juntamente com os mercados de ações, provocados por temores de que uma recessão global possa diminuir a demanda por petróleo, com os investidores de olho nas negociações da União Europeia sobre um embargo de petróleo russo que deve apertar a oferta global.

As Commodities operam em baixa após dados fracos da balança comercial chinesa, os quais reiteram os efeitos das restrições de mobilidade para a atividade industrial. Durante a manhã, o Banco Central da China (PBoC) divulgou relatório trimestral, no qual diz que não inundará a economia chinesa com estímulos, oferecerá apoio localizado a setores afetados pela pandemia e buscará manter os preços sob controle.

O preço do Brent cai, mesmo com a expectativa de sanções mais duras da Europa sobre o petróleo russo, enquanto os contratos de minério de ferro e de grãos despencam, sinalizando dia difícil para as moedas emergentes.

  • Petróleo WTI, -1,15%, a US$ 108,47 o barril
  • Petróleo Brent, -0,97%, a US$ 111,30 o barril
  • Minério de ferro negociado na bolsa de Dalian teve baixa de 5,78%, a 806,50 iuanes, o equivalente a US$ 119,92

Bitcoin

  • Bitcoin, -2,88% a US$ 33.634,68 (em relação à cotação de 24 horas atrás)

2. Agenda

Depois de uma semana desastrosa para os ativos de risco, os próximos dias reservam uma agenda carregada de indicadores que podem balançar as Bolsas mais uma vez. Destaque para dados de inflação no Brasil, Estados Unidos e Europa. As autoridades monetárias do mundo todo estão de olho na escalada global de preços, retiram medidas de estímulo e aumentam juros – a combinação que tem derrubado os mercados.

Na quarta-feira (11) sai o Índice de Preços ao Consumidor (IPCA), referente ao mês de abril. Vale lembrar que a prévia da inflação do mês passado (IPCA-15) avançou 1,73%, maior taxa para o período em 27 anos. Para o mês cheio, o Itaú prevê uma alta de 1,04%, levando a inflação de 12 meses a 12,11% – para os analistas do banco, será o pico da inflação em 2022.

Mas antes do IPCA, na terça-feira (10), tem um outro destaque na agenda que é bastante aguardado pelos investidores: a ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom). Na semana passada, o BC elevou a Selic em 1 ponto percentual e deixou a porta aberta para uma nova alta “de menor magnitude”, de acordo com o comunicado que acompanhou a decisão.

“Aparentemente, a decisão de prolongar ou interromper o ciclo de aperto monetário será tomada reunião a reunião. Esperamos que termine com a Selic em 13,75%, com duas altas extras de 50 pontos base, mas a divulgação da minuta na próxima terça-feira pode nos levar a rever essa projeção, se necessário”, afirma a equipe de análise do Itaú.

Brasil

8h: IPC-S semanal

10h: Pesquisa eleitoral – CNT/MDA

15h: Balança comercial semanal

EUA

11h: Estoques no atacado mensal

3. Radar político

Lula lança pré-candidatura

Em um evento realizado em um centro de convenções na zona norte de São Paulo, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) lançou na manhã de sábado sua pré-candidatura à Presidência.

Em seu discurso, Lula evocou o legado deixado pelos seus governos e afirmou que sua causa é “restaurar a soberania do Brasil”.

Geraldo Alckmin (PSB), companheiro de chapa de Lula como pré-candidato à vice-presidência, fez um discurso ao vivo, mas transmitido online em um telão – o ex-governador de São Paulo foi diagnosticado com Covid-19 na sexta-feira (6).

Ele disse que “absolutamente nada servirá de razão ou pretexto” para que ele “deixe de apoiar ou defender a volta de Lula à presidência do Brasil”.

Alckmin fez duras críticas ao atual presidente e rival Jair Bolsonaro e prometeu ao povo brasileiro “um governo realmente democrático”. “O Brasil sobrevive hoje ao mais desastroso e cruel governo da sua história. Socialmente injusto e irresponsável”, disse.

“Sem Lula, não haverá alternância de poder, e, sem alternância, não há esperança para a democracia no Brasil”, completou.

Salário mínimo perde valor pela primeira vez em 28 anos

Desde o real, nenhum presidente terminou mandato com poder de compra menor, como será em 2022, segundo reportagem do jornal O Globo.

Dois fatores explicam a perda. Um deles é o ajuste fiscal, pelo peso do salário mínimo na indexação do Orçamento da União, ou seja, reajustes no piso têm impacto em uma gama de outras despesas, como benefícios sociais e gastos com Previdência. O segundo é a aceleração da inflação.

Não é possível admitir bravata sobre fechamento do STF ou dúvida sobre sistema eleitoral

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), disse no domingo que não é possível admitir “sequer uma bravata relacionada a fechamento do Supremo” ou dúvidas sobre o processo eleitoral. Em entrevista à Globonews, Pacheco argumentou que “não precisamos de brigas, mas de posições firmes”, e disse que o papel das instituições é “continuar afirmando e reafirmando que as eleições vão acontecer (…) através das urnas eletrônicas”.

Milton Ribeiro, ex-MEC, pode ser investigado por órgão do qual já foi integrante

Coluna de Lauro Jardim/O Globo informa que o ex-conselheiro da Comissão de Ética Pública da Presidência, Milton Ribeiro está na mira do colegiado que já integrou. O grupo deve deliberar nas próximas reuniões sobre o pedido do deputado Ivan Valente para investigar a influência de poder no Ministério da Educação. Enquanto isso, Abraham Weintraub, novo desafeto de Jair Bolsonaro, lembra que sua primeira punição aplicada pela Comissão de Ética veio de Milton Ribeiro. Agora, o “juiz” pode ser julgado.

4. Covid

No último domingo (8), o Brasil registrou 10 mortes e 6.062 casos de covid-19 em 24h, segundo informações do consórcio de veículos de imprensa, às 20h.

A média móvel de mortes por Covid em 7 dias no Brasil ficou em 89, recuo de 11% em comparação com o patamar de 14 dias antes.

A média móvel de novos casos em sete dias foi de 15.723.

Chegou a 164.583.578 de pessoas totalmente imunizadas contra a Covid no Brasil, o equivalente a 76,67% da população.

O número de pessoas que tomaram ao menos a primeira dose de vacinas atingiu 177.382.535 pessoas, o que representa 82,57% da população.

A dose de reforço foi aplicada em 87.976.712 pessoas, ou 40,96% da população.

5. Radar Corporativo

Itaú Unibanco (ITUB4)

O Itaú Unibanco (ITUB4) registrou lucro líquido recorrente de R$ 7,36 bilhões no primeiro trimestre de 2022 (1T22), o que representa um crescimento de 15% em relação ao mesmo trimestre de 2021.

O retorno sobre patrimônio líquido (ROE, na sigla em inglês) recorrente foi de 20,4% no 1T22, elevação de 1,9 p.p. na comparação com 1T21.

A carteira de crédito total ajustada atingiu 1,032 trilhão nos três primeiros meses deste ano, um aumento de 13,9% frente ao mesmo período de 2021.

Sabesp (SBSP3)

A Sabesp (SBSP3) registrou um lucro líquido de R$ 975,6 milhões no primeiro trimestre deste ano, representando um aumento de 96,4% em comparação ao mesmo período do ano passado.

O resultado foi beneficiado pela valorização do real frente às moedas estrangeiras, no caso o dólar e o iene, divisas com as quais a empresa tem dívida contratada.

Porto (PSSA3)

A Porto (PSSA3) reportou um lucro líquido 40,6% menor neste primeiro trimestre de 2022 (1T22), de R$ 175,105 milhões, em comparação com os R$ 294,6 milhões do mesmo período do ano passado.

A receita total da empresa cresceu 21,4%, chegando R$ 5,8 bilhões no trimestre analisado, contra R$ 4,8 bilhões de um ano atrás.

Odontoprev (ODPV3)

A Odontoprev (ODPV3) atualizou o valor do dividendo que será pago. O valor foi atualizado de R$ 0,1067942570 para R$ 0,1072035680 por ação. Isto ocorreu por conta da aquisição de 2.145.100 ações desde 27 de abril, dentro do  Programa de Recompra de ações. O pagamento do montante total de R$ 60 milhões será pago em 5 de outubro.

Unidas (LCAM3)

A Unidas (LCAM3) distribuirá dividendos no próximo dia 13 de maio. Ao todo foram disponibilizados R$ 51 milhões, que correspondem a R$ 0,100999839 por ação.

Isa Cteep (TRPL4) e Taesa (TAEE11)

As empresas concluíram a subsidiária IE Aimorés, na qual cada empresa detém 50%. O investimento foi de R$ 425 milhões e o RAP é de R$ 87 milhões (2021/2022).

(Com Estadão, Reuters e Agência Brasil)

Procurando uma boa oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje.

Compartilhe