Bitcoin ultrapassa US$ 45 mil pela primeira vez em quase dois anos

Criptomoeda disparou em meio ao otimismo com avanço do ETF spot nos EUA

Lucas Gabriel Marins

Bloomberg

Publicidade

O Bitcoin (BTC) ultrapassou os US$ 45 mil pela primeira vez em quase dois anos à medida que cresce a expectativa com a aprovação do primeiro ETF (fundo de índice) dos Estados Unidos com exposição direta à criptomoeda.

A Comissão de Valores Mobiliários do país, a SEC, tem até o dia 10 de janeiro para dar ou não o aval para a criação do produto inédito, que pode atrair US$ 100 bilhões em pouco tempo, segundo analistas.

Diversas gestoras estão na corrida para colocar no mercado o ETF à vista de Bitcoin. No final do ano passado, membros da gestora BlackRock e da Nasdaq se reuniram com representantes do regulador norte-americano para discutir o avanço do veículo de investimento.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“A eventual ativação de um ETF de Bitcoin e o interesse governamental, corporativo e individual em criptomoedas pode resultar em um novo ciclo de alta prolongado, cujos sinais já estão começando a aparecer”, disse a exchange Ripio recentemente.

Por volta das 8h desta terça-feira (2), o BTC opera com alta de 7%, a US$ 45.665. No acumulado de 30 dias, a moeda digital valorizou 15%. Em um ano, o ativo subiu mais de 160%, superando as ações globais e o ouro durante o período.

Além do ETF, outro assunto que está no radar dos investidores é o halving, atualização quadrienal na blockchain do Bitcoin que corta a emissão de moedas pela metade, dando o caráter deflacionária do ativo digital. O próximo evento deve ocorrer em abril deste ano.

Continua depois da publicidade

“Uma grande correção é improvável dado o sentimento de alta mais amplo e o próximo halving”, disse Cici Lu McCalman, fundador da consultoria de blockchain Venn Link Partners, para a Bloomberg.

Altcoins

A disparada de hoje do Bitcoin repercutiu em todo todo o mercado cripto, que alcançou capitalização de US$ 1,76 trilhão. A Cardano (ADA) valoriza 5,20% nesta manhã, o Ethereum (ETH) sobe 4,80% e o BNB Chain (BNB) avança 2,30%.

Um dos principais destaques é a Solana (SOL), que subiu 10% nas últimas 24 horas, dando sequência à valorização de 900% de 2023, puxada por parcerias com gigantes do mercado de pagamentos, como a Visa, e novas atualizações.

No início deste ano ano, a Solana Foundation, organização por trás da SOL, anunciou investimentos em torno de R$ 50 milhões no Brasil para 2024.

Confira o desempenho das principais criptomoedas às 7h50:

CriptomoedaPreçoVariação nas últimas 24 horas
Bitcoin (BTC)US$ 45.665+7,00%
Ethereum (ETH)US$ 2.409+4,80%
BNB Chain (BNB)US$ 318+2,30%
XRP (XRP)US$ 0,638150+3,30%
Cardano (ADA)US$ 0,632371+5,20%

As criptomoedas com as maiores altas nas últimas 24 horas:

CriptomoedaPreçoVariação nas últimas 24 horas
Astar (ASTR)US$ 0,163197+19,60%
Sei (SEI)US$ 0,739817+18,90%
NEAR Protocol (NEAR)US$ 4,25+17,60%
WEMIX (WEMIX)US$ 2,94+15,80%
Hedera (HBAR)US$ 0,098440+15,30%

As criptomoedas com as maiores baixas nas últimas 24 horas:

CriptomoedaPreçoVariação nas últimas 24 horas
Bitcoin SV (BSV)US$ 98,45-8,80%
Helium (HNT)US$ 6,78-5,80%
Maker (MKR)US$ 1.653-4,20%
XDC Network (XDC)US$ 0,057263-1,50%
Bitcoin Cash (BCH)US$ 263-0,60%


Confira como fecharam os ETFs de criptomoedas no último pregão:

ETFPreçoVariação
Hashdex NCI (HASH11)R$ 33,05+0,27%
Hashdex BTCN (BITH11)R$ 48,96+0,16%
Hashdex Ethereum (ETHE11)R$ 33,55+0,87%
Hashdex DeFi (DEFI11)R$ 27,88+7,67%
Hashdex Smart Contract Plataform FI (WEB311)R$ 32,04+2,82%
Hasdex Crypto Metaverse (META11)R$ 36,02+0,05%
QR Bitcoin (QBTC11)R$ 13,38+0,45%
QR Ether (QETH11)R$ 8,45+1,93%
QR DeFi (QDFI11)R$ 3,98+14,36%
Cripto20 EMPCI (CRPT11)R$ 9,32+0,53%
Investo NFTSCI (NFTS11)R$ 12,07+8,97%
Investo BLOKCI (BLOK11)R$ 152,48+3,36%

(Com informações da Bloomberg)

Lucas Gabriel Marins

Jornalista colaborador do InfoMoney