Radar InfoMoney

Americanas conclui compra da Natural da Terra, Alpargatas recebe proposta por Osklen, mais aquisições e outros destaques

Confira os destaques do noticiário corporativo na sessão desta quarta-feira (3)

Por  Equipe InfoMoney -

O noticiário corporativo desta quarta-feira (03) tem como destaque a proposta do grupo Dass por 60% da Osklen, marca de calçados e roupas que pertence à Alpargatas (ALPA4).

A Americanas informou que sua subsidiária, IF Capital, que tem como missão investir em startups, concluiu a aquisição de 100% das ações da Natural da Terra.

Destaque também para a divulgação dos balanços de Itaú, Cielo, GPA e CSN nesta quarta-feira. Confira os destaques:

Alpargatas (ALPA4)

O grupo Dass, dono das marcas Fila e Umbro, fez uma proposta para adquirir 60% da Osklen, marca de calçados e roupas que pertence à Alpargatas (ALPA4).

A proposta foi divulgada em fato relevante da companhia de capital aberto. E, segundo o documento, é composta por uma parte fixa de R$ 300 milhões, a ser paga em três parcelas, além de uma parte variável no valor de até R$ 100 milhões, condicionada ao atingimento de determinadas metas durante os exercícios de 2022 e 2023.

O pagamento seria feito em até quatro anos do recebimento da proposta, com a devida correção monetária, na proporção da participação da companhia.

Raízen (RAIZ4)

A Raízen (RAIZ4) concluiu a aquisição de 50% da Barcosy Rodados (B&R), pelo valor de US$ 121,9 milhões, sendo que US$ 31,9milhões foram pagos na presente data e US$ 90 milhões serão pagos em 5 parcelas anuais.

A empresa assinou contrato regulando o direito de uso da marca Shell para a B&R e Acordo de Acionistas que regula as relações das partes como acionistas da B&R.

A conclusão da Operação marca a entrada da Raízen no mercado paraguaio de Marketing &Serviços com 340 postos de revenda, complementando a plataforma de operações da Companhia na América do Sul.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Americanas (AMER3)

A Americanas (AMER3) e Lojas Americanas informaram que a IF Capital, subsidiária da Americanas, que tem como missão investir em startups, concluiu a aquisição, na segunda-feira (01), de 100% das ações da Natural da Terra.

Segundo comunicado, a Natural da Terra tem uma rede de 77 lojas em Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo. As vendas on-line da rede representam 16% do total.

Ainda no radar, as varejistas Americanas, anteriormente conhecida como B2W, e Lojas Americanas disseram nesta quarta-feira (3) que seus controladores serão diluídos em fusão entre as duas companhias e deterão uma participação de 29,2% participação na empresa combinada Americanas.

Os bilionários brasileiros Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Carlos Alberto Sicupira, fundadores da 3G Capital, atualmente controlam a Lojas Americanas e se tornarão “acionistas de referência” e não deterão mais do que 50% do capital votante.

Eles decidiram abrir mão do controle da Lojas Americanas sem cobrar um prêmio por isso, disseram as empresas.

Allied (ALLD3)

A Allied (ALLD3) concluiu a aquisição da totalidade do capital social da Brused, plataforma de compra e venda de aparelhos eletrônicos seminovos.

O valor da operação não foi revelado.

Desde o segundo semestre de 2020, com o lançamento do Programa iPhone Pra Sempre, em parceria com o Banco Itaú e a Apple, a Allied ingressou nesse mercado através do compromisso de compra dos aparelhos que são devolvidos pelos clientes no final do seu ciclo no Programa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Hospital Mater Dei (MATD3)

O Hospital Mater Dei (MATD3) concluiu a aquisição, por meio da sua subsidiária RMDSPD Participações, de fatia de 50,1% do capital social da A3 Data Consultoria.

CM Hospitalar (VVEO3)

A CM Hospitalar (VVEO3) concluiu a compra da totalidade FW após o cumprimento das condições precedentes, tal como a anuência do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE).

Localizada em Blumenau, Santa Catarina, a FW é uma empresa voltada ao ramo de higiene pessoal, especializada na fabricação de lenços e toalhas umedecidas.

A CM Hospitalar (VVEO3) informou ainda que foi concluída, após cumprimento de condições precedentes, a aquisição de 100% da Tecno4 e da Pointmed.

Kora Saúde (KRSA3)

A Kora Saúde (KRSA3) anunciou que, concluiu, no dia 1 de novembro de 2021, a aquisição de 80% do capital social do Grupo Oto, localizado na cidade de Fortaleza, Estado do Ceará.

A conclusão consagra a formação do maior grupo hospitalar do Ceará, totalizando 449 leitos. A Kora inaugurou sua presença no Estado do Ceará tornando-se líder de mercado, com hospitais referências em diversas especialidades.

O Grupo OTO agora passa a ser composto pelo Hospital Otoclinica Matriz (194 leitos), Hospital São Mateus (150 leitos) e o Hospital Gastroclínica (105 leitos), além de unidades avançadas de pronto atendimento, unidades de análises clínicas e de imagem.

Telefônica (VIVT3)

O Conselho de Administração da Telefônica (VIVT3) aprovou a alienação de parte das ações de sua titularidade e de emissão de sua controlada “IoTCo Brasil”, representativas de 0,02% do capital social da IoTCo Brasil, para a TI&BDT, controlada indireta da Telefónica, pelo valor de R$ 18,99 milhões.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em decorrência da transação, 50,01% do capital social da IoTCo Brasil passou a ser detido pela Telefônica (VIVT3) e 49,99% pela TI&BDT .

Banco Pan (BPAN4)

O Banco Pan (BPAN4) reportou lucro líquido de R$ 191 milhões no terceiro trimestre de 2021 (3T21). O resultado representa um crescimento de 12% em relação ao mesmo período de 2020.

De acordo com o banco, os principais fatores para o desempenho foram margem financeira robusta, custo de crédito sob controle e receitas crescentes de prestação de serviços.

O retorno anualizado sobre patrimônio líquido médio foi de 13,6% no 3T21, frente ao retorno de 13,2% no mesmo período do ano passado (3T20).

A margem financeira líquida do banco atingiu 19,3% entre julho e setembro de 2021, frente aos 20,5% do 3T20.

Já a despesa líquida de provisão de créditos totalizou R$ 378 milhões no terceiro trimestre de 2021, aos R$ 300 milhões do 3T20.

Azul (AZUL4)

A gestão da Azul destacou ao jornal chileno “Diario Financiero” que a aérea pretende apresentar uma proposta para comprar a Latam como um todo caso os credores da empresa não aprovem o seu plano de recuperação judicial no fim do mês.

Ômega (OMGE3)

A Ômega (OMGE3) informou que somente poderão exercer o direito de recesso os acionistas dissidentes que, comprovadamente, forem titulares, de maneira ininterrupta, de ações ordinárias de emissão da companhia entre 24 de setembro de 2021.

O valor do reembolso por ação a ser pago ao acionista dissidente que exercer seu direito de retirada será de R$ 19,562 por ação.

O prazo para exercício do direito de recesso será de 30 dias contados da data de publicação da ata da AGE, ou seja, em 4 de novembro de 2021.

O pagamento do reembolso será realizado em até 90 dias após o término do prazo para o exercício do direito de retirada.

Inter (BIDI11)

O banco Inter (BIDI11) convocou AGE de reorganização societária para o dia 25 de novembro de 2021.

O conselho de administração aprovou a incorporação do Inter Holding pela Inter Platform, sociedade constituída de acordo com as leis da jurisdição de Cayman, com a listagem de suas ações na Nasdaq, bolsa de valores nos Estados Unidos.

Energisa (ENGI11)

A Energisa (ENGI11) iniciou na segunda-feira (01) oferta pública obrigatória de aquisição de ações de titularidade de empregados e aposentados de sua controlada Energisa Rondônia.

A oferta pública obrigatória visa a aquisição de até 148.204.719 ações, representativas de 3,54% do capital social total da Energisa Rondônia.

Oncoclinicas (ONCO3)

A Oncoclinicas (ONCO3) informou a celebração de contrato para prestação de serviços de formador de mercado com o Citigroup.

O Contrato tem por objetivo fomentar a liquidez das 125.568.306 ações ordinárias de emissão da companhia em circulação no mercado sob o ticker ONCO3.

3R Petroleum (RRRP3)

A 3R Petroleum (RRRP3) comunicou que, no dia 01 de novembro de 2021, foram implementadas todas as condições suspensivas para a aquisição da totalidade das ações da Duna Energia que pertenciam ao Banco BTG Pactual e a outros acionistas minoritários.

Assim, a Duna Energia tornou-se uma subsidiária integral da 3R.

Segundo a nota, os documentos finais da transação foram aprovados pela Assembleia Geral Extraordinária da companhia realizada em 29 de outubro de 2021.

A operação foi concretizada mediante o pagamento, pela Aquisição Secundária, em dinheiro, no valor de R$ 73,3 milhões.

Além disso, para cada ação de Duna Energia foram entregues 70,7048 ações ordinárias de emissão da 3R. A quantidade total de ações da 3R atribuídas aos acionistas da Duna Energia foi de 4.533.236 novas ações ordinárias, correspondentes a 3,31% das ações representativas do capital social total da 3R, todas pelo preço de emissão, por ação, de R$ 42,00, totalizando US$ 36,3 milhões.

Com a efetivação da Incorporação de Ações, o capital social da 3R passou a ser de R$ 1,978 bilhão, dividido em 136.893.078 ações ordinárias.

B3 (B3SA3)

Ao comentar a entrevista de Gilson Finkelsztain, CEO da B3, sobre as oportunidades de tokenização de ativos e gargalos regulatórios relacionados às criptomoedas, o Bradesco BBI vê algumas iniciativas interessantes da B3 que parece estar gradualmente se movendo na direção de melhorar sua tecnologia e de olho em novos mercados (como criptografia e NFTs).

Isso, segundo o banco, indica um bom potencial de médio e longo prazo para a empresa aumentar seus fluxos de receita, tornando-se menos dependente dos volumes de ações em dinheiro.

TIM (TIMS3)

O Credit Suisse mantém recomendação outperform (desempenho acima da média do mercado) para ações da TIM (TIMS3), mas reduziu preço-alvo de R$ 20,00 para R$ 16,00, após encontro com a gestão da companhia.

De acordo com o banco, as mensagens foram positivas da reunião, incluindo: a expectativa de um desfecho positivo do leilão 5G, a venda do Oi Mobile pode ser aprovada ainda este ano, a competição se tornando mais racional, as receitas TIM Live e pré-pagas devem melhorar gradualmente, potencial acordo sobre arbitragem do Banco C6, e uma possível recompra que ainda está em análise.

O banco diz também que reduziu sua estimava de Ebitda em cerca de 1% com o aumento da inflação e cortou o lucro líquido em aproximadamente 15% com o aumento das despesas financeiras.

Além disso, o banco diz que os múltiplos são atraente em 3,8x EV / Ebitda e 10x P / L.

Por outro lado, segundo o banco, a incapacidade potencial de repassar a inflação para os preços é o principal risco.

Oi (OIBR3), TIM, Claro e Telefônica Brasil (VIVT3)

Em nota, o Cade informa que a superintendência-geral da instituição remeteu para análise de seu tribunal a compra dos ativos de telefonia móvel do Grupo Oi por TIM, Claro e Telefônica Brasil (dona da Vivo). A superintendência recomendou que o negócio seja aprovado com a adoção de medidas visando reduzir riscos concorrenciais.

Vale (VALE3)

O Morgan Stanley mantém avaliação equal-weight (perspectiva de valorização dentro da média de mercado) para as ações da Vale (VALE3), mas reduziu preço-alvo de US$ 18,00 para US$ 16,00 por ADR.

Segundo o banco, a avaliação se deve à falta de catalisadores positivos no curto prazo e preços mais baixos do minério de ferro esperados nos próximos anos devido a uma perspectiva estrutural desafiadora.

Além disso, o banco vê a mineradora reportando fluxo de caixa sólidos nos próximos anos, apesar das previsões de preços mais baixos do minério de ferro e pagamentos futuros no acidente de Brumadinho, o que deve permitir que a empresa devolva o caixa excedente aos acionistas por meio de dividendos e recompras.

No entanto, o Morgan Stanley espera que as ações continuem a ser negociadas em múltiplos baixos e abaixo de seu valor intrínseco em meio à incerteza em torno dos mercados de aço e propriedades da China e potencial para royalties de mineração mais elevados no Brasil.

Dommo (DMMO3)

A Dommo (DMMO3) comunicou hoje (3) que os procedimentos relativos à arbitragem instaurada perante a Câmara de Comércio Internacional contra a Petronas Brasil encontram-se em estágio final.

Segundo comunicado, provavelmente a sentença será proferida até janeiro de 2022, embora não se possa garantir que esse prazo não será ultrapassado.

JBS (JBSS3)

A JBS (JBSS3) informou nesta quarta-feira (3) que o Tribunal Federal da Austrália aprovou a Escritura de Implementação pela qual a JBS adquirirá 100% das ações de emissão da HUON.

De acordo com comunicado, esta é a última aprovação necessária e torna a aquisição irreversível.

Hermes Pardini (PARD3)

A Fitch Ratings afirmou o Rating Nacional de Longo Prazo ‘AA(bra)’ do Instituto Hermes Pardini (PARD3) e de sua segunda emissão de debêntures, com vencimento em 2023. Ao mesmo tempo, a Perspectiva foi revisada de estável para positiva.

Segundo a agência, a revisão incorpora a expectativa de fortalecimento do peril de negócios do Pardini, decorrente de aumento da escala e maior diversificação de receitas.

Minerva (BEEF3)

A Minerva (BEEF3), líder na América do Sul na exportação de carne bovina, concluiu a recompra e cancelamento de US$ 70,6 milhões em Bonds de 2028.

Segundo a companhia, a operação visa reduzir a dívida bruta e o custo da estrutura de capital da empresa.

Infracommerce CXaaS (IFCM3)

A Infracommerce CXaaS (IFCM3), empresa de soluções digitais para e-commerce, anunciou hoje suas expectativas para a Black Friday de 2021.

Com o forte crescimento do comércio eletrônico no Brasil, a empresa deve viver a melhor Black Friday da sua história, com previsão de crescimento orgânico do volume de seus clientes entre 30% e 40%, cerca de duas vezes o crescimento orgânico registrado no terceiro trimestre de 2021.

Aprenda a transformar a Bolsa de Valores em fonte recorrente de ganhos. Assista a aula gratuita do Professor Su e descubra como.

Compartilhe