AO VIVO Por Dentro dos Resultados - Cielo (CIEL3): conheça os detalhes do resultado da empresa em 2020 em entrevista com CEO

Por Dentro dos Resultados - Cielo (CIEL3): conheça os detalhes do resultado da empresa em 2020 em entrevista com CEO

Junto ao registro definitivo

Diretor do Butantan diz que vai pedir à Anvisa uso emergencial da vacina CoronaVac

Dessa maneira, seria possível ter uma autorização oficial na primeira semana de janeiro

Coronavac, vacina produzida em parceria com a China
A CoronaVac é a vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac e pelo Instituto Butantan (Divulgação)

SÃO PAULO – Nesta quinta-feira (17), Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan, afirmou que vai pedir também a autorização de uso emergencial da Coronavac para a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A vacina é produzida pelo laboratório chinês Sinovac, em parceria com o Butantan. O pedido de uso emergencial deve ser feito no dia 23 de dezembro, junto com o pedido de registro definitivo da CoronaVac.

A afirmação representa uma mudança de discurso. Na última segunda-feira (4), João Doria, governador do estado de São Paulo, informou uma outra estratégia de aprovação da vacina. O estado, em conjunto com o Butantan, pediriam o registro definitivo da vacina e não mais o emergencial – como estava previsto até então. Inclusive, o governador reforçou que essa medida poderia agilizar a aprovação.

Apesar da divergência, com o pedido emergencial seria possível ter uma autorização oficial até janeiro. Isso porque a Anvisa estabeleceu 10 dias para avaliação desse tipo de registro, em caráter emergencial.

Na prática, o governo paulista e o Butantan vão tentar a aprovação com a Anvisa de mais maneiras. “Vamos fazer o pedido de registro na China e no Brasil. Vamos também dar entrada no pedido de uso emergencial no Brasil. Se fizermos isso na semana que vem, como está programado, no dia 23, isso significa que na primeira semana de janeiro poderemos ter uma manifestação da Anvisa. (…) Teremos, nesse cronograma, 9 milhões de doses para serem usadas nos brasileiros”, disse Dimas Covas em coletiva de imprensa nesta quinta-feira (17). “A vacina não pode ficar na prateleira.”

Os dados sobre a eficácia da vacina ainda não foram divulgados. Doria informou que os resultados dos testes clínicos da fase três devem ser enviados junto com a documentação para a aprovação, no dia 23 de dezembro.

O governo paulista vem reforçando que a vacinação no estado começa em 25 de janeiro e aguarda um pedido formal do Ministério da Saúde para a compra da CoronaVac até esta sexta-feira (18).

Segundo o Plano Nacional de Imunização, sete vacinas podem chegar ao Brasil, juntando contratos de aquisição de doses e memorandos de entendimento. O InfoMoney fez uma reportagem mostrando em que estágio cada uma delas está: confira. 

Quer receber aluguel sem ter imóvel? Thomaz Merluzzi, estrategista de Fundos Imobiliários da XP, oferece treinamento gratuito para quem busca uma fonte de renda passiva – inscreva-se já!