Vai ao bloco de Carnaval? Instale o “Celular Seguro”, mas não faça testes no app; saiba motivo

Testes têm bloqueado aparelhos dos usuários; ferramenta foi criada para proteger celulares roubados no país

Anna França

Celular seguro, programa do governo federal para bloquear aparelhos roubados

Publicidade

O Carnaval chegou e muita gente vai aproveitar os dias de folia nos bloquinhos de rua e nos desfiles das escolas de samba espalhados pelo país. Em grandes aglomerações, a preocupação também recai na segurança de itens pessoais, como carteira, cartões de crédito e o celular devido ao aumento dos casos de roubos e furtos.

Recentemente, o governo federal criou uma ferramenta que pode proteger os celulares, chamada de “Celular Seguro”. Nela, é possível bloquear o funcionamento de aparelhos roubados, perdidos ou furtados no país.

Mas os usuários precisam ficar atentos: não “teste” o sistema apertando o botão de emergência, que deve ser usado apenas em caso de necessidade. Quem fizer isso terá as funcionalidades do celular também bloqueadas.

Masterclass Gratuita

Rota Liberdade Financeira

Aprenda a investir e construa um patrimônio do zero com o treinamento exclusivo do InfoMoney

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Em resposta ao InfoMoney, o Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP), o responsável pela gestão do “Celular Seguro”, informou que “não há como desbloquear automaticamente os acessos cortados ao emitir o alerta, por questões de segurança”. Caso o usuário queira reverter os bloqueios, vai precisar entrar em contato com a operadora de telefonia e com os bancos que tiveram o acesso interrompido.

A recomendação do ministério é que não há necessidade de testes porque o sistema já tem funcionado de forma satisfatória na maioria dos casos.

Números mais atualizados do Celular Seguro:

Continua depois da publicidade

Origem do sistema

O Programa “Celular Seguro”, do Ministério da Justiça e Segurança Pública, surgiu para combater o roubo e o furto de aparelhos celulares no país. Uma das saídas propostas para reduzir esse tipo de crime é a utilização de tecnologia para comunicar o crime a vários empresas (bancos e operadoras) e, ao mesmo tempo, acionar bloqueios do próprio aparelho, dos aplicativos bancários e de eventuais acessos disponíveis no dispositivo móvel.

O MJSP debateu com entidades setoriais, agências regulatórias e empresas de telefonia quais seriam as tecnologias utilizadas para combater o roubo e o furto de aparelhos celulares no país. Uma das saídas propostas foi uma tecnologia que avisasse as empresas ao mesmo tempo, acionando bloqueios no próprio aparelho.

Juntas, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Instituições Financeiras e as Operadoras de Telefonia colaboraram no desenvolvimento do projeto. A partir dele, os parceiros dessa iniciativa serão alertados e tomarão providências necessárias para evitar maiores problemas.

Como instalar o Celular Seguro?

Anna França

Jornalista especializada em economia e finanças. Foi editora de Negócios e Legislação no DCI, subeditora de indústria na Gazeta Mercantil e repórter de finanças e agronegócios na revista Dinheiro.