Feriado ou ponto facultativo: trabalhador pode folgar no Carnaval?

Pela lei, empregador pode exigir que os funcionários trabalhem ou compensem as horas na segunda e na terça-feira

Anna França

Publicidade

O Carnaval é tão tradicional no Brasil que pode até ser confundido como feriado, mas não é. Os quatro dias de festa dedicados ao Rei Momo são extremamente populares e muitas empresas liberam os funcionários nesta época do ano.

Mas, juridicamente, alertam os advogados, a Lei 9.093/95 estabelece que só serão considerados feriados aqueles que forem declarados por lei federal ou data magna de cada estado da federação. A regra ainda prevê a concessão aos municípios da possibilidade de decretar até quatro feriados religiosos por ano, neles já incluídos a Sexta-feira da Paixão.

De acordo com o advogado e sócio da área trabalhista do Marzagão e Balaró Advogados, Carlos Balaró, há decisões judiciais nesse sentido. “O descanso acontece em larga escala em várias empresas e a remuneração da segunda e da terça-feira integralmente e da quarta-feira até o meio-dia faz parte de um costume do povo brasileiro, praticado por muitas empresas. Mas é bom frisar que isso não é obrigação da companhia”, explica.

Planilha Gratuita

O seu bolso vai agradecer

Organize a sua vida financeira com a planilha de gastos do InfoMoney; download liberado

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Segundo a sócia da área trabalhista do escritório Innocenti Advogados, Líbia Alvarenga de Oliveira, a Lei nº 14.485/2007, que consolida as datas comemorativas, eventos e feriados da cidade de São Paulo, considera o Carnaval como data comemorativa, mas também não estabelece a festa como feriado.

“Em regra, a maioria dos municípios brasileiros declaram apenas ponto facultativo, o que possibilita a suspensão de expediente em suas repartições ou o funcionamento em regime de plantão, deixando ao arbítrio do setor privado definir seu calendário”, diz

Por isso, mesmo com a mobilização para os eventos, as empresas podem estabelecer algumas condições para a liberação. Entre elas, segundo Líbia, estão:

Continua depois da publicidade

“Portanto, não havendo acordo estabelecendo que o Carnaval seja feriado ou a dispensa espontânea pelo empregador, o trabalho neste período deverá ser normal e o não comparecimento acarretará em prejuízos ao empregado”, acrescenta a advogada.

Dessa forma, o empregador pode, por exemplo, exigir o comparecimento do trabalhador nos dias de festa, acrescenta a sócia da área trabalhista do Costa Tavares Paes Advogados, Cristina Buchignani. “Somente no estado do Rio de Janeiro há uma lei decretando a data como feriado. É importante, ainda, que o empregado e o patrão verifiquem se o instrumento coletivo de trabalho, firmado com assistência sindical, contém cláusula garantindo o descanso nesse período”, afirma a especialista em relações sindicais.

Caso contrário, se não for determinado como feriado na sua localidade, a empresa não é obrigada a dar folga. “Nessa hipótese, em caso de ausência injustificada ou atrasos, o profissional poderá ser penalizado pelo empregador com o correspondente desconto no salário”, explica o advogado Rafael Felisbino, da área trabalhista do Peixoto e Cury Advogados.

Anna França

Jornalista especializada em economia e finanças. Foi editora de Negócios e Legislação no DCI, subeditora de indústria na Gazeta Mercantil e repórter de finanças e agronegócios na revista Dinheiro.