AO VIVO CVM reconsidera decisão sobre dividendos do Maxi Renda (MXRF11); acompanhe análise

CVM reconsidera decisão sobre dividendos do Maxi Renda (MXRF11); acompanhe análise

Um balanço geral sobre o mercado do Bitcoin no 1T14

Os investimentos de venture capital na indústria das moedas digitais segue crescendo. Essa é a tendência verificada no primeiro trimestre de 2014.

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

O site de notícias sobre o mundo das criptomoedas CoinDesk tem publicado periodicamente um extenso e profundo relatório sobre os principais eventos acerca do Bitcoin e demais criptomoedas globalmente.

Abordando desde temas como cotações de mercado, players importantes, regulação, tecnologia, mídia até o cenário de investimentos na indústria, o relatório State of Bitcoin já está se consolidando como uma referência no mercado.

Com o fechamento do primeiro trimestre de 2014, vale a pena destacar alguns slides da mais recente edição recém-publicada (a versão completa pode ser baixada aqui).

Em primeiro lugar, a ótima notícia são as rodadas de levantamento de capital com fundos de venture capital que seguem em tendência de alta. Seguindo o ritmo do primeiro trimestre, o ano pode encerrar-se com cerca de US$ 200 milhões investidos na indústria somente em 2014.

Esse patamar é próximo ao montante de capital levantado por empresas de tecnologia no início da internet em 1995, quando foram aportados por investidores ao redor de US$ 250 milhões.

Em outro slide interessante, e que coloca o Bitcoin em perspectiva, podemos ver a posição da base monetária do bitcoins em dólares, comparada às demais moedas nacionais. Em um mercado em que há quase duzentas moedas nacionais circulando mundialmente, o Bitcoin já tem uma base monetária maior do que a de diversos países (medidas pelo agregado M1), embora ainda esteja longe das principais.

E no quesito reserva de valor, não podemos negar a volatilidade da cotação do bitcoin. Mas é melhor uma moeda que tem se apreciado de valor ao longo do tempo – embora com oscilações –, do que quase 70 moedas que apenas oscilam em uma direção, as quais são inflacionadas por seus bancos centrais e perdem poder de compra ano após ano, como o bolívar venezuelano ou o peso argentino.  

Recomendo, fortemente, conferir a apresentação na íntegra. 

Fernando Ulrich

Fernando Ulrich é Analista-chefe da XDEX, mestre em Economia pela URJC de Madri, com passagem por multinacionais, como o grupo ThyssenKrupp, e instituições financeiras, como o Banco Indusval & Partners. É autor do livro “Bitcoin – a Moeda na Era Digital” e Conselheiro do Instituto Mises Brasil