Haddad confirma cancelamento de reunião com líderes da Câmara

O encontro estava previsto para a tarde desta terça-feira (6), às 16h30, mas não irá mais ocorrer. A confirmação foi dada pelo próprio Fernando Haddad

Fábio Matos

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT), e o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), durante coletiva da imprensa após reunião (Foto: Marina Ramos/Câmara dos Deputados)

Publicidade

Um dia depois de o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), ter subido o tom contra o governo federal em pronunciamento na abertura dos trabalhos legislativos deste ano, a reunião entre o ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT), e líderes partidários da Casa foi cancelada.

O encontro estava previsto para a tarde desta terça-feira (6), às 16h30, mas não irá mais ocorrer. A confirmação foi dada pelo próprio Haddad, em rápida conversa com jornalistas.

“O [José] Guimarães [PT-CE, líder do governo na Câmara] entrou em contato com a chefia do gabinete e pediu para transferir para outro dia. Não fui eu que cancelei. O líder do governo é quem me ligou pedindo para adiar”, afirmou Haddad.

Continua depois da publicidade

Ainda na tarde desta terça, o ministro da Fazenda se reunirá com líderes do Senado. Até o momento, este compromisso está mantido.

Na segunda-feira (5), em discurso no Congresso Nacional, Arthur Lira deixou clara sua insatisfação com o governo federal e mirou, especialmente, na articulação política – que hoje está sob comando do ministro da Secretaria de Relações Institucionais da Presidência, Alexandre Padilha (PT-SP). Há uma forte reação parlamentar à medida provisória da reoneração (MPV 1202/2023).

Questionado sobre o tom duro da fala de Lira na véspera, Haddad minimizou: “Tudo bem. Vai dar tudo certo”, limitou-se a dizer o ministro.

“A política precisa ajudar”

Mais cedo, em São Paulo, Haddad participou de um evento promovido pelo BTG Pactual e defendeu o diálogo entre o Executivo e o Legislativo para que a agenda econômica do país prospere e garanta um crescimento sustentável nos próximos anos.

Em meio aos choques entre o governo federal e o Congresso, especialmente no âmbito das discussões sobre emendas parlamentares e desoneração da folha de pagamento das empresas, Haddad afirmou que “não depende do ministro da Fazenda fazer tudo”.

“Nos últimos dez anos, entendo que a crise foi muito mais política do que econômica. Houve uma espécie de sabotagem mútua. Nosso esforço é para os Três Poderes se entenderem. Se isso continuar acontecendo, sou muito otimista com a política brasileira. Mas a política precisa ajudar”, afirmou Haddad. “Meu otimismo com o Brasil depende do nosso otimismo em relação à política. É ela que tem de funcionar para que os resultados sejam alcançados.”

Newsletter

Infomorning

Receba no seu e-mail logo pela manhã as notícias que vão mexer com os mercados, com os seus investimentos e o seu bolso durante o dia

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Fábio Matos

Jornalista formado pela Cásper Líbero, é pós-graduado em marketing político e propaganda eleitoral pela USP. Trabalhou no site da ESPN, pelo qual foi à China para cobrir a Olimpíada de Pequim, em 2008. Além do InfoMoney, teve passagens por Metrópoles, O Antagonista, iG e Terra, cobrindo política e economia. Como assessor de imprensa, atuou na Câmara dos Deputados e no Ministério da Cultura. É autor dos livros “Dias: a Vida do Maior Jogador do São Paulo nos Anos 1960” e “20 Jogos Eternos do São Paulo”.