Fies terá crédito mais barato e tempo maior de carência, diz Dilma

Dilma delimitou em um ano e meio depois de formado, o início do pagamento, pelo aluno, do financiamento do curso

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Reafirmando o compromisso com a educação, a presidente Dilma Rousseff disse, nesta segunda-feira (14), que o novo sistema do Fies (Programa de Financiamento Estudantil) terá condições mais brandas de financiamento, incluindo juros de 3,4% e maior tempo de carência.

Durante o programa semanal Café com a Presidenta, Dilma delimitou em um ano e meio depois de formado o início do pagamento, pelo aluno, do financiamento do curso superior. Nesse período, segundo ela, será possível encontrar um emprego e obter uma renda.

No caso de o estudante ter financiando um curso de medicina, por exemplo, ele seria amparado por um período de até 20 anos para quitar integralmente o curso escolhido.

Aprenda a investir na bolsa

Conforme informações da Agência Brasil, a presidente explicou ainda que, caso o aluno que adquiriu financiamento pelo Fies decida fazer um curso de licenciatura e dê aulas em escolas públicas, a dívida no novo Fies será “perdoada”, por meio de uma redução de 1% a cada mês de exercício profissional.

O programa vai incluir alunos com renda de até um salário mínimo e meio de renda. Antes, eles precisavam arrumar um fiador para ter acesso ao crédito estudantil. “Agora, o próprio governo é fiador”, disse a presidenta.

Pronatec
Em meio a atmosfera educacional empregada no programa, Dilma aproveitou a oportunidade para anunciar o lançamento do Pronatec (Programa Nacional de Acesso à Escola Técnica), que deverá ocorrer em março.

O objetivo do programa, revelou Dilma, é ampliar o caminho de acesso à educação profissional para jovens do ensino médio e para trabalhadores sem formação.

A dinâmica do Pronatec deve ser exercida, segundo a presidente, aos estudantes que desejam fazer um curso técnico, mas não têm como pagar. Será um programa de bolsas e também de financiamento estudantil, a exemplo do Fies, que fará parte do programa.

“Assim, também o estudante do ensino médio vai poder ter seu financiamento para estudar em escolas técnicas privadas. Nós estamos criando novas condições para que o jovem conclua o ensino médio mais bem preparado, com diploma de curso técnico debaixo do braço”, explicou.

PUBLICIDADE

Dilma ainda afirmou que o governo pretende também ampliar o acesso ao ensino médio em tempo integral – em um turno, o aluno estuda a grade tradicional e, em outro, aprende uma profissão. Para o trabalhador, o Pronatec prevê cursos de formação profissional com carga horária a partir de 160 horas.