Seguro de vida

OFERECIDO POR
Conteúdo Patrocinado

Como funciona o seguro de vida? Confira 5 dúvidas comuns

Confira algumas dicas para quem quer contratar um seguro de vida

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Como funciona o seguro de vida? Quanto custa? Quais garantias ele oferece? É o mesmo que o seguro de acidentes pessoais? Essas e outras dúvidas são muito comuns para quem deseja contratar esse tipo de serviço. Confira a seguir.

1. O que é e como funciona o seguro de vida?

O seguro de vida é um contrato feito junto a uma seguradora para garantir a sua segurança financeira, assim como a de seus dependentes, em momentos inesperados.

Você pode escolher as coberturas que atendem às suas demandas, e também, indicar quem serão seus beneficiários — podendo ser mais de uma pessoa.

PUBLICIDADE

Mas, afinal, qual o valor pago para ter esses serviços disponíveis? O custo do seguro de vida pode variar de acordo com as coberturas selecionadas, dependendo dos seus objetivos e de aspectos como faixa etária, profissão, sexo e hábitos do segurado.

Feita a contratação, a seguradora fica responsável por pagar uma quantia estabelecida previamente (indenização) caso algum dos sinistros contratados em apólice aconteçam.

Nessas situações, você ou seu(s) beneficiário(s) deve entrar em contato com a seguradora e comunicar o ocorrido. A empresa solicitará o envio da documentação necessária que deverá passar por uma análise e aprovação para, então, ser liberado o valor em questão.

Lembramos que é muito importante avisar aos seus entes queridos onde serão guardados os documentos do seguro, como a apólice, para facilitar o processo.

2. Qual a diferença entre seguro de vida e seguro de acidentes pessoais?

Diferentemente do que muitos pensam, o seguro de vida não é o mesmo que o seguro de acidentes pessoais. Enquanto o primeiro dá direito à indenização no caso de morte natural ou por doença, o segundo, embora seja mais em conta, cobre apenas os casos de falecimento ou invalidez ocasionados por acidentes.

Algumas pessoas veem o seguro de vida como algo pelo qual vão pagar caro, mas nunca poderão usufruir, contudo, esses são pensamentos errôneos. Isso porque ele pode sim ser utilizado em vida em casos específicos, que abordaremos mais à frente.

PUBLICIDADE

Além do mais, o custo pode ser bem menor do que costumamos pagar para proteger o nosso carro ou apartamento, por exemplo — e manter a qualidade de vida da família deve ser  prioridade.

3. Por que contratar um seguro de vida?

Muitas pessoas não incluem o seguro de vida em seu planejamento, pois não se veem enfrentando nenhuma fatalidade. Contudo, imprevistos acontecem o tempo todo e, por isso, prevenir é sempre a melhor solução.

A contratação de um seguro de vida visa promover a proteção financeira justamente na hipótese de algum infortúnio acontecer. Logo, se você tem uma boa qualidade de vida e quer prezar para continuidade desse padrão deve considerar essa opção.

Aderir a um seguro de vida demonstra, portanto, preocupação e apreço pela família, visto que garante os recursos necessários para os dependentes em momentos de dificuldade. Ademais, você também pode desfrutar dos benefícios em vida a depender da situação.

4. Quais são as garantias de um seguro de vida?

As garantias de um seguro de vida variam de acordo com o plano contratado. No entanto, as apólices cobrem morte acidental ou natural e, em alguns casos, assegura proteção para invalidez permanente total ou parcial, em decorrência de acidente, ou doenças graves.

De maneira detalhada, ao aderir ao seguro, o contratante e seus dependentes podem ter proteção contra:

  • morte;
  • invalidez permanente total ou parcial por acidente (IPA);
  • invalidez permanente total por acidente (IPTA);
  • invalidez permanente por acidente majorada (IPAM);
  • invalidez funcional permanente total por doença (IFPD);
  • invalidez laborativa permanente total por doença (ILPD);
  • despesas médicas, hospitalares e odontológicas (DMHO);
  • diárias de incapacidade temporária (DIT);
  • diárias por internação hospitalar (DIH);
  • doenças graves (DG).

Em casos de doenças graves, um plano de saúde cobre apenas consultas, exames básicos e a internação. Ele não arca com a parte de transporte do paciente, cuidados especiais e remédios diários necessários.

Esses valores são altos e podem comprometer a situação financeira da família. Assim, é fundamental ter o seguro de vida para garantir maior suporte em relação a esses custos.

Na contratação desse serviço, você recebe ajuda financeira para despesas em diagnóstico de Alzheimer, Acidente Vascular Cerebral (AVC), câncer, infarto agudo do miocárdio, insuficiência renal crônica e perda de audição, fala ou visão.

Outras coberturas são para paralisia de membros, cirurgia de bypass e transplantes de coração, fígado, medula, pâncreas, pulmão ou rim. Dessa forma, momentos de insegurança familiar passam a ser levados com mais tranquilidade.

Um dos benefícios para o segurado é a indenização adicional em necessidade de internação em UTI. As diárias são pagas para tratamentos clínicos ou cirúrgicos causados por doença ou acidente, e que não possam ser feitos em domicílio, consultório ou ambulatório. Com isso, você pode fazer o devido tratamento  sem comprometer a sua renda.

5. Como fazer um seguro de vida?

Para contratar um seguro de vida alinhado aos seus objetivos e necessidades, é preciso, primeiramente, buscar por uma empresa especialista em seguros que ofereça planos de qualidade e preços acessíveis.

Escolhida a seguradora, deve-se entender as coberturas disponíveis e avaliar qual delas se adequa melhor à sua família. Em seguida, calcule o capital segurado e, antes de assinar o contrato, avalie fatores como:

  • carência da apólice;
  • abrangência geográfica das coberturas;
  • riscos excluídos;
  • Valor máximo de capital segurado;
  • Valor do prêmio;
  • disponibilidade de produtos em apólices específicas.

Aproveite e faça uma simulação para montar o plano ideal pensando na sua segurança financeira e na de seus dependentes.