Seguro de vida

OFERECIDO POR
Conteúdo Patrocinado

Maior longevidade eleva risco de Alzheimer e câncer

Seguros podem garantir recursos financeiros extras para tratamentos em caso de diagnóstico de doenças graves

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
longevidade

Um dos grandes desafios que a sociedade enfrenta é o expressivo aumento da população idosa. Se por um lado a maior longevidade é uma conquista da humanidade, por outro leva a um acréscimo significativo da incidência de doenças crônicas e incapacitantes, que exigem cuidados constantes, pioram com o tempo e não têm cura.

Este é o caso das demências, que incluem o Alzheimer.

Atualmente estima-se que há cerca de 46,8 milhões de pessoas com demência no mundo, segundo relatório da Associação Internacional de Alzheimer (ADI). A estimativa é que este número praticamente dobre a cada 20 anos. O Alzheimer é a causa mais frequente de demência.

PUBLICIDADE

Outras doenças também têm relação com o envelhecimento da população, além de fatores genéticos, como o câncer e doenças cardiovasculares.

Em alguns tipos de câncer bastante comuns, como os de mama, próstata e intestino, a predisposição genética combinada à exposição a determinados fatores ambientais eleva a chance de incidência.

Esta combinação – genética e de estilo de vida – aumenta também os riscos de doenças cardiovasculares que, segundo a Sociedade Brasileira de Cardiologia, são responsáveis por mais de 30% dos óbitos registrados.

Muitas dessas mortes poderiam ser evitadas ou postergadas com cuidados preventivos e medidas terapêuticas, afirma a entidade.

Contratar um plano de saúde para o tratamento destas doenças é importante, mas não suficiente. Ter um parente próximo com câncer ou Alzheimer pode ser um alerta importante para que a pessoa aja de forma preventiva em todos os sentidos.

É importante melhorar o estilo de vida, como alimentação e atividade física, e também garantir hoje uma proteção financeira futura para eventuais ocorrências. Nos dois casos, há necessidades que muitas vezes não são cobertos pelos planos.

PUBLICIDADE

A evolução do Alzheimer é lenta e incapacitante, exigindo fisioterapia, fonoaudiologia e acompanhante domiciliar 24 horas. Os planos de saúde cumprem um rol de procedimentos definidos pela ANS – órgão regulador – com revisão apenas a cada dois anos.

No caso do câncer, em que as novidades terapêuticas e de diagnósticos evoluem rapidamente, o prazo de revisão é considerado muito longo e deixa os pacientes sem acesso aos novos procedimentos.

Transporte para o tratamento, muitas vezes longo e debilitante, e a busca por uma segunda opinião médica também não costumam ser cobertas pelos planos.

Uma alternativa para garantir segurança financeira e emocional é a contratação de um seguro que indenize o contratante em caso de diagnóstico destas doenças.

Na seguradora Mongeral Aegon, há produtos que oferecem este tipo de cobertura, como o Seguro Saúde. Na apólice, está prevista o pagamento de indenização para o contratante que for diagnosticado com alguns tipos de câncer, incluindo a leucemia, Alzheimer, entre outras doenças.

Os recursos são de uso livre, ou seja, podem ser usados para pagar terapias complementares, remédios ou exames não incluídos nas obrigatoriedades dos planos de saúde.

Como alguns tratamentos exigem internação hospitalar, outra cobertura que ajuda neste momento é a diária para internação hospitalar, que dá mais tranquilidade para que paciente e família foquem na luta contra a doença.

Os produtos oferecidos pela seguradora Mongeral Aegon incluem itens de assistência ao segurado, como suporte em caso de viagem aos Estados Unidos para tratamento ou mesmo organização de um check-up médico.

Simule um Seguro Saúde e garanta indenização em caso de diagnóstico de doenças graves.