Renda fixa

Tesouro Direto: taxas dos títulos públicos recuam com fala de Campos Neto e commodities

Prefixados oferecem até 11,67% na tarde desta segunda-feira (28)

Por  Bruna Furlani, Katherine Rivas -

As taxas dos títulos públicos continuam em ritmo de queda nesta segunda-feira (28). Segundo Flavio Serrano, economista-chefe da Greenbay Investimentos, as taxas curtas reagem a mensagens de Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, reiterando a visão de que o ciclo de aperto monetário deve se encerrar em maio, com a Selic em 12,75% ao ano.

“O mais provável é que a Selic não suba em junho, a não ser que algo saia fora do esperado”, destaca Serrano.

Segundo o economista, na curva de juros DI o movimento das taxas de curto prazo era estável, pela falta de novidades sobre a condução na política monetária. No entanto, nas taxas do Tesouro Direto, ainda era perceptível um movimento de queda nos prefixados.

Já nos juros de longo prazo, que operam em baixa, Serrano aponta que pesa mais o cenário internacional, com os preços das commodities recuando por conta de notícias sobre lockdown na China e temores em relação a demanda dos combustíveis.

Dentro do Tesouro Direto, o título prefixado de médio prazo era o que apresentava a maior queda nas taxas. O Tesouro Prefixado 2029 oferecia uma rentabilidade anual de 11,52%, inferior aos 11,67% vistos na sexta-feira (25).

Já o Tesouro Prefixado 2025 e o Tesouro Prefixado 2033, com juros semestrais, entregavam um retorno anual de 11,40% e 11,67%, respectivamente abaixo dos 11,53% e 11,77% da sessão anterior.

Nos títulos atrelados à inflação, apenas o Tesouro IPCA+ 2026 apresentava uma leve alta nas taxas. O título público apresentava um retorno real de 4,98%, superior aos 4,93% registrados na sexta-feira.

As taxas dos outros títulos atrelados ao IPCA operavam com estabilidade.

Confira os preços e as taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra no Tesouro Direto que eram oferecidos na tarde desta segunda-feira (28): 

Relatório Focus

A mediana das estimativas para o IPCA de 2022 avançou pela 11ª semana consecutiva no Relatório Focus, para 6,86%, apontam os dados divulgados pelo Banco Central. Com isso, a expectativa das instituições financeiras para a inflação deste ano já é quase o dobro da meta do Banco Central, que é de 3,5% com tolerância de 1,5 ponto percentual.

O mercado também elevou as projeções para o índice de inflação oficial do Brasil de 2023 e 2024. Não alterou, porém, a expectativa para a Selic para 2022, que se manteve em 13% ao ano.

Roberto Campos Neto

Após participação de uma série de eventos ao longo da semana passada, Campos Neto voltou a falar ontem (27), à Band. Ao comentar as previsões de mercado que apontam inflação acima da meta central no ano que vem, o presidente do BC considerou que os prognósticos dos economistas mudam o tempo todo.

Ele reafirmou a expectativa de que o pico da inflação será em abril – 11% em 12 meses -, e que depois, a alta de preços começaria a ceder. “Mas obviamente estamos em ambiente de alta incerteza”, ponderou Campos Neto, sem descartar possíveis choques, em especial decorrentes da crise no Leste Europeu.

Segundo Campos Neto, o salto do preço das commodities de energia, como o petróleo, produzirá em algum momento um choque reverso, de desaceleração econômica, com consequente reequilíbrio da inflação global. “O reequilíbrio pode vir com menos consumo de energia e menos crescimento”, afirmou.

Greve no BC

Os servidores do Banco Central decidiram entrar em greve por tempo indeterminado, a partir da sexta-feira (1º), em assembleia realizada nesta segunda-feira (29). A categoria quer um reajuste de 26,3%, além da reestruturação da carreira de analista.

Eles se juntam aos servidores do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), que entraram em greve na quarta-feira (23). Na sexta-feira (26), funcionários do Tesouro Nacional pararam suas atividades também por reajuste salarial.

Os funcionários da autoridade monetária já estavam fazendo paralisações diárias de quatro horas desde 17 de março, o que vinha atrasando a importantes divulgações como o Relatório Focus, o resultado do questionário pré-Copom, o fluxo cambial e a apuração diária da Ptax.

Nesta segunda, o BC informou que outros indicadores também seriam afetados, como as estatísticas do setor externo, as estatísticas monetárias e de crédito e as estatísticas fiscais, sem dar uma nova previsão de divulgação. “Oportunamente, informaremos as datas de publicação das notas relativas ao mês de fevereiro”.

Covid-19 na China

Na cena internacional, o destaque está na China, que lida com o pior surto de Covid desde o auge inicial da pandemia no início de 2020. Nesta segunda-feira (28), o país iniciou o lockdown dos habitantes de Xangai, principal centro financeiro do país e epicentro do novo surto.

De acordo com a imprensa internacional, esse será o maior lockdown realizado na China desde Wuhan, cidade onde o vírus foi detectado pela primeira vez no fim de 2019.

Calculadora de renda fixa
Baixe uma planilha gratuita que compara a rentabilidade dos seus investimentos de renda fixa:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.
Compartilhe