AO VIVO COO do Mercado Livre fala sobre o impacto do coronavírus no no e-commerce; assista pelo seu celular no perfil do InfoMoney no Instagram

COO do Mercado Livre fala sobre o impacto do coronavírus no no e-commerce; assista pelo seu celular no perfil do InfoMoney no Instagram

Fundo imobiliário

TB Office: Superada pelo Safra, proposta da BlueMacaw não será mais votada por cotistas

Resta agora aos investidores do fundo deliberar, no dia 10 de dezembro, se vendem ou não o condomínio Tower Bridge Corporate por R$ 1,055 bilhão

Tower Bridge Corporate, ativo do FII TB Office (Divulgação)

SÃO PAULO – Os cotistas do fundo imobiliário TB Office (TBOF11) não irão mais votar a proposta de compra do condomínio Tower Bridge Corporate feita pela gestora BlueMacaw.

A assembleia para analisar a oferta de R$ 924,6 milhões pelo único imóvel do fundo estava marcada para o dia 29, mas foi cancelada a pedido dos mesmos cotistas que haviam pedido a reunião.

O motivo é a proposta superior, de R$ 1,055 bilhão, feita posteriormente pelo fundo híbrido JS Real Estate Multigestão (JSRE11), do Banco Safra, que será analisada em assembleia no dia 10 de dezembro.

PUBLICIDADE

As informações constam em fato relevante divulgado pelo BTG Pactual, que administra o TBOF11, nesta quarta-feira (27).

Polêmica

A possível venda do TB Office vem movimentando o mercado de FIIs desde o início do mês. A primeira proposta pelo edifício havia sido feita pela gestora Hedge Investments, que desistiu do negócio após as duas ofertas feitas, com valores superiores.

Leia também:
Fundo imobiliário é alvo de disputa em caso envolvendo acusação de conflito de interesse
FIIs atingem recorde de 500 mil investidores pessoas físicas, um terço do total em Bolsa

A Hedge havia proposto comprar o condomínio por R$ 909,5 milhões. A oferta foi categorizada como “hostil” por alguns investidores do fundo TB Office, já que o edifício foi avaliado em R$ 995,2 milhões no último laudo, elaborado pela CBRE em parceria com o BTG Pactual.

A Hedge justificava a transação pelo timing de mercado, mas outros cotistas rebatiam dizendo que a queda da vacância deveria impulsionar os rendimentos do fundo e, por isso, seria melhor não vender.

Além disso, a proposta da Hedge sofreu acusações de conflito de interesses, já que a gestora é cotista do TB Office por meio de seus fundos de fundos Hedge Top FOFII FII 1, 2 e 3. Assim, a casa seria ao mesmo tempo vendedora e compradora na operação.

PUBLICIDADE

Invista em fundos imobiliários com taxa ZERO: abra uma conta gratuita na Clear