Renda fixa

Taxas de CDBs de longo prazo superam retornos de LCIs e LCAs, mas risco do emissor aumenta, mostra levantamento

Comparação já desconta Imposto de Renda aplicável aos CDBs, já que as letras são isentas; emissores incluem Pernambucanas Financeira, Caruana e Banco Bari

Por  Bruna Furlani -

A perspectiva de que o Banco Central possa encerrar o ciclo de alta dos juros básicos – a Selic, hoje em 11,75% ao ano – em breve pressionou o retorno de títulos de renda fixa para baixo nos últimos dias. O comunicado e a ata divulgados após a última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), realizada na semana passada, dão a entender que a taxa pode parar de subir quando chegar aos 12,75% ao ano, no encontro de maio.

Alguns papéis foram mais afetados do que outros. Considerando prazos superiores a 36 meses, as taxas máximas dos CDBs (Certificados de Depósito Bancário) mudaram menos, e estão mais atrativas do que as encontradas nas Letras de Crédito do Agronegócio (LCAs) e Imobiliário (LCIs) – mesmo excluindo o peso do Imposto de Renda, que é cobrado nos CDBs, mas não nas letras.

Para vencimentos inferiores, a situação era oposta: o retorno oferecido nas LCAs e LCIs tendia a ser maior do que a remuneração líquida entregue pelos CDBs.

Os dados foram levantados pelo InfoMoney com base nas informações disponíveis na plataforma da Yubb, que compila informações de várias corretoras, nesta quarta-feira (23).

CDBs – retorno bruto

Prazo IndexadorTaxa máxima Emissor 
12 mesesPrefixado14,00%PagBank
12 mesesCDI115% do CDIBanco Bari
12 mesesIPCA5,75%Banco ABC Brasil
24 mesesPrefixado14,00%Banco Master
24 mesesCDI118% do CDIBanco Bari
24 mesesIPCA6,44%Daycoval
36 mesesPrefixado14,00%Banco Master
36 mesesCDI120% do CDIBanco Bari
36 mesesIPCA6,10%Banco Master
48 mesesPrefixado14,15%Banco Master
48 mesesCDI120% do CDIPernambucanas
48 mesesIPCA6,25%Daycoval
60 mesesPrefixado14,15%Banco Master
60 mesesCDI118% do CDIBanco Master e Caruana Financeira
60 mesesIPCA6,72%Banco Master

Fonte: Yubb. Dados do dia 23/03/2022

De acordo com a pesquisa, a taxa máxima oferecida por um CDB prefixado com prazo de 36 meses era de 14% ao ano. Ao mesmo tempo, o juro real máximo entregue por uma LCA para o mesmo prazo era de 11,23% ao ano.

Leia também:

Excluindo a tributação de 15% aplicada ao CDB com esse prazo, seu rendimento líquido seria de 11,9% – ou seja, seria mais vantajoso adquirir o CDB e não a LCA. Tanto LCAs quanto LCIs são isentas de Imposto de Renda.

LCAs e LCIs – Retornos líquidos*

PrazoIndexador Taxa máxima Emissor Tipo do título
12 mesesPrefixado12,63%Banco ABC BrasilLCA
12 mesesCDI98,05%Banco ABC BrasilLCA
12 mesesCDI98%Banco BariLCI
12 mesesIPCA4,68%Banco ABC BrasilLCA
24 mesesPrefixado12,56%Banco ABC BrasilLCA
24 mesesCDI101,00%Banco ABC BrasilLCA
24 mesesCDI100,00%Banco Bari e Banco InterLCI
24 mesesIPCA5,19%Banco ABC BrasilLCA
36 mesesPrefixado11,23%Banco BTG PactualLCA
36 mesesCDI99%Banco BTG PactualLCA
36 mesesCDI102%Banco BariLCI
36 mesesIPCA4,90%Banco BariLCI
36 mesesIPCA4,32%Banco BTG PactualLCA
48 mesesPrefixado11,10%Banco BTG PactualLCA
48 mesesCDI101%Banco BariLCI
48 mesesCDI98,63%Banco BTG PactualLCA
48 mesesIPCA4,18%Banco BTG PactualLCA
48 mesesIPCA5%Banco BariLCI
60 mesesPrefixado10,99%Banco BTG PactualLCA
60 mesesCDI98,63%Banco BTG PactualLCA
60 mesesIPCA4,38%Banco BTG PactualLCA

Fonte: Yubb. Dados do dia 23/03/2022

*Estimativa de quanto seria o retorno no caso de papéis atrelados à inflação, já que a parte indexada à inflação ainda não é possível saber.

Outro ponto também chama a atenção no levantamento: a classificação de risco de crédito dos emissores. No caso do CDB do exemplo acima, o banco emissor é o Master, enquanto no caso da LCA, a instituição que emitiu o papel é o Banco BTG Pactual.

De acordo com a agência de classificação de risco Fitch Ratings, o rating de escala nacional de longo prazo do banco Master era BBB-. Por outro lado, o rating dado pela mesma agência para o Banco BTG Pactual era AA, que é melhor do que a primeira opção.

A situação se repetia para prazos mais longos. Hoje pela manhã, a taxa máxima paga por um CDB pós-fixado, com vencimento em 48 meses, era de 120% do CDI. Nesse caso, a instituição emissora era a Pernambucanas Financeira, que não possui avaliação de risco de crédito feita por agências.

Ao mesmo tempo, era possível encontrar LCAs do BTG Pactual, de mesmo prazo, e que ofereciam 98,63% do CDI. Nesse caso, o retorno oferecido pelo CDB era mais atraente, mas a instituição emissora apresentava maior risco de crédito.

Nota-se também que boa parte das emissões mais alongadas eram feitas por instituições, como Pernambucanas Financeira, Caruana Financeira, Banco Bari e Daycoval. A exceção entre os bancos mais bem classificados era apenas o Banco Daycoval, que possui rating AA, segundo a Fitch Ratings, em termos de classificação nacional de longo prazo.

Já nas emissões de LCAs e LCIs, a maior parte das ofertas vinha de instituições com melhor rating, como era o caso de ABC Brasil e BTG Pactual, sendo que o primeiro possui rating AAA em escala nacional, segundo a Fitch Ratings.

Recomendação é de pós-fixados e prazos curtos

Em meio a uma série de ofertas e de prazos, o investidor pode se questionar qual é a melhor opção. Na hora de escolher o tipo de indexador, Pedro Correa, head de alocação e produtos e sócio da HCI Invest, diz que o investidor deve fazer um mix entre prefixados e pós-fixados atrelados ao CDI, sendo que a segunda deve ser a parcela mais relevante da carteira.

O sócio explica que, embora o BC tenha indicado que pode encerrar o ciclo de alta da Selic em maio, o mercado está precificando novas elevações até meados de junho e um recuo na Selic em 2023. De acordo com o último Relatório Focus, a expectativa é que os juros caiam para 9% no fim do ano que vem.

Leia mais:
Relatório Focus: projeção para a inflação deste ano sobe pela 10ª semana seguida

Logo, títulos pós-fixados poderiam se beneficiar nesse cenário de juros mais elevados por um tempo maior. Em contrapartida, a expectativa de queda dos juros no ano que vem também pode favorecer opções prefixadas.

“Considerando a alocação da posição prefixada, o ideal seria que os prefixados respondessem por 20% da carteira e os 80% restantes deveriam ser de pós-fixados”, afirma.

O motivo, segundo Correa, é que os prefixados podem ficar com o retorno defasado, caso a Selic avance muito mais. “Fazer market timing [acertar a hora do mercado] é bem difícil. Então, ter 100% da alocação em prefixados não é uma boa porque o investidor pode perder dinheiro”, avalia o alocador.

Mas há quem prefira ser mais conservador e manter a posição apenas em CDBs pós-fixados. Marilia Fontes, sócia da Nord Research, defende que ainda é difícil prever o fim do ciclo de alta da Selic para se posicionar em prefixados, por exemplo.

“Os últimos dados vieram muito pressionados. Em vez de tentar prever quando será o fim o ciclo, eu prefiro manter a maior parte da alocação em pós-fixados atrelados à Selic ou ao CDI“, diz Marília.

Na visão da alocadora, há uma probabilidade maior de que o Banco Central tenha que subir os juros, já que a autoridade monetária está sendo consistentemente surpreendida com a inflação.

Além de preferir opções pós-fixadas, ela diz que está de olho apenas em papéis de prazo bastante curto, de até um ano. Segundo a especialista, o cenário atual é de muita instabilidade com a guerra, as eleições e o ciclo de alta de juros nos Estados Unidos.

Nesse ambiente, diz Marília, o ideal é estar com uma posição mais líquida na carteira para realizar movimentos mais rápidos, se tudo piorar – ou se surgirem oportunidades.

Curva de juros está incerta

Helena Veronese, economista-chefe da Azimut Brasil Wealth Management, também prefere estar posicionada em títulos de prazo mais curto, diante da forte volatilidade.

Na avaliação da economista, há muitos fatores que devem impactar a curva de juros nos próximos dias. Ela conta que após a reunião do Copom, os juros recuaram e houve pouca mudança desde a ata divulgada ontem (22), mas que a semana será de agenda forte, em termos de indicadores vindos do Brasil e dos Estados Unidos.

Helena cita que o Banco Central deixou algumas lacunas em aberto na última ata, como o cenário alternativo para o petróleo, e que a autoridade monetária pode esclarecer melhor alguns pontos no Relatório Trimestral de Inflação (RTI), que será apresentado nesta quinta-feira (24).

Da mesma forma, a divulgação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), na sexta-feira (25), também pode mudar a visão do Banco Central sobre a política monetária.

Outro fator que está em jogo é o aperto monetário nos Estados Unidos. Em declarações recentes, Jerome Powell, presidente do Fed, disse que a autoridade monetária está pronta para altas mais agressivas.

Segundo Helena, se o Federal Reserve (Fed), banco central americano, caminhar de fato para acelerar o aperto monetário, isso poderia ser um estímulo maior para que o Banco Central brasileiro não tivesse que subir os juros para além de 12,75% ao ano.

“Do lado externo, se o Fed aumentar o passo, é tudo o que o BC precisa para não ter de elevar tanto a Selic. O BC teria um espaço maior para encerrar o ciclo. Agora, do lado interno, ele teria que esperar ainda pelos dados locais para ver se é possível mesmo terminar”, afirma a economista.

Riscos

Além de olhar para o indexador e para as taxas que estão sendo pagas, antes de alocar em títulos de dívida bancária o investidor precisa conhecer bem o emissor do papel.

No levantamento feito pelo InfoMoney com os dados disponíveis na Yubb, é possível perceber que as taxas mais atrativas oferecidas para prazos acima de 12 meses eram de emissores com maior risco de crédito, como é o caso do Banco Master.

Marília, da Nord Research, lembra que o banco possui uma boa parte da carteira atrelada a dívidas judiciais ou precatórios, o que tende a aumentar o risco da operação. Não é à toa, diz Marília, que as taxas chegam a 14,15% ao ano para vencimentos mais alongados.

Da mesma forma, ela chama atenção para o Banco Bari, que registrou prejuízo em seu último balanço divulgado em setembro. Logo, em sua visão, as taxas mais elevadas oferecidas pelo banco não valem o risco que o investidor toma ao financiar a dívida de uma instituição que não obteve lucro.

A especialista da Nord lembra que os CDBs possuem a garantia do Fundo Garantidor de Crédito (FGC), que devolve até R$ 250 mil por investidor (CPF) e por instituição financeira, até o teto de R$ 1 milhão renovado a quatro anos, em caso de problemas como uma intervenção do Banco Central na instituição. Mesmo assim, é preciso atenção.

Na avaliação da alocadora, o ideal é priorizar instituições com melhor classificação de risco de crédito e verificar quais que estão com a operação mais redonda.

Ao ser questionada sobre o fato de que há mais opções de LCIs e LCAs oferecendo retornos mais atrativos do que CDBs e com emissores com melhor classificação de risco de crédito, Marília é enfática: “Prefiro a LCA ou LCI. Prefiro isso a bancos de segunda linha, que estão oferecendo juros mais interessantes, mas que se olharmos, a diferença de taxas é pequena”.

Calculadora de renda fixa
Baixe uma planilha gratuita que compara a rentabilidade dos seus investimentos de renda fixa:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.
Compartilhe