Central de FIIs

Ifix fecha sessão no campo positivo; FII CARE11 sobe 10% e é destaque de alta

O fundo chegou a subir 15% após empresa investida vencer concorrência de cemitérios em São Paulo

Por  Wellington Carvalho -

O IFIX – índice que reúne os fundos imobiliários mais negociados na B3 – fechou a sessão desta terça-feira (26) com alta de 0,04%, aos 2.794 pontos. O fundo Brazilian Graveyard and Death Care (CARE11) liderou a lista das maiores altas do pregão, com elevação de 10,37%. Confira os demais destaques de hoje ao longo do Central de FIIs.

O Brazilian Graveyard And Death Care operou em forte alta na tarde desta terça-feira (26), após o consórcio liderado pela Cortel – principal empresa do setor de cuidados com a morte do País – arrematar um dos blocos da concessão de cemitérios e serviços funerários de São Paulo (SP). Às 14h, as cotas do FII, que tem 20,24% de participação na Cortel, registravam alta de 15%, depois atenuou a alta.

De acordo com a concorrência, realizada nesta terça-feira pela Prefeitura de São Paulo, as empresas vencedoras serão responsáveis pela gestão, operação, manutenção, exploração, revitalização e expansão de 22 cemitérios e crematórios públicos da capital paulista. Para a concessão pública, os espaços foram divididos em quatro blocos.

A Cortel – que liderou consórcio que conta ainda com o fundo imobiliário Zion Capital (ZIFF11) – arrematou o bloco dois, formado pelos cemitérios do Araça, Dom Bosco, Santo Amaro, São Paulo e Vila Nova Cachoeirinha.

Para explorar os espaços, o grupo desembolsará R$ 200 milhões, cerca de R$ 30 milhões acima do valor mínimo pedido. De acordo com as regras da concorrência, o prazo de vigência do contrato de concessão é de 25 anos. Confira os demais destaques de hoje.

Maiores altas desta terça-feira (26)

TickerNomeSetorVariação (%)
CARE11Brazilian Graveyard and Death CareOutros10,37
XPPR11XP PropertiesOutros2,91
RECT11Rec Renda ImobiliariaHíbrido2,5
BLMR11Bluemacaw Renda+ FOFTítulos e Val. Mob.1,7
FIIB11Industrial do BrasilHíbrido1,49

Maiores baixas desta terça-feira (26):

TickerNomeSetorVariação (%)
RBRP11RBR PropertiesOutros-2,72
RZAK11Riza AkinTítulos e Val. Mob.-2,08
HGRE11CSHG Real EstateLajes Corporativas-1,17
BTRA11BTG Pactual Terras AgrícolasAgro-0,95
HSAF11 HSI Ativos FinanceirosTítulos e Val. Mob.-0,93

Fonte: B3

Descubra o passo a passo para viver de renda com FIIs e receber seu primeiro aluguel na conta nas próximas semanas, sem precisar ter um imóvel, em uma aula gratuita.

Pátria Edifícios finaliza venda de imóvel na Faria Lima, nova oferta de cotas do Iridium e mais notícias

Confira as últimas informações divulgadas por fundos imobiliários em fatos relevantes:

BTG Pactual Terras Agrícolas (BTRA11) derruba liminar que questionava compra de fazenda em recuperação judicial

A Justiça suspendeu a decisão que questionava a validade da aquisição da fazenda Vianmancel, em Nova Maringá (MT), pelo FII BTG Pactual Terras Agrícolas. O locatário do espaço pediu recuperação judicial no mês passado.

Em atendimento a um dos credores dos responsáveis pela fazenda, o Juízo da 3ª Vara Cível da Comarca de Sorriso (MT) entendeu provisoriamente que o terreno não poderia ter sido negociado com o fundo. Diante do entendimento, foi determinada a penhora do imóvel em favor do credor.

Em relatório gerencial divulgado este mês, o FII BTG Pactual Terras Agrícolas reafirmou que cumpriu todos os trâmites legais para a aquisição do imóvel e que a decisão preliminar de credores do locatário foi tomada sem a prévia manifestação da carteira.

O fundo recorreu das decisões liminares e, em fato relevante divulgado nesta segunda-feira (25), confirmou parecer favorável.

“Foram obtidas decisões liminares monocráticas favoráveis ao fundo, junto à 3ª e à 4ª Câmaras de Direito Privado do Tribunal de Justiça do Mato Grosso, que suspenderam os efeitos de decisões de primeira instância que versavam sobre a ineficácia da operação”.

O fundo comprou a fazenda em agosto de 2021, em uma operação sale-leaseaback – que aluga o imóvel comprado para o ex-proprietário. O terreno representa atualmente 23% da receita contratada do fundo.

Em função da situação financeira dos produtores da fazenda Vianmancel, o fundo reduziu a distribuição de dividendos de R$ 0,94 para R$ 0,70.

Iridium (IRDM11) quer captar quase R$ 300 milhões em nova oferta

Em fato relevante divulgado nesta segunda-feira (25), o FII Iridium Recebíveis Imobiliários anunciou a aprovação da 12ª emissão de cotas do fundo, que pretende captar até R$ 298 milhões.

O valor unitário das novas cotas foi estipulado em R$ 96,61 e a taxa de distribuição da oferta será de R$ 2,81, totalizando um preço de subscrição de R$ 99,42.

Na abertura do mercado nesta terça-feira (26), os papéis do Iridium Recebíveis Imobiliários estavam sendo negociados a R$ 102,48, com alta de 0,28%.

Os cotistas com posição no final da sessão de quinta-feira (28) terão direito de preferência na nova emissão, que poderá ser exercido entre os dias 1 e 11 de agosto.

Com patrimônio líquido de R$ 3,1 bilhões, o fundo tem um portfólio composto predominantemente por certificados de recebíveis imobiliários (63%). De acordo com relatório gerencial do fundo, 57% dos ativos da carteira estão indexados ao Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

No último dia 11, o Iridium Recebíveis Imobiliários distribuiu R$ 1,28 por cota, equivalente a um retorno mensal com dividendos de 1,23%. Em 12 meses, o percentual está em 14%.

Pátria Edifícios (PATC11) conclui venda de imóvel na Faria Lima

O FII Pátria Edifícios Corporativos concluiu a venda do conjunto 12 do edifício Icon Faria Lima, localizado na Avenida Brigadeiro Faria Lima, considerada o coração financeiro de São Paulo (SP).

A carteira havia assinado compromisso para a venda do espaço em maio e, nesta segunda-feira (25), confirmou o negócio. O fundo recebeu R$ 12,5 milhões pelo imóvel.

De acordo com cálculos dos gestores, a transação representou um retorno líquido de 16,9% para o fundo, equivalente a um ganho de capital de R$ 0,70 por cota. O montante, afirmam, será distribuído ao longo do segundo semestre de 2022.

O conjunto 12 do edifício Icon Faria Lima representava 450 metros quadrados dos 12.294 metros quadrados de área brutal locável (ABL) do Pátria Edifícios Corporativos.

O TRX Real Estate (TRXF11) sinaliza venda de imóvel no interior São Paulo

O FII TRX Real Estate iniciou entendimentos para a venda de imóvel atualmente locado para a Sodimac – especializada no comércio de material de construção – em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo.

Pelo acordo inicial, o espaço de 14.666 metros quadrados seria vendido por R$ 73 milhões, valor que poderia ser pago em quatro vezes, conforme comunicado do fundo ao mercado.

Se confirmado, o negócio representaria um ganho de capital de aproximadamente R$ 14 milhões em relação ao total do investimento pelo fundo no imóvel.

De acordo com a gestão da carteira, a transação está em linha com a estratégia do fundo de aproveitar boas oportunidades para realizar a venda de imóveis e gerar lucros extraordinários aos cotistas.

O FII TRX Real Estate aguarda análise de viabilidade do negócio por parte do interessado no imóvel.

Dividendos hoje

Confira quais são os 10 fundos imobiliários que distribuem rendimentos nesta terça-feira (26):

TickerDataFundoRendimento
26/07/2022MMPD14Mauá Mpd R$      2,06
26/07/2022CVPR14Cvpar CRI R$      1,05
26/07/2022CVPR11Cvpar CRI R$      1,05
26/07/2022MMPD15Mauá Mpd R$      2,06
26/07/2022BTAL11BTG Pactual Agro Log R$      0,83
26/07/2022EQIR11EQI CRI R$      1,20
26/07/2022EXES11Exes CRI R$      0,93
26/07/2022MORC11More CRI R$      1,40
26/07/2022CCRF11Canvas CRI R$      1,90

Fonte: InfoMoney. Tickers com final diferente de 11 se referem aos recibos e direitos de subscrição dos fundos.

Giro Imobiliário: FIIs que mais pagaram dividendos em julho; INCC desacelera

Inflação da construção desacelera de 2,81 para 1,16% em julho, aponta FGV

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC-M) arrefeceu a 1,16% em julho, após alta de 2,81% em junho, informou nesta terça-feira, 27, a Fundação Getulio Vargas (FGV). Com o resultado, a alta acumulada em 12 meses pelo indicador desacelerou de 11,75% para 11,66%.

O alívio do INCC-M foi disseminado entre os componentes de Materiais, Equipamentos e Serviços (1,40% para 0,60%) e de Mão de Obra (4,37% para 1,76%).

Nas aberturas, o índice correspondente a Materiais e Equipamentos arrefeceu de 1,58% em junho para 0,62 em julho, puxado por materiais para estrutura (2,62% para 0,63%). O índice de Serviços desacelerou de 0,50% para 0,49% no período, com destaque para o alívio de refeição pronta no local de trabalho (0,46% para 0,29%).

As principais influências para baixo sobre o INCC-M de julho foram de condutores elétricos (-4,33% para -1,53%), vergalhões e arames de aço ao carbono (6,76% para -0,39%), compensados (0,16% para -0,82%) e tubos e conexões de PVC (0,26% para -0,10%).

Em contrapartida, ajudaram a conter a desaceleração do índice os itens ajudante especializado (4,58% para 1,68%), servente (4,13% para 1,51%), pedreiro (5,08% para 1,71%), seguidor por carpinteiro (4,56% para 1,80%) e engenheiro (3,24% para 1,93%).

Dividendos de FIIs: confira os maiores pagadores de julho; HGLG11 rende 2% e lidera

Focado no investimento em empreendimentos para operações logísticas e industriais, o CSHG Logística ( HGLG11) fechará julho como o FII que mais distribuiu dividendos, de acordo com dados da Economatica, plataforma de informações financeiras. Os fundos de recebíveis dominam a lista dos maiores pagadores do período, mas o possível arrefecimento da inflação acende a luz amarela dos investidores.

O levantamento toma como base os fundos imobiliários que compõem o IFIX – índice que reúne os FIIs mais líquidos da B3. Todas as carteiras já anunciaram as distribuições de dividendos previstas para este mês.

Dos 106 fundos monitorados, 59 tiveram uma taxa de retorno com dividendos (dividend yield) acima de 1% no mês. O número é superior aos 50 registrados em junho.

No último dia 14, o CSHG Logística depositou R$ 3,30 por cota, o equivalente a um retorno mensal de 2,01%, considerando a cotação na casa dos R$ 164 do dia 30 de junho. O percentual é o maior para o mês, de acordo com os dados da Economatica. Confira a lista dos dez maiores pagadores de julho:

TickerFundoSetorRetorno com dividendos – Julho (%)*
HGLG11CSHG LOGLogística2,01
TORD11Tordesilhas EIOutros1,94
PORD11Polo RecebíveisTítulos e Val. Mob.1,76
RZAK11Riza AkinTítulos e Val. Mob.1,71
URPR11Urca Prime RendaTítulos e Val. Mob.1,65
NCHB11NCH High YieldTítulos e Val. Mob.1,54
VSLH11Versalhes Recebíveis ImobiliáriosTítulos e Val. Mob.1,53
OUJP11Ourinvest JPPTítulos e Val. Mob.1,52
BARI11BARIGUITítulos e Val. Mob.1,49
KNIP11KINEA Índice de PreçosTítulos e Val. Mob.1,48

Fonte: Economatica

Compartilhe