De olho

Central de FIIs: Ifix sobe 0,12%, mas não evita a quinta semana consecutiva de queda

Confira as informações que influenciam na indústria dos fundos imobiliários hoje

Por  Wellington Carvalho -

SÃO PAULO – Depois de dozes sessões sem ganhos – no dia dez de novembro fechou no zero a zero – O Ifix – índice dos fundos imobiliários mais negociados na Bolsa – voltou a fechar um pregão no campo positivo. Nesta sexta-feira (19), o indicador registrou alta de 0,12%, aos 2.594 pontos.

O alívio da sessão de hoje, no entanto, não foi suficiente para compensar as perdas acumuladas nos últimos dias. Na semana, o Ifix caiu 0,90%. Foi a quinta semana consecutiva de queda do índice. No mês, o indicador tem baixa de 3% e, no ano, 9,61%.

Os fundos imobiliários mais recomendados pelas corretoras para novembro não escaparam do mau humor do mercado e também apresentam resultados adversos no mês.

Dos cinco ativos compilados pelo InfoMoney, apenas dois operam no positivo. O fundo Kinea Rendimentos Imobiliários (KNCR11) e o Mauá Capital (MCCI11) sobem 0,89% e 0,28% no mês, respectivamente.

Com 76 mil cotistas, o Kinea é um fundo que investe em ativos de renda fixa ligados ao setor imobiliário, especialmente os CRIs (Certificados de Recebíveis Imobiliários), que representam 95% do patrimônio líquido atual, de R$ 3,9 bilhões.

Já o Mauá Capital tem quase 62 mil cotistas e um patrimônio líquido de R$ 1,2 bilhão. Também tem como objetivo investir em títulos do setor imobiliário e em cotas de outros FIIs.

O Bresco Logístico (BRCO11), o mais recomendado pelo terceiro mês consecutivo, é o que apresenta maior queda em novembro: 9,17%.

Confira o desempenho dos cinco fundos abaixo:

Ticker Fundo SetorRecomendaçõesOutubro (%)
(KNCR11)Kinea Rendimentos ImobiliáriosRecebíveis40,89
(MCCI11)Mauá CapitalRecebíveis30,28
(TRXF11)TRX Real EstateVarejo/Logístico5-2,85
(HGRU11)CSHG Renda UrbanaVarejo5-3,71
(BRCO11)Bresco LogísticaGalpões Logísticos8-9,17

OBS.: A rentabilidade leva em consideração o reinvestimento dos dividendos

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Fonte: Economatica e corretoras (Ativa Investimentos, BB Investimentos, BTG Pactual, Genial, Guide, Itaú BBA, Mirae Asset, Órama, Santander Corretora e Rico)

Na média, os fundos mais recomendados pelas corretoras para novembro caem 2,91%, abaixo do desempenho do Ifix.

Maiores altas desta sexta-feira (19):

TickerNomeSetorVariação (%)
BCIA11Bradesco Carteira ImobiliariaTítulos e Val. Mob.3,72
HGPO11CSHG PrimeLajes Corporativas2,69
BTLG11BTG Pactual LogisticaLogística2,38
RBVA11Rio Bravo Renda VarejoOutros2,04
TGAR11TG Ativo RealOutros1,79

Maiores baixas desta sexta-feira (19):

TickerNomeSetorVariação (%)
RVBI11VBI ReitsTítulos e Val. Mob.-2,96
MORE11More Real EstateTítulos e Val. Mob.-2,08
KISU11KILIMATítulos e Val. Mob.-1,92
TRXF11TRX Real EstateOutros-1,45
XPSF11XP SelectionOutros-1,45

Fonte: B3

 

XP Properties tem novo inquilino, decisão a favor de locatário do SDI Rio Bravo e mais assuntos

Confira as últimas informações divulgadas por fundos imobiliários em fatos relevantes:

SDI Rio Bravo (SDIL11) descarta impacto de decisão a favor de locatário

O fundo SDI Rio Bravo descartou, em fato relevante, eventuais prejuízos com a recente decisão judicial a favor do locatário do Centro Logístico Contagem, no principal corredor logístico do estado de Minas Gerais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em abril, o fundo adquiriu o empreendimento de alto padrão, pelo valor total de R$ 350 milhões. O contrato de aquisição previa a retenção, por parte do SDI Rio Bravo, de 3% do valor da operação, equivalente a R$ 12 milhões. O recurso era uma espécie de garantia para uma pendência entre o antigo dono e o locatário do imóvel.

No início do ano, o inquilino solicitou a aplicação de penalidade, de R$ 24 milhões, por atraso na entrega da obra. Pelo pedido, o montante seria descontado mensalmente do valor de locação contratual até o limite da multa.

Os antigos donos entraram na Justiça e conseguiram impedir temporariamente o desconto. No entanto, a liminar perdeu efeito em novembro e o locatário está autorizado a realizar o desconto.

Diante disso, o fundo poderá utilizar a retenção prevista no contrato, de R$ 12 milhões, para completar o montante original do aluguel mensal. Além disso, poderá deduzir outros R$ 12 milhões da última parcela de aquisição, que será paga até abril de 2022, e evitar prejuízos na receita financeira do fundo.

VBI Consumo (EVBI11) investe R$ 41 milhões em lojas do Pão de Açúcar

O fundo VBI Consumo Essencial assinou contrato para a compra de dois imóveis que estão alugados atualmente para o Grupo Pão de Açúcar (GPA), rede de supermercados. O preço total da aquisição foi de R$ 41,7 milhões.

O primeiro espaço, denominado “Ativo GPA Granja Viana”, está localizado na avenida São Camilo, na cidade de Cotia (SP). O segundo, o “Ativo GPA Santana”, fica na Rua Augusto Tolle, em Santana, zona norte da capital paulista.

Juntos, os imóveis somam uma área bruta locável (ABL) de quase 10 mil metros quadrados. Os contratos de locação dos imóveis vencem em 2046.

Os impactos financeiros da transação na receita imobiliária do fundo serão divulgados posteriormente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Com vacância elevada, XP Properties (XPPR11) tem novo inquilino na Av. Paulista

O fundo XP Properties acertou a locação do 8º andar do edifício Santa Catarina, na avenida Paulista, em São Paulo (SP). O novo inquilino é a Ocean Network Express, empresa multinacional de serviços logísticos.

A área bruta locável (ABL) do espaço é de pouco mais de mil metros quadrados e o contrato de aluguel tem duração de 60 meses, a partir de dezembro de 2021.

A receita acumulada bruta da locação, considerando a soma dos primeiros meses de vigência, é estimada em R$ 0,2243 por cota. Depois, sem considerar a correção inflacionária prevista no contrato, o valor calculado fica em R$ 0,0127 por cota.

A nova locação deverá reduzir em 1,72 ponto percentual a vacância atual do fundo, que estava em 47%, de acordo com o último relatório gerencial.

 

 

Dividendos de hoje

Confira os fundos imobiliários que distribuem rendimentos nesta sexta-feira (19):

TickerFundoRendimento (R$)
MCCI11Mauá Capital Recebíveis1,00
VGIP11Valora Cri1,25
VGIR11Valora Re0,68

Fonte: InfoMoney

Giro imobiliário: shoppings projetam alta de 19% nas vendas durante a Black Friday

Com a Black Friday na próxima semana, os shoppings esperam um crescimento nominal de 19% nas vendas na comparação com a mesma data do ano passado, chegando a movimentar R$ 2,9 bilhões. O levantamento é da Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce).

Mesmo se for considerada a inflação no período, que chegou a 10,67%, o setor deve ter um resultado positivo nas vendas, de acordo com a associação. A expectativa é de crescimento real de 7% na comparação entre as mesmas datas.

Em média, cada consumidor deve gastar R$ 242, o que representa um valor 5,2% maior que os R$ 230 do ano passado.

Vale lembrar que, em novembro de 2020, os shoppings ainda tinham restrições em relação à quantidade de horas que podiam ficar abertos, além de operar com capacidade reduzida de público. Hoje, praticamente todas as restrições já foram suspensas ao redor do País.

Já na comparação com a Black Friday de 2019 – antes de a pandemia chegar ao Brasil – a expectativa ainda é de queda nas vendas. O levantamento da Abrasce projeta um recuo nominal de 13%. Para o tíquete médio das compras, a previsão é de alta nominal de 4,3%.

Leia também:

 

CDB com 300% do CDI? XP antecipa Black Friday com rentabilidade diferenciada para novos clientes. Clique aqui para investir agora!

Compartilhe