BC lança consulta pública para regulação do setor de criptoativos

Ainda sem minuta, consulta traz 38 questões que o mercado poderá responder até 31 de janeiro

Lucas Gabriel Marins

Logo do Banco Central na fachada da sede (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

Publicidade

A regulamentação do mercado de criptomoedas avançou no Brasil. Na noite de quinta-feira (14), o Banco Central abriu consulta pública para colher informações junto à sociedade e dar prosseguimento à criação de regras específicas para o setor.

O marco legal das criptomoedas (Lei nº 14.478/2022), que entrou em vigor em junho deste ano, colocou o BC como regulador do setor, mas até ontem a autarquia federal não havia iniciado o processo. A consulta é primeira etapa.

Em vez de abrir consulta acompanhada de minuta da regulação, como de costume, como já esperado, o BC lançou 38 questões organizadas em oito blocos temáticos. O mercado terá até o dia 31 de janeiro para responder. Um dos temas principais é a segregação patrimonial, uma prática contábil que separa recursos de clientes do patrimônio de instituição financeira, mas ficou fora da legislação do setor.

Planilha Gratuita

Fuja dos ativos que rendem menos com essa ferramenta gratuita

Baixe a Calculadora de Renda Fixa do InfoMoney e compare a rentabilidade dos ativos

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Na consulta, o BC diz que esse é um dos pontos de maior relevância na matéria, principalmente em cenários de crise. A confusão entre recursos de investidores e da empresa é apontada como um dos motivos da ruína da exchange FTX no ano passado.

“Em sua avaliação, quais são os mecanismos mais eficientes para a efetiva segregação operacional e jurídica do patrimônio dos clientes em relação ao patrimônio das prestadoras de serviços de ativos virtuais?”, pergunta o BC no documento sobre a segregação.

A autarquia já sinalizou em ocasiões anteriores que, apesar de a questão ser extrema de importância, teria dificuldade em lidar com o tema no âmbito infralegal porque a prática precisa ser feita por meio de lei via Congresso Nacional.

Continua depois da publicidade

Leia mais: 

Além da segregação patrimonial, os outros temas da consulta são os seguintes:

Na semana passada, o coordenador do projeto do Drex, Fábio Araújo, disse que as respostas dadas pelo participantes nessa primeira consulta vão ser usadas para a redação de uma minuta, que será apresentada em conjunto com uma segunda consulta pública no primeiro semestre de 2024. As regras para o setor deverão ser finalizadas até a metade do próximo ano.

Lucas Gabriel Marins

Jornalista colaborador do InfoMoney