Taxas de administração

Apenas um em cada seis fundos de investimento cortou taxas desde a queda da Selic

Levantamento indica que somente 16% dos fundos de renda fixa, ações e multimercado reagiram ao ciclo de baixa dos juros iniciado em 2016

(Shutterstock)
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – De 14,25% ao ano, em outubro de 2016, a taxa Selic caiu para 4,50%, neste mês. Ao despencar quase dez pontos percentuais em três anos, os juros básicos da economia brasileira mudaram o cenário de investimentos no país, gerando uma migração da renda fixa para ativos de risco, com aplicadores em busca de maiores retornos.

Mas a queda da Selic não teve efeitos apenas sobre a alocação dos investidores. Do lado da oferta, gestoras vêm se movimentando para evitar que seus fundos de investimentos sejam engolidos pelo novo cenário, pressionados pela concorrência mais barata e pelos próprios cotistas.

Conforme as taxas de administração passaram, em alguns casos, a representar praticamente metade das rentabilidades com juros, diversas casas decidiram diminuir suas cobranças.

A maior parte, contudo, segue resistente a abrir mão de receita. Levantamento do InfoMoney com base em dados da Economatica revela que 160 fundos de investimentos (de renda fixa, multimercado e também de ações) diminuíram suas taxas de administração desde 2016.

Foram considerados apenas fundos não exclusivos que tinham pelo menos 500 cotistas em dezembro de 2019, resultando em um total de 996 fundos, dos quais 438 de bancos. Dessa forma, somente 16,1% da amostra cortou taxas. Das dez maiores reduções promovidas, sete partiram de fundos DI.

Os fundos de renda fixa aparecem em maior número entre os que reduziram os custos, porém, surpreendentemente, em menor proporção. São 69 de 433 fundos (ou 16%), que realizaram, em média, um corte de 0,78 ponto percentual. A taxa média cobrada por esses fundos ficou em 1,06% ao ano, com variação de taxa zero até um máximo de 4% ao ano.

2019, ano de cortes

Grande parte desse movimento de redução de custos aconteceu em 2019 – foram 74 fundos que diminuíram as taxas neste ano. Outro fator que chama a atenção é a reação dos grandes bancos, que cortaram os custos em 83 fundos. Em setembro, em especial, as instituições sofreram uma onda de pressão na internet pelas altas taxas de administração cobradas.

Alan Corrêa, gestor de portfólio da Icatu Vanguarda, vê o mercado passando por um reajuste generalizado das taxas. Ele afirma que a redução no fundo de DI da casa se deu em resposta à redução dos prêmios pagos pelos títulos privados no início do ano, que pressionaram a rentabilidade do produto. O fundo Icatu Vanguarda Crédito Privado FIRF LP passou de uma cobrança de 0,5% para 0,35% ao ano.

Leia também:
Com juros na mínima histórica, CDI ainda é um bom referencial de retorno?
Onde Investir 2020: evento reúne Arminio Fraga e alguns dos maiores especialistas em finanças do país

Quatro fundos da gestora ARX apareceram no levantamento. A maior redução da casa ocorreu no ARX Hedge Debêntures Incentivadas FIRF CP, cuja taxa de administração caiu de 0,95% ao ano para 0,70%.

“As alternativas quando os juros caem e as taxas começam a pesar cada vez mais são: aumentar o risco do fundo, comprando papéis muito mais longos ou com nível de crédito pior, que é algo que não queremos fazer porque desvirtua o mandato; dizer para o cliente que ele vai receber menos; ou cortar na própria carne”, conta Pierre Jadoul, gestor de renda fixa da ARX. “Como queremos manter a competitividade dos nossos produtos e já temos porte suficiente, optamos por cortar.”

Michael Viriato, professor de finanças do Insper, assinala que, quanto mais especializada (e necessária) for a atuação do gestor, menos a taxa deve pesar na escolha de um fundo. “Para fundos de renda fixa simples, o investidor deve buscar taxas menores que 1% ao ano. Agora, com mais especialização, o importante é se o gestor ganha ou não dinheiro”, diz, lembrando que os históricos de rentabilidade dos fundos já descontam as taxas cobradas.

Mais risco, mais corte

Dos fundos de ações levantados, 18% cortaram taxas de administração, com uma média de 0,86 ponto percentual, para 1,88% ao ano. O maior corte de todo o levantamento foi registrado por um fundo de ações, o Bahia AM II FIA, que passou de uma taxa de 6% para 2% ao ano.

Já entre os multimercados, 21% reduziram suas cobranças. O corte médio foi de 0,60 ponto, levando a uma taxa média de 1,11% ao ano.

Multimercados: dias contados para o “dois com vinte”?

Um dos pontos mais discutidos quando o assunto diz respeito às taxas de administração é a permanência do combo conhecido como “dois com vinte”, referência aos 2% de taxa de administração anual e os 20% de taxa de performance dos multimercados. Esse último custo é cobrado sobre os retornos que excedem determinado índice de referência, que, no caso de grande parte dos fundos, corresponde ao CDI.

Para Henrique Bredda, gestor responsável pelo fundo Alaska Black, as discussões sobre a redução de taxa são inerentes ao processo de queda da taxa Selic, que faz com que o custo se destaque nas carteiras. Com um CDI de 4,5%, um fundo que cobre 2% de administração já perde quase metade do retorno.

“Se é um fundo com baixo risco, já não compensa. Acho que essa discussão veio para ficar e é uma necessidade para fundos multimercado de baixa volatilidade e baixo risco”, diz Bredda, para quem gestores desse tipo de produto vão precisar pensar em taxas menores, de 1% a 1,5% ao ano.

Para William Eid Júnior, coordenador do Centro de Estudos e Finanças da Fundação Getúlio Vargas, até agora, o “oligopólio” do mercado financeiro, formado pelos grandes bancos, conseguiu travar a discussão sobre custos.

“Talvez, com o passar do tempo, o mercado diferencie quem faz gestão que gera retorno para o cotista. O ‘kit Brasil’ [com apostas na alta da Bolsa, queda dos juros e valorização do real] foi muito bonzinho para os multimercados”, avalia o coordenador.

Uma reversão da toada positiva do mercado, diz Eid, poderia levar a mais mudanças nos custos pelas gestoras. Os 2% com 20% não serão para todo mundo, assinala, indicando que muitas gestoras poderão desaparecer do mercado com uma virada significativa de rumo.

Na avaliação de Beatriz Fortunato, gestora e sócia da Studio Investimentos, que tem foco em ações, enquanto os fundos seguirem entregando bons retornos, a discussão permanecerá principalmente no mundo teórico.

“Hoje a gestão ativa ainda se paga, o retorno aos clientes tem sido muito positivo, mas acho que vamos caminhar para um mercado com mais dificuldade de bater o Ibovespa e a discussão vai acontecer”, afirma. “Mas antes nos multimercados que nos fundos de ações.”

Invista nos melhores fundos e ações com a ajuda da melhor assessoria: abra uma conta gratuita na XP