Pagamentos instantâneos

Como usar o Pix no seu negócio? Veja as vantagens do novo sistema do BC para MEIs e pequenas empresas

Sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central começa a operar nesta segunda (16). Veja como funcionam cadastro, custos e operação para MEIs e PMEs

(GettyImages)
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO — O Pix começa a funcionar plenamente nesta segunda-feira (16). O sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central deve mudar não só a forma como consumidores compram produtos e serviços, mas também como empresas de diversos portes recebem e processam seus pagamentos.

Entre as promessas do Pix estão pagamentos mais rápidos e seguros. As transações financeiras acontecerão em até dez segundos e poderão ser realizadas 24 horas por dia, incluindo finais de semana e feriados. Para transferir valores, bastará digitar uma informação cadastrada pelo destinatário, como celular ou CPF.

Empreendedores na pessoa física, microempreendedores individuais (MEIs) e pequenas empresas estão na lista de negócios que podem usar o Pix. O InfoMoney falou com especialistas para entender como funciona o Pix para quem tem um negócio.

Aprenda a investir na bolsa

Veremos como fazer o cadastro; quais são os custos por transação; como fazer uma transação na prática; quais são os benefícios para pequenas empresas; e como divulgar o Pix para clientes.

Como cadastrar meu negócio no Pix?

O cadastro para pessoas jurídicas se faz assim como para as pessoas físicas. É preciso ter uma conta transacional (conta corrente, poupança ou de pagamento) em um prestador de serviços financeiros, como banco, corretora ou fintech.

Basta procurar pela seção “Pix” dentro do aplicativo ou internet banking da instituição financeira. Todas as participantes são obrigadas, pelo regulamento do Banco Central, a mostrar a nova opção no menu de suas plataformas.

No cadastro, a empresa informa qual chave Pix vai querer usar. A chave é um código que identifica a conta dentro do sistema. Pode ser o CNPJ, o e-mail, o telefone ou uma chave aleatória gerada pelo sistema.

Isso permite que o negócio faça uma transação para um fornecedor, por exemplo, digitando o CNPJ dele. Ou, ainda, que o cliente encontre o negócio por meio dessa chave para pagar por um produto.

Ao definir a chave e dar o consentimento para fazer o cadastro, a instituição financeira envia a informação do cliente para o Banco Central finalizar o registro. Bancos, corretoras e fintechs serão os intermediadores entre o BC e o consumidor final.

PUBLICIDADE

A grande diferença entre pessoas jurídicas e pessoas físicas está no número de chaves. A pessoa física consegue ter cinco chaves do Pix por conta em instituição financeira. Já a pessoa jurídica pode ter até 20 chaves por conta. Não é permitido repetir a mesma chave para contas diferentes.

Quais são os custos do Pix?

A cobrança é uma grande diferença entre o uso para pessoa física e para pessoa jurídica.

A pessoa física não será cobrada pelas transações no sistema Pix, mas existem duas exceções. A primeira é quando o dinheiro recebido for produto de uma “atividade comercial”.

Essa atividade comercial vai ser verificada por transações no sistema Pix que usem o QR Code dinâmico ou quando forem registradas mais de trinta transações no mês, seja por QR Code dinâmico ou estático (veremos o que são QR Codes dinâmico e estático abaixo).

A segunda exceção é quando a pessoa física quiser realizar o Pix por telefone ou via atendimento presencial. “É a mesma diferença entre fazer uma operação pelo home broker ou pela ligação para uma mesa de operações. Existe cobrança porque a instituição financeira precisa pagar o pessoal de atendimento”, explica Marcelo Martins, líder de pagamentos na Associação Brasileira de Fintechs (ABFintechs).

Já a pessoa jurídica pode ser cobrada desde a primeira transação. Entram nessa categoria pequenas empresas que não sejam consideradas MEIs. Pode ser uma Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (EIRELI) ou negócios que se enquadrem em regimes tributários como Simples Nacional (acima do limite do MEI) e Lucro Presumido.

Quem definirá se cobrará e quanto cobrará por cada transação da pessoa jurídica serão os próprios bancos, corretoras e fintechs – assim como já acontece nas transações convencionais hoje. “O custo de operação foi definido pelo Banco Central, e a partir daí as instituições financeiras definirão suas tarifas”, explica Cibele Pestillo, consultora do Sebrae-SP.

Segundo o BC, a instituição financeira pagará R$ 0,01 a cada dez transações feitas no Pix. Para comparação, hoje uma TED custa cerca de R$ 0,07 por operação.

PUBLICIDADE

Com o custo operacional menor, a tendência é que as tarifas sejam menores do que as vistas atualmente, segundo Cibele. Tanto empresa quanto cliente usam seus próprios celulares e contas em bancos, corretoras ou fintechs. Portanto, não precisam de intermediários além das donas das contas para fazer transações.

O InfoMoney já mostrou antes, em detalhes, como o setor de meio de pagamentos deve mudar com o Pix excluindo a necessidade de intermediários. Especialistas chegam a dizer que será o fim das maquininhas de cartões.

As vendas por cartão de crédito e débito, por exemplo, têm embutidas tarifas pagas para agentes como adquirentes (donas das maquininhas de cartões) e bandeiras (como MasterCard e Visa). No caso do débito, a taxa é de 1% sobre a transação. O Pix promete ter uma tarifa ainda menor.

Na prática, como funciona a transação pelo Pix?

Um pagamento pelo sistema Pix pode ser feito de três formas: transferência bancária, escaneamento de QR Codes ou pagamento por aproximação (tecnologia conhecida como Near Field Communication, ou NFC). Essa terceira forma de pagamento será um recurso desenvolvido posteriormente pelo Banco Central em conjunto com instituições financeiras.

Segundo Martins, da ABFintechs, a tendência é que pessoas físicas façam mais transferências. Já as pessoas jurídicas devem realizar mais transações por QR Codes.

Existem dois tipos de códigos escaneáveis que a empresa pode emitir: o QR Code estático e o QR Code dinâmico. O QR Code estático é emitido apenas uma vez, mas pode ser usado para diversas transações. Seu valor pode ser fixo ou digitado pelo consumidor. Já o QR Code dinâmico é emitido a cada transação, e já apresenta um valor pré-determinado ao consumidor quando ele escaneia o código.

Cibele e Martins concordam que o QR Code estático será mais usado pelos microempreendedores. Por exemplo: um pipoqueiro sempre vende saquinhos de pipoca por R$ 3. Ele pode imprimir o QR Code estático e colar em seu carrinho. Seu cliente escaneia o código com seu celular e vê na tela a transação com valor fixo. O QR Code estático com valor a ser preenchido pode ser útil em um estabelecimento com diferentes produtos, como uma banca de jornal.

Já o QR Code dinâmico servirá para pequenos negócios com operação mais complexa, como um comércio eletrônico. O novo código a cada transação permite incluir informações além do valor, como data de vencimento e juros aplicáveis. Também permite colocar o nome do cliente e número de nota fiscal, informações essenciais para incluir automaticamente tais transações em sistemas de gestão financeira e processos de conciliação bancária.

PUBLICIDADE

“O QR Code dinâmico registra os dados que seriam necessários em um boleto bancário, por exemplo. A diferença para o empreendedor é não ter o trabalho de emissão ou de conciliação”, diz Cibele.

Quais são os benefícios do Pix?

O Pix não terá como benefício apenas uma possível redução de tarifas. O sistema de pagamentos instantâneos não permitirá parcelamentos – o que facilita o planejamento de caixa do empreendedor e melhora seu capital de giro.

“Ele vai receber muito mais rápido. Pode então comprar mais matéria-prima para fabricar novos produtos e colocá-los para venda. O tempo para girar o estoque fica mais curto”, explica Cibele, do Sebrae-SP. “Um dia faz muita diferença no fluxo de caixa do empreendedor”, concorda Davi Viana, diretor de vendas da companhia de software para pequenos negócios Intuit.

Além de permitir o pagamento em tempo real, o Pix também vai tornar as transações mais práticas, à medida que será amplamente usado, tanto pelos clientes quanto pelas empresas. Se hoje o cliente precisa ter um cartão de uma certa bandeira (como Visa, Amex ou MasterCard) para completar a transação, ou ser cliente de uma conta digital (como Mercado Pago e PicPay) para pagar um QR Code, com o Pix, seja qual for o banco que ambos usarem, será possível completar o pagamento se as duas partes estiverem cadastradas no novo sistema do BC.

A confirmação instantânea de pagamento também ajuda no comércio eletrônico. Em pagamentos feitos com cartão de crédito, o mesmo processo pode levar horas. O boleto pode demorar ainda mais. O Pix permite que o empreendedor confirme o pagamento rapidamente e já despache a mercadoria. Com agilidade, a satisfação do consumidor tende a ser maior. “No caso dos produtos, ainda será preciso embalar e enviar. Mas serviços já podem ser prestados no exato momento de pagamento”, afirma Viana.

Pagamentos instantâneos também são úteis na relação entre empresa e fornecedor. “O fornecedor só envia o produto após a confirmação do pagamento. Com o Pix, esse processo é instantâneo. A chegada mais rápida de matéria-prima ou da mercadoria pronta também ajuda a encurtar o tempo para girar o estoque”, diz Cibele.

Por fim, o Pix também pode ser usado para fazer pagamento de salários. “Os funcionários não precisam mais ter conta no mesmo banco da empresa, porque elas não precisam mais arcar com o custo de DOC e TED”, completa a consultora do Sebrae-SP. “Isso não significa que as contas salários vão deixar de existir, porque elas podem levar outros serviços financeiros aos funcionários.”

Como divulgar o Pix aos meus clientes?

A primeira forma de divulgar o Pix é chamar a atenção dos clientes para ele. Caso seu estabelecimento seja físico, cole o QR Code em lugar estratégico e destaque essa forma de pagamento nas conversas com os clientes. Caso você tenha uma frente digital, destaque o Pix como primeira opção de pagamento.

Cibele, do Sebrae-SP, recomenda cadastrar o celular comercial como chave Pix. Dessa forma, quem for realizar um pagamento para sua empresa precisa apenas do número em mãos – o que é ainda mais simples, caso a conversa já esteja acontecendo por mensageiros como o WhatsApp.

Já Viana, da Intuit, diz que a forma mais efetiva de fazer seus clientes usarem o Pix é dando descontos – como acontece informalmente quando pagamentos são feitos em dinheiro. “O pequeno empreendedor terá uma grande vantagem com o Pix, seja em tarifas ou em recebimento rápido do dinheiro. Uma estratégia é repassar parte dos ganhos ao consumidor.”

Newsletter InfoMoney
Informações, análises e recomendações que valem dinheiro, todos os dias no seu email:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.