Como calcular o valor do imóvel para inventário?

Existem três formas possíveis, e a escolha dependerá de cada estado, segundo especialista

Carla Carvalho

Publicidade

O inventário é uma etapa fundamental do processo sucessório, pois ele é quem possibilita a partilha de bens na herança.

Segundo o advogado Luiz Kignel, sócio do escritório PLKC Advogados, com a morte da pessoa que detém o patrimônio, os herdeiros passam automaticamente a ter direito a esses bens. No entanto, somente depois do inventário é que os beneficiários poderão dispor do que receberam. Até lá, o patrimônio pertence a uma figura legal chamada “espólio”, administrada pelo inventariante do processo.

“O espólio nada mais é do que o somatório dos bens, direitos e dívidas que compõem uma massa que já é de direito dos herdeiros, mas ainda não foi partilhada”, diz o advogado. E, para que se possa ter controle sobre esses bens, é preciso resolver eventuais litígios e recolher os tributos devidos, passos que acontecem durante o inventário.

Continua depois da publicidade

Adquira o Cartão XP! Ele transforma suas compras em investimentos e oferece acesso a salas VIP em aeroportos

Valor do imóvel para inventário

Uma das dúvidas mais frequentes nos processos de inventário é sobre a determinação do valor de imóveis deixados como herança. 

Segundo Kignel, existem três possibilidades: utilizar o valor que consta na declaração do Imposto de Renda, no registro de IPTU (valor venal) ou o valor de mercado, que depende de uma avaliação. A escolha de uma das formas dependerá de cada estado, pois a legislação que versa sobre o tema é estadual.

Continua depois da publicidade

“Por exemplo, no Rio de Janeiro, é o Fisco que manda avaliar o imóvel. Lá não se usa o valor venal para fins de inventário”, observa o advogado.

Ele também explica que há diferentes estruturas de planejamento tributário que se pode utilizar na sucessão patrimonial. No entanto, a análise deve ser feita caso a caso, pois dependerá do volume e da complexidade do patrimônio.

“Em cada planejamento sucessório, analisamos aspectos como origem do bem, data de aquisição, valor de mercado — tudo isso para tentar obter uma carga menor de impostos. A sucessão patrimonial é uma janela de oportunidades, mas o estudo sempre será individual”, explica o advogado.

Continua depois da publicidade

LEIA TAMBÉM:

Herança do cônjuge: em quais situações é necessário fazer o inventário?

Herdeiro de dívidas? O que acontece quando uma pessoa morre e tem pendências no nome

Divorciado tem direito à herança? Veja o que diz a lei sobre partilha de bens com ex

Continua depois da publicidade

Custos do inventário

Seja qual for o patrimônio envolvido, todo inventário tem um custo certo, que é o ITCMD (Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação), mais conhecido como “imposto sobre herança”.

As alíquotas do ITCMD variam de acordo com cada estado, sendo que o teto para a sua cobrança é de 8% sobre o valor do patrimônio. Com a reforma tributária, esse imposto passará a ser cobrado de forma progressiva a partir de 2025. No caso de São Paulo, por exemplo, que hoje cobra 4% de ITCMD, poderá haver progressividade dependendo do valor do patrimônio, até o limite de 8%.

Outro tributo que pode ser cobrado no inventário é o imposto sobre ganho de capital, nos casos em que o Fisco entender que ocorreu uma valorização dos bens destinados aos herdeiros. 

Continua depois da publicidade

Por fim, como explica Kignel, alguns municípios podem entender que houve uma transação comercial dentro do inventário. Nesses casos, será cobrado o ITBI (Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis).

“Existem situações nas quais uma pessoa fica com um imóvel e outra com outro tipo de patrimônio, como dinheiro ou bens móveis. Quando isso acontece, alguns municípios entendem que houve compra e venda dentro do inventário, e podem cobrar o ITBI”, alerta o advogado.