Pressão por reajuste

Sem sinalização do governo, servidores do BC se reúnem na sexta sobre greve

Categoria suspendeu a paralisação entre 20 de abril e 2 de maio para dar um ‘voto de confiança’ ao presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto

Por  Estadão Conteúdo -

O presidente do Sinal (Sindicato Nacional de Funcionários do Banco Central), Fábio Faiad, afirmou que a categoria vai se reunir na sexta-feira (29) às 14 horas para definir os rumos da greve, que foi suspensa entre 20 de abril e 2 de maio.

Os servidores decidiram suspender a paralisação, que havia começado no dia 1º, para dar um “voto de confiança” ao presidente do BC, Roberto Campos Neto.

Mas Faiad disse na segunda-feira (25) que, até o momento, não houve sinalização do governo sobre a contraproposta feita pela categoria para o reajuste salarial reivindicado ou mesmo sobre uma nova proposta.

A categoria considera o aumento de 5% ventilado pelo governo insuficiente e propôs que o reajuste pedido de 27% valha a partir de julho, em vez de ser retroativo a janeiro. “Se não houver nada até sexta-feira, a gente decide a continuidade da greve.”

Com a greve suspensa até segunda (2), Faiad diz que a assembleia precisa ocorrer antes de uma eventual retomada da greve, pois é preciso avisar a administração do BC com 72 horas de antecedência.

9 formas de transformar o seu Imposto de Renda em dinheiro: um eBook gratuito te mostra como – acesse aqui!

LEIA MAIS

Compartilhe