Conteúdo editorial apoiado por

Está de férias? Veja qual seguro vai garantir seu momento ‘sombra e água fresca’

Além do seguro-viagem, outras proteções ajudam o viajante a evitar perrengues fora de casa

Jamille Niero

Publicidade

No início do ano, período das tradicionais férias escolares, muitas famílias reservam um espaço na agenda para viajar pelo país ou fora dele. É o caso do hoteleiro Ricardo Gouveia, que visita outros países com frequência e sempre contrata o seguro-viagem para evitar perrengues fora de casa.

No episódio desta quinta-feira (4) do ‘Tá Seguro?’, videocast do InfoMoney disponível no YouTube e nas plataformas de áudio, Ricardo conta sua experiência na utilização das coberturas adquiridas para as viagens.

“Já tínhamos contratado algumas vezes, mas a primeira vez que eu utilizei mesmo foi no Chile. A minha filha era pequena ainda e ela teve Influenza. Contatamos a seguradora e eles prontamente já indicaram o hospital mais perto do hotel que nós estávamos”, conta sobre a situação ocorrida há cerca de 7 anos.

Masterclass

O Poder da Renda Fixa Turbo

Aprenda na prática como aumentar o seu patrimônio com rentabilidade, simplicidade e segurança (e ainda ganhe 02 presentes do InfoMoney)

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A segunda utilização do seguro fora de casa, relembra Ricardo, foi logo após a pandemia, quando ele viajou com a família para Cancun, no México. “A minha filha mais velha começou a sentir muita dor de garganta, e já tinha aquele sistema de atendimento online com o médico. Fizemos essa conexão com o médico do hotel mesmo e foi incrível, ele acertou sem precisar estar perto da minha filha. Ele já fez a prescrição dos remédios, a farmácia ficava bem em frente ao hotel que estávamos, fomos lá, já retiramos o medicamento e ela ficou bem”, diz.

De acordo com Alexandre Camargo, diretor-geral da Assist Card, o seguro-viagem passou por uma grande “evolução” nos últimos anos em termos de ampliação dos canais de atendimento. A pandemia foi um motivador, já que tornou mais comum o uso da telemedicina. “45% dos atendimentos que nós fazemos são de forma digital. O próprio usuário entra no aplicativo [da seguradora] ou no WhatsApp e ele mesmo faz a sua autogestão [das coberturas e serviços contratados]”, comenta.

Camargo salienta que existem coberturas obrigatórias no seguro-viagem, como despesas médicas, repatriação e traslado. As seguradoras também não podem limitar a contratação devido a doenças pré-existentes. Por outro lado, conta o diretor, as companhias passaram a oferecer “novas” coberturas, contra roubo de celular, compra de eletrônicos e até para os pets.

O corretor de seguros Paulo Kalassa concorda que a pandemia mudou os hábitos das famílias, que agora querem viajar mais. Outra mudança é a preocupação com os eventuais gastos com saúde durante as viagens, que também cresceram — implicando em um ajuste nas coberturas contratadas, que devem ser maiores para “suprir a necessidade do cliente”. “A primeira pergunta que a gente faz é se o cliente está indo a passeio ou praticar um esporte, se está indo para [local com] neve, se vai esquiar, se vai fazer algum esporte com bicicleta, se vai usar motocicleta. Hoje nos preocupamos um pouco mais com o que que ele vai fazer na viagem”, observa Kalassa.

Segundo o corretor, o cuidado deve ser em contratar um capital segurado adequado ao objetivo das atividades da viagem para que o consumidor não fique com dívidas no hospital, caso sofra um acidente.

Afinal, há países onde a assistência médica é privada e bastante cara. “Ele passa a ser responsável pela diferença da dívida que ele tem porque a seguradora vai cobrir até o limite do capital contratado e ele tem que assumir a diferença. Muita gente não pensa nesse aspecto”, alerta o corretor.

E se a viagem for pelo Brasil?

Os especialistas contam que as mudanças atingiram não só quem viaja para o exterior, mas também para quem se desloca pelo Brasil. Mesmo estando em solo nativo, é importante tomar alguns cuidados.

Camargo comenta ainda sobre outra tendência crescente entre os viajantes brasileiros, que é a aquisição de seguro-viagem para deslocamentos dentro do território nacional, principalmente para garantir atendimento médico privado em regiões onde o plano de saúde não cobre.

“As pessoas tinham mais planos nacionais de saúde. Hoje os planos são mais regionais. Isso abriu uma porta para a contratação do seguro-viagem nacional”, explica. De acordo com o diretor da Assist Card, antes da pandemia, apenas 30% das apólices (contratos de seguro) eram emitidas para viagens nacionais. Atualmente, esse índice subiu para 50%.

Outro seguro que merece atenção é o automóvel. Pode ser que por circular apenas por São Paulo, o limite contratado para o uso de guincho seja de até 100 quilômetros. “Quando você contrata o seguro do seu automóvel, nem passou pela sua cabeça que talvez você pudesse sair de São Paulo e ir até a Bahia de carro”, exemplifica Kalassa.

Segundo ele, o segurado pode “endossar a apólice”, ou seja, fazer uma alteração no contrato de seguro para ampliar a cobertura, acrescentando serviços como “uma assistência ilimitada não só do veículo, mas do passageiro também”, por exemplo. A depender do imprevisto, é possível que toda a família tenha de retornar à cidade natal com outro meio de transporte.

A dica de ouro, segundo os especialistas, é contratar ou ajustar os seguros pertinentes no momento da companha do pacote de viagem. Assim, é possível adequar o seguro-viagem ou ajustar as outras modalidades — como o automóvel, o residencial e até de itens pessoais — conforme a necessidade para o período.

Newsletter

Infomorning

Receba no seu e-mail logo pela manhã as notícias que vão mexer com os mercados, com os seus investimentos e o seu bolso durante o dia

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Jamille Niero

Jornalista especializada no mercado de seguros, previdência complementar, capitalização e saúde suplementar, com passagem por mídia segmentada e comunicação corporativa.