Temporada de resultados

Setor de saúde amplia endividamento com consolidação e juros maiores; sinistros também avançam

Disputa por aquisições de planos e hospitais deve continuar em 2022, assim como impacto maior da Selic sobre a dívida das empresas

Por  André Cabette Fábio

Além do maior peso da dívida sobre os resultados financeiros, as empresas do setor de saúde na bolsa, como Fleury (FLRY3), Hapvida (HAPV3), Qualicorp (QUAL3) e Rede D’Or (RDOR3), registraram aumento da sinistralidade nos três primeiros meses deste ano, o que pressionou as margens destas companhias.

Em entrevista ao InfoMoney, Rafael Barros, head de saúde e educação da XP Research, afirmou que o alto endividamento se deve ao movimento de “consolidação” do setor – o que, no jargão do mundo dos negócios, representa uma concentração de mercado nas mãos um grupo menor de empresas.

Segundo o analista, a disputa entre as empresas pela aquisição de planos de saúde e hospitais deve continuar, assim como a taxa Selic em alta, impactando os seus resultados, por conta de gastos financeiros de empréstimos antigos, referenciados pelo CDI, que varia conforme a taxa básica de juros.

De acordo com o analista, o comportamento dos juros – que saíram de 2% ao ano em dezembro de 2020 para 12,75% ao ano atualmente – deve ser acompanhado como uma lupa pelos investidores, merecendo uma atenção até maior do que o de variáveis macroeconômicas como desemprego, inflação ou renda, exatamente pelo impacto nos passivos.

Setor de saúde vê alta da dívida

Segundo o balanço da Hapvida, que finalizou em fevereiro fusão com NotreDame Intermédica (GNDI), a empresa passou de um caixa líquido de R$ 1,523 bilhão, nos três primeiros meses de 2021, para uma dívida líquida de R$ 6,189 bilhões no mesmo período de 2022. Assim, o índice de alavancagem, medida pela relação entre a dívida líquida e o Ebitda, saltou de -0,7 vez para +2,8 vezes.

Conforme a empresa, o avanço ocorreu pelo pagamento da parcela caixa para acionista GNDI no valor de R$ 3,2 bilhões; pelo dividendo extraordinário do GNDI no valor de R$ 1 bilhão; pela dívida proveniente do balanço de abertura do GNDI; e pelo Ebitda em 12 meses penalizado pela pandemia.

Enquanto isso, no primeiro trimestre deste ano, a Hapvida reportou lucro ajustado de R$ 78,1 milhões, queda de quase 70%. No pregão seguinte ao balanço, as ações derreteram 16,8%, com os analistas do Bradesco BBI apontando que, fora os impactos da Covid, aquisições e redução de preços dos planos, a sinistralidade caixa ficou bem acima dos níveis pré-pandemia.

“Achamos que esses níveis (de sinistralidade) são relativamente preocupantes, especialmente considerando a sazonalidade favorável e a pressão inflacionária atual, sugerindo riscos para nossas respectivas estimativas de 61,0% e 69,5% no longo prazo (excluindo sinergias)”, aponta o banco.

Compra da SulAmerica

No caso da Rede D’Or, que anunciou a compra em fevereiro a SulAmerica, o endividamento líquido consolidado subiu de R$ 7,455 bilhões no primeiro trimestre de 2021 para R$ 14,198 bilhões no primeiro trimestre de 2022. Dessa forma, a alavancagem passou de 2,5 vezes para 2,9 vezes.

Questionado sobre novas aquisições, em teleconferência com analistas, o CEO da Rede D’Or, Paulo Junqueira, afirmou que a empresa procura manter sua disciplina financeira, e que avalia compras considerando o retorno por dividendos, “olhando para ativos que interessam”, mas mantendo cautela.

A Rede D’Or reportou lucro líquido de R$ 225,2 milhões no primeiro trimestre de 2022, recuo de 44,1% em relação ao mesmo trimestre de 2021. No balanço, a empresa afirmou que o resultado foi “impactado pelos efeitos da elevação de juros no resultado financeiro”.

Conforme seu balanço, as perdas financeiras líquidas saltaram 42,8%, por conta, principalmente, das maiores despesas em função da elevação das taxas de juros e aumento do endividamento médio.

Recompras e dividendos

Outra companhia que teve aumento no endividamento foi a Qualicorp, cuja dívida líquida encerrou o primeiro trimestre, em R$ 1,407 bilhão, alta de 133%, o que elevou sua alavancagem a 1,37 vez, ante 0,56 vez de um ano antes.

Conforme a companhia, o aumento do endividamento se deve à menor geração de caixa livre, ao pagamento de aquisições, a recompras de ações e à distribuição de dividendos. No primeiro trimestre, a Qualicorp teve lucro 35,3% menor na comparação anual, por conta da “queda no Ebitda, maiores amortizações e despesas financeiras”.

Enquanto isso, as despesas financeiras líquidas subiram 333%, refletindo maiores juros de empréstimos e financiamentos atrelados ao CDI, junto com maior endividamento. A analistas, o CFO da Qualicorp, Frederico de Aguiar Oldani, afirmou que esse impacto “deve continuar pressionando o lucro nos próximos trimestres”.

Por fim, entre as maiores do setor, a Fleury registrou um incremento da dívida líquida de 9,5% na mesma base de comparação, para R$ 1,545 bilhão. A razão entre dívida líquida e Ebitda subiu de 1,3 vez para 1,4 vez. E a receita líquida subiu 21,9%, para R$ 1,090 bilhão.

Impactou o balanço da Fleury, segundo a empresa, o pior resultado financeiro, negativo em R$ 65,6 milhões, acompanhando o crescimento da dívida e também os maiores gastos com juros.

Consolidação deve seguir

Mesmo com os efeitos sobre o endividamento, que se sobressaem em tempos de juros em alta, Barros, da XP, diz esperar que o movimento de consolidação continue, mas em um ritmo mais lento, em especial em se tratando da compra de planos de saúde.

Isso porque o nível de retorno esperado precisa ser maior conforme os juros aumentam. As compras devem se desacelerar, “a não ser que o mercado de ações melhore e abra uma janela para ‘follow on‘ [oferta pública secundária de ações]”, explicou.

No caso de hospitais, o cenário é, no entanto, “diferente”, já que esses equipamentos são um “pilar estratégico” do setor, o que deve manter o apetite por aquisições.

Sinistralidade em alta, margens em queda

Da virada do ano até o primeiro trimestre, a sinistralidade das grandes empresas de saúde foi pressionada por conta dos efeitos da pandemia. Com o arrefecimento da crise, o indicador continuou, no entanto, em níveis elevados.

Em parte, isso ocorre por conta da busca maior por procedimentos eletivos de saúde que haviam sido adiados pelos clientes durante os surtos mais agudos de Covid, além da inflação dos custos das empresas.

Na Hapvida, o índice de sinistralidade caixa alcançou 72,9% nos três primeiros meses de 2022, avanço de 11,8 pontos percentuais na comparação com o mesmo período de 2021.

Apesar da busca maior por procedimentos, o tíquete médio consolidado da Hapvida teve queda de 4,2% na mesma base de comparação, o que a empresa atribuiu principalmente ao reajuste negativo de 8,19% dos planos individuais divulgado pela ANS em 2021.

A margem Ebitda ajustada atingiu 8,6% nos três primeiros meses do ano, baixa de 11,5 pontos percentuais frente à margem registrada no primeiro trimestre de 2021.

A Rede D’Or não informou a sinistralidade no balanço. Mas o tíquete médio também teve queda de 3,2% frente ao primeiro trimestre de 2021.

A margem Ebitda ajustada atingiu 24,5% nos três primeiros meses do ano, baixa de 3,7 pontos percentuais frente à margem registrada no primeiro trimestre de 2021.

A Qualicorp não especificou sua sinistralidade e não detalhou o tíquete médio, apesar de apontar que houve queda, impactando a receita. A margem Ebitda ajustada recuou de 53,2% no primeiro trimestre de 2021 para 50,3% no mesmo período de 2022.

O Fleury não especificou sinistralidade ou tíquete médio. A margem Ebitda caiu de 31,9% para 30%.

Aquisições não beneficiaram margens

Em entrevista ao InfoMoney, Bruno Komura, analista da Ouro Preto Investimentos, disse que a sinistralidade tende a continuar alta no segundo trimestre. “Vemos um represamento de procedimentos eletivos, que devem ir voltando depois das restrições da pandemia”, diz.

Na avaliação de Barros, da XP, a queda nas margens é decepcionante, em especial no caso da Hapvida, já que era esperado aumento com a integração das aquisições recentes.

“Enxergamos que a integração não está sendo tão suave”. Segundo o analista, as empresas compradoras estão levando mais tempo do que o esperado para reduzir despesas e trazer a sinistralidade dos planos de saúde adquiridos para seus níveis.

Em especial no caso da Rede D’Or, que é uma grande compradora de hospitais, a companhia não está sendo capaz de levar imediatamente procedimentos realizados em outras unidades. Assim, o tíquete médio dos hospitais adquiridos não está aumentando, deixando de beneficiar as margens.

Segundo o analista, “a mensagem principal é: não querermos ver só crescimento, queremos ver resultado”.

Enrico Cozzolino, sócio e head de análise da Levante Ideias de Investimentos, afirmou que “sem dúvidas a sinistralidade comprometeu as margens das empresas do setor de saúde”.

Em sua visão, a Hapvida decepcionou em seus resultados por conta de sinistralidade e endividamento altos. A empresa “não conseguiu traduzir as recentes aquisições em uma capacidade de gerar receita orgânica de maneira sólida”, disse.

Inflação e desemprego

As empresas são ainda desafiadas pelo cenário de aceleração da inflação e alta de desemprego. Barros, da XP, destacou que as empresas privadas são as grandes contratantes de planos de saúde para seus funcionários, de forma que um mercado de trabalho desaquecido prejudica planos corporativos.

A queda da renda também tem um impacto sobre o setor, sentido três ou quatro meses após a variação.

Komura, da Ouro Preto Investimentos, ressaltou que a inflação médica, em especial os custos com profissionais de saúde, pressionam as empresas. Ele pondera que as companhias têm potencial para controlar custos com economias em SG&A (sigla em inglês para despesas em serviços, gerais e administrativas) após fusões e aquisições.

Cozzolino, da Levante, reformou que o setor tem dificuldades em repassar ajustes diretamente, o que faz com que as companhias tenham que reduzir as margens conforme elevam receitas e mantêm lucro líquido, conjunção que vê como negativa para um “crescimento sustentável”.

Ele também ressaltou que há escassez de determinados medicamentos por conta principalmente da alta da demanda, além de relatos de falta de insumos por conta de medidas de lockdown na China, o que pode impulsionar a inflação do setor.

O analista acrescentou que as aquisições abrem a possibilidade de sinergias que beneficiem as margens. Mas disse não esperar que as SG&A sejam afetados imediatamente, “já que o enfoque das empresas no momento é melhorar o operacional e, portanto, as despesas não devem ser diminuídas”.

Entretanto, afirmou esperar que o impacto positivo das aquisições seja sentido apenas em 2023, junto a uma flexibilização maior do governo quanto a repasses de inflação dos planos após os efeitos mais intensos da pandemia.

Piso da enfermagem e ajustes da ANS

Barros, da XP, ressaltou que os ajustes dos planos coletivos são negociados caso a caso, o que dá maior margem para as empresas aplicarem aumentos. Já os ajustes dos planos individuais são determinados pela ANS (Agência Nacional de Saúde).

Após o ajuste negativo em 2021, a expectativa de Barros para 2022 é que haja uma compensação, com ajuste positivo em 15%, algo que deve ficar mais claro até o final de junho.

Cozzolino ressaltou que “a projeção da FenaSaúde é de uma subida de algo como 16% em 2022, nos planos de saúde individuais. Esse seria o maior reajuste já feito pela agência e poderá sim impactar as companhias”.

Leia também

Um fator que deve pesar sobre os custos dos planos de saúde é, no entanto, a definição do piso da enfermagem, de R$ 4.750, aprovada no início de maio pela Câmara dos Deputados. A medida ainda aguarda sanção presidencial.

Barros disse ser difícil avaliar o impacto no momento, já que é esperado algum tipo de medida compensatória, como desoneração, que não deverá ser aplicada de forma homogênea.

Komura, da Ouro Preto Investimentos, pontou que o impacto do ajuste será maior na esfera pública do que na privada.

Oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje. Assista aqui.

Compartilhe