Rede D’Or (RDOR3): recompra bilionária e revisão de projeções por banco animam ações

Expectativa do BBA é de valorização do papel em mais de 40%

Ana Paula Ribeiro

Publicidade

O noticiário para as ações da Rede D’Or (RDOR3) é movimentado. Na sequência do anúncio da recompra de até R$ 1 bilhão em ações, o Itaú BBA revisou sua tese para os ativos RDOR3. Os analistas do banco elevaram o preço-alvo de R$ 33 para R$ 39 e mantiveram compra para os ativos.

Para o BBA, a empresa vai se beneficiar da parceria com o Bradesco e da melhora da rentabilidade na Sulamérica. Esse preço-alvo representa um potencial de valorização de pouco mais de 40% para as ações da empresa. Os papéis RDOR3 tinham alta nesta quarta-feira (12), com ganhos de cerca de 1% às 15h20 (horário de Brasília), em uma sessão negativa para o Ibovespa, com queda de mais de 1%.

“A empresa está passando por um forte impulso operacional à medida que aumenta capacidade ao longo de 2024”, segundo avaliação dos analistas.

Continua depois da publicidade

Em maio, a Rede D’Or e a Atlântica Hospitais, subsidiária da Bradesco Seguros, se uniram para criar a rede de hospitais Atlântica D’Or. Para os analistas do Itaú BBA, essa joint venture reduz os riscos de expansão do longo prazo, já que está fortalecendo o seu relacionamento com um dos maiores pagadores do mercado de saúde.

Baixe uma lista de  10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de crescimento para os próximos meses e anos

“Avaliamos que a parceria entre a Rede D’Or e a Bradesco Saúde vai além da economia conjunta dos cinco hospitais greenfield (quando o projeto é realizado do zero). Isso significa que a Rede D’Or está agora mais bem alinhada com 26% da indústria privada em termos de participação de sinistros”, explicaram.

Continua depois da publicidade

Em relação à SulAmérica, que a Rede D’Or concluiu a compra no final de 2022, os analistas do Itaú BBA esperam a melhora da rentabilidade após a redução da sinistralidade e aumento dos preços.

“Avaliamos que a Rede D’Or está bem-posicionada para dominar o segmento de renda média-alta do setor de saúde. Assim, mantemos nossa recomendação de “compra”, com um valor justo para o ano de 2024 de R$ 39/ação (de R$ 33)”, concluíram.


Esse preço leva em conta uma previsão de aumento de lucro para 2024 e 2025 em 13% e 11%, respectivamente.

Continua depois da publicidade

As projeções já levam em conta a atualização do plano de expansão da Rede D’Or, que irá adiar algumas entregas de projetos. A entrega de leitos entre 2023 e 2027 está 27% menor do que na previsão anterior, mas essa diferença foi transferida para 2028.

“Acreditamos que esse atraso deve-se principalmente à priorização de projetos greenfield dentro da Atlântica D’Or (joint venture com a Bradesco Saúde) e ao adiamento de expansões em regiões onde o principal pagador (ou um dos principais pagadores) enfrenta desafios financeiros (particularmente no Nordeste)”, explicaram os analistas.

Na terça-feira à noite, a Rede D’Or anunciou que vai recomprar até R$ 1 bilhão em ações da própria companhia. O intuito do programa de recompra é manter os papéis em tesouraria, com posterior cancelamento ou alienação “com vistas a maximizar a geração de valor para os acionistas da companhia”.

Continua depois da publicidade

Em geral, uma empresa adota um programa de recompra quando avalia que as ações estão a um preço abaixo do esperado (os papéis da Rede D’Or registram, no acumulado do ano, uma queda de 2,1%).