Radar InfoMoney

Gafisa (GFSA3) compra incorporada de luxo; D1000 (DMVF3), Panvel (PNVL3) e mais dezenas de empresas soltam balanços e mais

Confira os destaques do noticiário corporativo na sessão desta quinta-feira (12)

Por  Equipe InfoMoney -

O noticiário corporativo desta quinta-feira (12) tem como destaque a Equatorial (EQTL3) que concluiu a operação de venda da totalidade de sua participação societária na Gera Maranhão para a Vulcan.

Já a Raízen aprovou a construção de duas plantas de Etanol de Segunda Geração em São Paulo. A Gafisa, por sua vez, acertou a compra da incorporadora de luxo São José.

O novo ministro de Minas e Energia disse que solicitará estudo sobre desestatização da Petrobras (PETR3;PETR4).

A safra de balanços também segue movimentada. O Banco do Brasil (BBAS3) registrou lucro líquido ajustado de R$ 6,6 bilhões no primeiro trimestre de 2022 (1T22), um desempenho 34,6% superior ao reportado no mesmo período de 2021.

A JBS (JBSS3) reportou lucro líquido de R$ 5,1 bilhões no primeiro trimestre de 2022 (1T22), um crescimento de 151,4% em relação ao mesmo trimestre de 2021. Além disso, o frigorífico aprovou novo programa de recompra de ações e dividendos.

Dezenas de empresas divulgam seus resultados do primeiro trimestre, entre elas: Aeris (AERI3), Allied (ALLD3), Alper (APER3), Americanas (AMER3), B3 (B3SA3), Banco Modal (MODL11), Banrisul (BRSR6), Bemobi (BMOB3), Banco BMG (BMGB4), Bradespar (BRAP4), Brasil Brokers (BBRK3), Brisanet (BRIT3), brMalls (BRML3), Burger King (BKBR3), CCR (CCRO3), Cogna (COGN3), CPFL Energia (CPFE3), Dasa (DASA3), Enauta (ENAT3), Energisa (ENGI11), Eneva (ENEV3), Eternit (ETER3), Even (EVEN3), EzTec (EZTC3), Ferbasa (FESA4), Focus Energia ([ativo=POWE3]), GPS (GGPS3), Grupo Soma (SOMA3), Guararapes Riachuelo (GUAR3), Hermes Pardini (PARD3), IMC (MEAL3), Infracommerce (IFCM3), JHSF (JHSF3) e Le Lis Blanc / Restoque (LLIS3).

Locaweb (LWSA3), Melnick (MELK3), Mosaico (MOSI3), MRV (MRVE3), Oceanpact (OPCT3), Ouro Fino (OFSA3), Plano & Plano (PLPL3), Portobello (PTBL3), Priner (PRNR3), Randon (RAPT3), Rede D’Or (RDOR3), Smartfit (SMFT3), SYN (SYNE3), Tecnisa (TCSA3), Time For Fun (SHOW3), Track & Field (TFCO4), Trisul (TRIS3), Triunfo (TPIS3), Tupy (TUPY3), Unicasa (UCAS3), Viver (VIVR3), Westwing (WEST3), Wiz (WISZ3) e Yduqs (YDUQ3) também divulgam resultados após o fechamento do mercado.

Confira os destaques:

Gafisa (GFSA3)

A Gafisa anunciou na quarta-feira que assinou memorando de entendimentos para compra da incorporadora de alto padrão São José, por valor não revelado.

“Caso concluída, a operação envolverá uma composição entre uma parcela em espécie e assunção de dívidas, cujos valores finais ainda estão sujeitos a confirmação e due diligence”, afirmou a Gafisa em faot relevante.

Petrobras (PETR3;PETR4)

Em seu primeiro pronunciamento como ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida afirmou na véspera que solicitou estudos ao governo federal para privatização da Petrobras (PETR3;PETR4) e da Pré-Sal Petróleo (PPSA), responsável pelos contratos da União do pré-sal. Aliado do ministro da Economia, Paulo Guedes, o economista também defendeu o prosseguimento da venda da Eletrobras, que depende de aval do Tribunal de Contas da União (TCU).

“Meu primeiro ato como ministro de Minas e Energia é solicitar ao ministro (da Economia) Paulo Guedes, presidente do Conselho do PPI (Programa de Parcerias de Investimentos), que leve ao conselho a inclusão da PPSA no PND (Programa Nacional de Desestatização) para avaliar as alternativas para sua desestatização”, disse em declaração à imprensa. “Ainda como parte do meu primeiro ato, solicito também o início dos estudos tendentes à proposição das alterações legislativas necessárias à desestatização da Petrobras”, completou.

Banco do Brasil (BBAS3)

O Banco do Brasil (BBAS3) registrou lucro líquido ajustado de R$ 6,6 bilhões no primeiro trimestre de 2022 (1T22), um desempenho 34,6% superior ao reportado no mesmo período de 2021.

O resultado ficou acima do esperado. O consenso do mercado era de um lucro de R$ 5,34 bilhões, segundo os analistas consultados pela Refinitiv.

JBS (JBSS3)

A JBS (JBSS3) reportou lucro líquido de R$ 5,1 bilhões no primeiro trimestre de 2022 (1T22), um crescimento de 151,4% em relação ao mesmo trimestre de 2021.

O lucro antes juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado cresceu 46,7% no 1T22, totalizando R$ 10,1 bilhões.

Minerva (BEEF3)

A Minerva (BEEF3) registrou lucro líquido de R$ 114,6 milhões no 1º trimestre, retração de 55,8% na comparação com mesmo período de 2021.

O Ebitda somou R$ 646 milhões, alta de 33,2% em relação ao mesmo período de 2021.

Braskem (BRKM5)

A Braskem (BRKM5) reportou lucro líquido de R$ 3,884 bilhões no primeiro trimestre de 2022 (1T22), um crescimento de 56% em relação ao mesmo trimestre de 2021.

O lucro antes juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) recorrente caiu 30% no 1T22, totalizando R$ 4,845 bilhões.

Aliansce Sonae (ALSO3)

A Aliansce Sonae (ALSO3) registrou lucro líquido de R$ 55,9 milhões no primeiro trimestre de 2022 (1T22), um desempenho 33,6% superior ao reportado no mesmo trimestre de 2021.

O lucro antes juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado cresceu 27,8% no 1T22, totalizando R$ 184,9 milhões.

Ultrapar (UGPA3)

A companhia viu lucro líquido triplicar no 1º trimestre de 2022 e reporta R$ 461 milhões. Resultado é 236% maior do que os R$ 137 milhões do 1T21.

O Ebitda ajustado avançou 32% no 1T22, para R$ 1,313 bilhão, contra os R$ 996 milhões do 1T21.

Bradespar (BRAP4)

A Bradespar (BRAP4) registrou lucro líquido de R$ 924,1 milhões no primeiro trimestre de 2022 (1T22), um desempenho 45,7% inferior ao registado no mesmo trimestre de 2021.

A receita operacional somou R$ 918,4 milhões entre janeiro e março deste ano, uma redução de 47,1% na comparação com igual etapa de 2021, já refletindo a operação de redução de capital,concluída em 20 de dezembro de 2021, através da qual a participação acionária da Bradespar na Vale passou de 5,73% para 3,44%do capital social votante em março de 2022.

Copel (CPLE6

A Copel (CPLE6) teve lucro líquido de R$ 670 milhões queda de 11,8% na base anual.

A Companhia Paranaense de Energia registrou queda do lucro mesmo com a sua receita operacional crescendo 12,1%, para R$ 5,5 bilhões na mesma base.

Light (LIGT3

A Light (LIGT3) registrou prejuízo líquido de R$ 106 milhões no primeiro trimestre de 2022 (1T22), um aumento de 153,8% em relação ao mesmo trimestre de 2021.

O lucro antes juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado cresceu 25,2% no 1T22, totalizando R$ 525,5 milhões.

Grupo Soma (SOMA3)

O Grupo Soma registrou lucro líquido de R$ 42,5 milhões no primeiro trimestre de 2022, 185% acima dos 14,9 milhões em igual período de 2021. Os valores referem-se aos atribuíveis aos controladores.

A receita líquida foi de R$ 1,017 bilhão, aumento de 187% sobre os R$ 353,6 milhões de igual período de 2021.

Lavvi (LAVV3

A Lavvi (LAVV3) teve lucro líquido 24% maior no 1º trimestre de 2022, chegando a R$ 21 milhões.

O Ebitda recuou 34% no primeiro trimestre deste ano, para R$ 13,344 milhões, contra os R$ 20,161 milhões do 1T21. A margem Ebitda caiu 8,0 pontos percentuais, para 13,4%.

DOTZ (DOTZ3)

A Dotz registrou baixa de 24,3% no prejuízo no 1º trimestre, para R$ 16,7 milhões

O lucro antes juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) foi negativo em R$ 19,4 milhões no 1T22, uma piora de 133,7% em relação ao mesmo trimestre de 2021.

O EBITDA no 1T22 foi inferior ao do 1T21, em função do aumento das despesas gerais e
administrativas reconhecidas no período.

Moura Dubeux (MDNE3

A Moura Dubeux (MDNE3) registrou lucro líquido de R$ 23,2 milhões no primeiro trimestre de 2022 (1T22), cifra 30,4% superior ao registrado no mesmo trimestre de 2021.

O lucro antes juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado cresceu 25,4% no 1T22, totalizando R$ 26,9milhões.

Mahle-Metal Level (LEVE3)

A Mahle-Metal Level (LEVE3) teve lucro líquido de R$ 123 milhões no 1º trimestre de 2022, recuo de 2,5%.

O Ebitda caiu 10,4%, para R$ 178,5 milhões no trimestre analisado, em relação aos R$ 199,2 milhões do mesmo período de um ano atrás. A margem Ebitda caiu 3,8 pontos percentuais, para 20,1%.

Fras-le (FRAS3

Fras-le (FRAS3) registra lucro de R$ 27,9 milhões no 1º trimestre, baixa de 53,9% na base anual

O lucro antes juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado caiu 15% no 1T22, totalizando R$ 106 milhões.

Enjoei (ENJU3)

A Enjoei (ENJU3) reportou prejuízo líquido de R$ 31,1 milhões no primeiro trimestre de 2022 (1T22), uma redução de 2% em relação ao mesmo trimestre de 2021.

O lucro antes juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado foi negativo em R$ 25,7 milhões no 1T22, contra Ebitda negativo de R$ 27,1 milhões no 1T21.

Multilaser (MLAS3

A Multilaser registrou lucro líquido de R$ 171 milhões no primeiro trimestre, queda de 11,7% na base anual.

O Ebitda caiu 45,7%, indo a R$ 128,0 milhões no trimestre, ante os R$ 235,7 milhões do mesmo período de 2021. A margem Ebitda recuou 6,1 pontos percentuais, para 13,1%.

Boa Vista (BOAS3

A Boa Vista lucrou R$ 56 milhões no 1º trimestre, alta de 222,4% na base anual.

O lucro antes juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado cresceu 32% no 1T22, totalizando R$ 49,4 milhões.

Positivo (POSI3)

A Positivo (POSI3) divulgou balanço do primeiro trimestre de 2022 (1T22) com lucro líquido de R$ 28,446 milhões, número 6,9% maior do que os R$ 26,607 milhões aferidos no 1T21.

Vittia Fertilizantes (VITT3

A Vittia (VITT3) registrou lucro líquido de R$ 15,58 milhões no primeiro trimestre de 2022, alta de 23% na comparação com igual período de 2021.

O Ebitda ajustado somou R$ 26,2 milhões, um crescimento de 20,2% em relação ao mesmo período de 2021.

Marisa (AMAR3)

A varejista Marisa (AMAR3) teve prejuízo líquido de R$ 77,2 milhões no balanço do primeiro trimestre, o que representou um aumento de 44,5% das perdas em relação ao mesmo período do ano passado, de R$ 53,4 milhões.

Segundo a empresa, o resultado líquido é reflexo da queda acentuada de fluxo nas lojas em janeiro e da baixa diluição de despesas ao longo do trimestre.

Santos Brasil (STBP3

A Santos Brasil (STBP3) registrou lucro de R$ 94,2 milhões no balanço do 1º trimestre deste ano, alta de 204% sobre igual período do ano passado.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) somou R$ 178,9 milhões, aumento de 68,6% e o melhor resultado da companhia desde 2013.

SulAmérica (SULA11

A SulAmérica (SULA11) teve lucro líquido de R$ 24,4 milhões no primeiro trimestre de 2022, queda de 54,7% sobre a mesma etapa do ano passado.

Dimed ([ativo=PNVL4]) 

A Dimed (PNVL4) registrou lucro líquido atribuído aos acionistas controladores de R$ 20,608 milhões no primeiro triemstre, alta de 1,61% na comparação anual.

Estapar (ALPK3

A Estapar (ALPK3) registrou prejuízo líquido atribuído aos controladores de R$ 43,8 milhões no primeiro trimestre, queda de 32,1% na comparação anual.

Mills (MILS3)

A Mills (MILS3) tem lucro líquido de R$ 40,8 milhões no primeiro trimestre deste ano, alta de 454,5% sobre a mesma etapa de 2021.

Mater Dei (MATD3)

No trimestre, o lucro líquido ajustado somou R$ 36,8 milhões, um aumento de 39,2% ante o mesmo período do ano anterior e queda de 3,8% em comparação com o 4T21.

Banco Pine (PINE4

O Banco Pine reportou lucro líquido recorrente de R$ 1,8 milhão no primeiro trimestre de 2022, um crescimento de 260% em relação ao mesmo período de 2021.

Eternit (ETER3)

A Eternit (ETER3) reportou lucro líquido 27,6% menor no 1T22, para R$ 42,3 milhões.

Há um ano, o lucro líquido foi de R$ 58,434 milhões. O lucro líquido recorrente também retrocedeu, mas 45,3%, indo a R$ 31,838 milhões.

D1000 (DMVF3

A D1000 (DMVF3) diminui prejuízo líquido no 1T22 para R$ 6,2 milhões. Há um ano, o prejuízo era de R$ 7,3 milhões, o que representa uma melhora de 18,3% na comparação entre os trimestres.

A rede D1000 registrou Ebitda de R$ 3,0 milhões no 1T22, uma alta de 222,6% em relação ao Ebitda negativo de um ano atrás, de R$ 2,5 milhões.

Rossi (RSID3

A Rossi (RSID3) quadruplicou o prejuízo no 1T22, chegando a R$ 141,0 milhões.O aumento de 333,1% no prejuízo veio em relação ao 1T21, quando o prejuízo foi de R$ 32,5 milhões.

Raízen (RAIZ4)

A Raízen (RAIZ4) aprovou hoje a construção da terceira e da quarta plantas de Etanol de Segunda Geração (E2G) nos Parques de Bioenergia da Barra e Univalem, em SP. O investimento previsto é de R$ 2 bilhões e deve adicionar uma capacidade de 164 mil m³ de biocombustível por ano. A previsão é de que as plantas entrem em operação em 2024.

Equatorial (EQTL3

A Equatorial (EQTL3) informou que concluiu a operação de venda da totalidade de sua participação societária na Gera Maranhão para a Vulcan Fundo de Investimento e Participações Multiestratégia, por R$ 88,1 milhões, após correção por CDI desde janeiro. A operação marca a saída da companhia do segmento de geração térmica, em linha com o planejamento estratégico da empresa.

A elétrica também adiou a divulgação do seu balanço do dia 11 de maio para o dia 16 de maio.

Procurando uma boa oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje.

Compartilhe