Rumos opostos na Bolsa

Por que a ação do Magazine Luiza (MGLU3) despencou 18% e da Americanas (AMER3) saltou quase 6% após os balanços do 3º tri?

Desempenho pior do canal físico e queda da rentabilidade pressionaram Magalu, enquanto Americanas já mostra sinais de avanço de integração

Por  Lara Rizério -

SÃO PAULO – Assim como nos últimos meses, as ações das empresas expostas ao e-commerce têm registrado nesta sexta-feira (12) um pregão de forte volatilidade. Contudo, vale destacar, na sessão específica, o movimento entre elas têm sido extremos e em rumos opostos, com o Magazine Luiza (MGLU3) vendo suas ações desabarem mais de 10% e a Americanas (AMER3) saltarem após o resultado do terceiro trimestre de 2021.

Oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje. Assista aqui!

Os papéis do MGLU3 fecharam na mínima do dia, em baixa de 18,32%, a R$ 11,15, perdendo quase R$ 16,7 bilhões em valor de mercado. Já AMER3 fechou com alta de 5,83%, a R$ 37,40, ainda que longe da máxima, após ter chegado a disparar 11,66% e ter subido mais de 10% em boa parte da sessão.

O Magazine Luiza  divulgou os seus números do terceiro trimestre de 2021 com um lucro líquido ajustado de R$ 22,6 milhões, uma queda de 89,5% em relação aos R$ 215,9 milhões registrados em igual período do ano passado. Mas, mais do que isso, a diminuição na rentabilidade e a desaceleração das vendas impactaram a visão dos analistas sobre o resultado, além da perspectiva de persistência de um quadro econômico mais desafiador.

“Decepcionado, mas não surpreso”, afirmou o Credit Suisse em relatório, destacando que o Magalu apresentou uma piora na dinâmica de receita em seu canal físico, com as vendas mesmas lojas mostrando uma performance negativa pior do que a esperado. A queda neste conceito foi de 14,6% em base anual, ante projeção de baixa de 9% do banco, enquanto o online ficou um pouco acima do esperado com o estoque próprio (1P) avançando em 7% na base anual em termos de vendas brutas de mercadoria (GMV) e o marketplace em alta de 67% na comparação anual.

“A rentabilidade também deixou a desejar com margem Ebitda ajustada de 4,1% (ante dado anterior de 6,8%), mesmo excluindo as provisões”, aponta o Credit. “Em suma, consideramos o resultado negativo”, afirmaram os analistas Victor Saragiotto e Pedro Pinto.

A XP, por sua vez, destacou que o Magazine Luiza reportou resultados mistos, com uma performance sólida no online mas margens pressionadas.

Apesar das vendas impulsionadas pelo marketplace, as vendas das lojas físicas apresentaram queda de 8% na base anual, impactadas pela deterioração macroeconômica.

Em coletiva com jornalistas, Frederico Trajano, presidente da companhia, ressaltou que a maior margem segue no mundo offline, sendo ele bastante impactado pela economia, o que afetou também os números da empresa.

A companhia sinalizou uma continuidade de uma perspectiva desafiadora no canal por conta do macro, mas acredita que a dinâmica do marketplace deve seguir robusta.

Em relação à rentabilidade, a margem Ebitda caiu 2,5 pontos percentuais na base anual, devido a uma margem bruta pressionada pela maior participação do e-commerce (72% das vendas, alta de 6 pontos na base anual) e inflação de custos logísticos. Enquanto isso, houve um aumento de despesas de marketing no e-commerce e a performance das lojas físicas levou a uma menor diluição de despesas operacionais.

A receita líquida totalizou R$ 8,61 bilhões, crescimento de 3,7% e queda de 4,5% nas bases anual e trimestral, respectivamente. Os números vieram levemente abaixo das expectativas do consenso de mercado, que giravam em torno dos R$ 8,7 a R$ 8,8 bilhões.

A Levante Ideias de Investimentos, por sua vez, traça um paralelo com o resultado da Via (VIIA3) divulgado na noite da última quarta-feira (10) e que fez a ação desabar, bastante influenciada pela provisão trabalhista com fortes impactos para os seus números. Além da provisão, a Levante ressalta qeu houve um dado fraco de crescimento de GMV Bruto – que engloba o total de vendas realizadas diretamente pela companhia online (1P), pelos parceiros que vendem no marketplace (3P) e as vendas físicas – totalizando R$ 11,075 bilhões, crescimento de 5,7% na comparação anual, mas queda de 2,9% na comparação trimestral.

Para os analistas da casa de research, guardadas as devidas peculiaridades, os resultados de Magalu e Via obedeceram a uma dinâmica relativamente parecida. O fraco crescimento do GMV e das receitas reflete um macro mais desafiador para as varejistas (elasticidade renda da demanda, crédito, inflação) além do aumento da concorrência na indústria. “A base de comparação também tem ficado cada vez mais desafiadora, já sob a dura marca d’água do varejo digital no contexto pós pandemia”, avaliam.

A Levante ressalta que a questão do passivo trabalhista em Via é um ponto de distinção relevante, mas também aponta que o Magalu apresentou quase R$ 400 milhões em provisão adicional para estoques (aproximadamente 5% do estoque médio no período). “Aparentemente, a companhia preparou o balanço para queimar parte do seu estoque na Black Friday”, ressalta a equipe de análise.

Sobre a Black Friday, por sinal, o Magalu ressaltou ver o evento como “do produto premium”, ou seja de maior valor agregado, em que a variação de preço e o impacto da inflação são menores. “O impacto da inflação de alimentos é maior nas camadas mais baixas. O impacto da inflação de alimentos e de produtos atinge menos as camadas mais altas”, apontou em coletiva Frederico Trajano, CEO da varejista.

Voltando aos números do terceiro trimestre, o ponto animador para a Levante também foi o crescimento do marketplace em cima de uma base muito forte, mas ainda “nos parece insuficiente para completar a ‘metade cheia’ do copo deste tri”.

Para o BBI, que destacou a decepção com o Ebitda em meio ao cenário macro mais desafiador e pressões inflacionárias por conta de gargalos na cadeia de suprimentos global, avaliou que os problemas devem continuar no quarto trimestre e, potencialmente, em 2022, o que o levou a reduzir suas estimativas, em 5% no caso do Ebitda.

Calcule sua renda com dividendos
Baixe uma planilha gratuita que mostra o retorno com dividendos de uma carteira de ações:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.

Em se tratando de iniciativas estratégicas, o Bradesco BBI diz que há progressos. Apesar disso, aponta que preocupações quanto a demanda e lucratividade devem continuar a prejudicar as ações. Por isso, mantém avaliação neutra e preço-alvo de R$ 17, ainda um potencial de alta de 25% frente o fechamento de quinta-feira (12).

“Cenário desafiador”

Em teleconferência com analistas, o Magalu ainda destacou algumas iniciativas. Frederico Trajano destacou que a companhia terminou o terceiro trimestre com um giro de estoque de produtos de 100 dias ante um nível que considera saudável de 70 e pretende escoar esse excesso entre a Black Friday e sua tradicional promoção de início de ano.

O inventário extra fez a empresa registrar a provisão de R$ 395 milhões, que contribuiu para a queda do lucro. “Não estávamos esperando a desaceleração que houve nas vendas das lojas físicas no terceiro trimestre e acabamos com estoque maior”, afirmou o CEO.

O Magazine Luiza, cujas lojas físicas vendem notadamente produtos eletrodomésticos e eletroeletrônicos cujos custos variam fortemente com o câmbio, chegou a apostar que teria venda mais aquecida no segundo semestre, disse Roberto Rodrigues, diretor financeiro.

Ele afirmou que a empresa estava otimista diante do andamento dos programas de vacinação e retirada de medidas de isolamento social, algo que poderia fomentar o fluxo de clientes nas lojas físicas, muito embora o cenário econômico no país já viesse se deteriorando, com aumento de inflação e juros e desvalorização do real.

Trajano reconheceu que, no “curtíssimo prazo”, a situação das lojas físicas da empresa, que trabalham em sintonia com a plataforma de comércio eletrônico da companhia, continuará “desafiadora”, mas que isso não é motivo para a empresa mudar seu modelo de negócios.

“Acredito que continuaremos em um cenário mais desafiador ainda…Mas temos um histórico de nos recuperarmos de momentos difíceis”, disse o presidente do Magazine Luiza. “Não é problema de modelo de negócio, é problema macroeconômico”, acrescentou. O executivo apontou ainda que a varejista continuará investindo em novas categorias de produtos para ampliar a recorrência de compras dos clientes de sua plataforma digital.

Americanas: reestruturação dando frutos? 

Enquanto o Magalu tem forte baixa, a ação da Americanas tem uma disparada. Mais do que a alta do lucro de R$ 568%, que foi em grande parte explicada pela correção monetária do ICMS na base de cálculo do PIS/Cofins, que somou R$ 246,6 milhões no balanço, as sinalizações de que os ganhos da combinação dos ativos digitais e físicos começaram a aparecer nos resultados reforçaram uma visão mais positiva.

A XP destaca que a Americanas viu seu GMV total subir 24% na base anual (acima de seus pares), puxado pelo crescimento de 30% do GMV online e também por uma melhora da performance das lojas físicas.

O Credit ressaltou que o resultado foi muito alinhado com a expectativa do mercado, com alta de 6% das vendas nas mesmas lojas, um pouco acima dos 5% estimados pelo banco, e ainda lembrando que 18,4% da área de vendas ainda estava com restrição. Contudo, o marketplace avançou 30%, cerca de 5% abaixo da estimativa do Credit.

Oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje. Assista aqui!

Um outro ponto de destaque ficou para a rentabilidade, que apresentou melhora frente o segundo trimestre de 1,4 ponto percentual, para 11,8%, ainda que com queda de 2,5 pontos na comparação anual. O Ebitda ajustado, de R$ 743 milhões, por sua vez, teve alta de 13,8% na comparação trimestral e praticamente estável frente o mesmo período de 2020.

No geral, o BBI apontou o resultado como positivo, com o GMV online ficando acima de Mercado Livre (MELI34) e Magalu pela primeira vez em um ano. O banco espera que esse desempenho se acelere no quarto trimestre de 2021 por conta da base de comparação mais fraca.

Desafios e oportunidades para o setor

Para os analistas do BBI, a diversificação do mix online da Americanas deve ser uma vantagem rumo à Black Friday neste ano por conta do enfraquecimento da demanda por itens mais caros.

Porém, o banco diz que continua cauteloso quanto ao setor de e-commerce no Brasil por conta dos desafios de curto prazo. No caso da Americanas, enxerga ainda um espaço limitado de alta em relação ao seu preço-alvo atual, de R$ 39 (um potencial de alta de apenas 10% frente o fechamento da véspera). Assim, o banco mantém recomendação neutra para o papel.

Traçando um panorama geral para o setor, a XP ressalta que mesmo diante de um trimestre marcado pela forte base de comparação e maior competição, os canais online das companhias continuaram a crescer na comparação anual.

Olhando para a métrica de GMV online, a Via reportou um crescimento de 33% na base anual, acima de Americanas (alta de 30%), Magalu (alta de 22%) e Mercado Livre (alta de 28%), impulsionada pela contínua aceleração de seu marketplace
(com alta de 133%). Porém, no varejo físico, o GMV permanece abaixo dos níveis de 2019 mesmo diante da retomada das atividades e maior circulação de clientes para a Via (queda de 9%) e Americanas (baixa de 3%), sendo a Magalu a exceção (alta de 9%).

Já em relação à rentabilidade, Magalu apresentou a pior margem Ebitda (4,1%) e Americanas (11,8%) registrou a melhor, enquanto todas as companhias queimaram caixa no trimestre. Via, Americanas e Magalu tiveram queimas de caixas respectivas de R$ 830 milhões, R$ 635 milhões e R$ 270 milhões, decorrente do reforço nos níveis de estoque para a temporada de compras de fim de ano.

Os analistas da XP possuem recomendação equivalente à neutra para as três ações, com preço-alvo de R$ 10 para o papel VIIA3 (ainda um potencial de alta de 62% em relação ao fechamento da véspera), de R$ 45 para AMER3 (upside de 27%) e de R$ 18 para MGLU3 (upside de 32%).

Já o Credit segue com recomendação equivalente à compra tanto para Magalu, com preço-alvo de R$ 15, e para AMER3, com preço-alvo de R$ 42, enquanto reduziu a recomendação para a ação da Via na véspera para equivalente à venda em meio aos passivos trabalhistas.

Os analistas do banco apontam reconhecer que o curto prazo seria difícil para as empresas de e-commerce no Brasil, dado o
desafios impostos pelo ambiente macroeconômico e difíceis bases de comparação, sendo que os resultados apresentados não mudaram drasticamente a visão.

Ainda assim, acreditam que vale a pena destacar alguns fatores que poderiam suportar uma melhoria lenta e gradual nas lojas físicas. A demanda por eletrônicos e eletrodomésticos deve permanecer fraca; no entanto, aponta que a Black Friday a não enfrentará restrições de mobilidade como foi o caso em 2020, apoiando a demanda.

“Nesse sentido, nossas conversas recentes com participantes da indústria foram surpreendentemente melhores do que
estávamos inicialmente esperando. Em geral, nossas verificações de canal mostraram um bom desempenho online no
nas últimas semanas”, avaliam.

Operadores logísticos terceirizados têm visto um aumento importante na demanda de transporte, que, se traduzido em um crescimento GMV da mesma magnitude, representará uma superação das expectativas do mercado, apontam. Assim, reiteram a visão mais positiva tanto para Magalu quanto para Americanas, que têm enfrentado um ano difícil na Bolsa.

As ações do Magazine Luiza estão entre os piores desempenhos do Ibovespa em 2021, com queda de cerca de 55%. Via recua em torno de 60% e Americanas perde cerca de 50 no ano%.

(com informações da Reuters)

Calcule sua renda com dividendos
Baixe uma planilha gratuita que mostra o retorno com dividendos de uma carteira de ações:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.
Compartilhe