Relação ganha-ganha

Parceria entre Cogna e TIM para ensino pelo celular: o que as duas empresas têm a ganhar?

Cogna pode traçar novas avenidas de crescimento, enquanto a TIM explora o seu maior ativo, a sua base de clientes

SÃO PAULO – O anúncio de uma parceria ganhou destaque no noticiário corporativo na noite da última quarta-feira (8).

A Kroton, empresa de ensino superior do grupo Cogna Educação (COGN3) e a operadora TIM (TIMS3) anunciaram uma associação para criar uma nova companhia que fará a oferta de cursos de Ensino à Distância (EaD) pelo celular.

De acordo com o comunicado, haverá mais de 400 opções de cursos livres e mais de 250 de graduação e pós-graduação. Esta nova empresa usará a plataforma da Ampli, criada pela Kroton no ano passado com um investimento de R$ 240 milhões, e que tem 15 mil alunos matriculados.

A marca busca a base de 50 milhões de clientes da TIM para crescer. A Kroton estima que poderá elevar em 20% sua captação anual de alunos em EaD, que superou os 400 mil alunos em 2020. O valor da mensalidade da graduação na Ampli é de R$ 150.

O comunicado informa ainda que por meio de um mecanismo de remuneração baseado em objetivos a TIM poderá se tornar acionista minoritária com até 30% do capital da nova empresa dependendo de quantos alunos conseguir captar.

Segundo a TIM, “no plano definido, há a expectativa de a Ampli buscar no futuro um IPO (oferta pública inicial de ações)”.

Conforme aponta a Guide, o anúncio é positivo, pois permitirá que a Cogna atue na extensa base de clientes da TIM (cerca de 50 milhões de usuários), possibilitando que a companhia aumente sua base de alunos no segmento EAD. A equipe de análise avalia que o grupo deve começar a se beneficiar com a reabertura da economia a partir do segundo semestre.

A Levante Ideias de Investimentos também destaca que a notícia é positiva para ambas as companhias.

A TIM começa a explorar melhor um de seus principais ativos, sua vasta base de clientes. Para a companhia, o acordo representa sua segunda parceria neste modelo, sendo a primeira com o banco digital C6 realizada no ano passado.

PUBLICIDADE

O acordo com o banco possibilita que a TIM fique com até 15% do banco digital e, desde então, já originou mais de 2,8 milhões de contas. Em breve a companhia deve anunciar mais uma parceria no setor de saúde.

Já do lado da Cogna, ela consegue um forte canal de vendas para intensificar seus esforços de digitalização. A companhia de educação ainda foca em novas avenidas de crescimento.

Isso em um cenário em que o seu principal negócio, o ensino superior presencial, vem sofrendo desde o encerramento de um programa de financiamento estudantil mais forte por parte do governo em 2018 e também devido à elevada taxa de desemprego. A pandemia do coronavírus representou um forte revés ainda para os números da companhia.

Contudo, vale destacar que, apesar da notícia ser considerada positiva, a maior parte dos analistas segue cética com as ações da Cogna: de treze casas que cobrem o ativo, onze possuem recomendação neutra e duas possuem recomendação de venda.

Em recente análise, o Itaú BBA avalia que o setor de educação em geral pode seguir lutando com uma menor entrada de novos alunos enquanto as restrições à pandemia continuarem afetando o Brasil, potencialmente impactando o lucro até o final do ano.

Ao realizarem uma análise estimando os passos para a recuperação da taxa de matrícula, os analistas veem que, do ponto de vista relativo, a Cogna terá um caminho mais difícil para se recuperar e voltar aos níveis pré-pandêmicos, de 2019, além de destacarem o elevado grau de endividamento. Assim, possuem atualmente recomendação neutra para os ativos COGN3, com preço-alvo de R$ 6 por papel (ainda que um valor cerca de 44% do fechamento da véspera, de R$ 4,17).

Os economistas do Bradesco avaliam que o setor de educação está em recuperação, mas a captação de alunos ainda é um desafio. No ensino básico, a demanda tem apresentado alguma melhora e, como consequência, os ajustes das matrículas e as renegociações de parcelas cessaram. No ensino superior, a captura de alunos ainda é um grande desafio, mas a recuperação da atividade e do emprego devem impulsionar o segmento nos próximos trimestres, ainda que de forma gradual, apontam.

Assim, mesmo com a notícia positiva, a sessão desta quinta-feira (8) é de queda para as ações da Cogna, com baixa de 1,44%, a R$ 4,11, acumulando perdas de cerca de 11% no ano. O papel TIMS3 também tem perdas, até mais expressivas, de 2,58%, a R$ 11,34.

PUBLICIDADE

A sessão é negativa para o Ibovespa, com baixa de cerca de 1% para o índice, com os investidores repercutindo principalmente as preocupações sobre a retomada global em meio às novas variantes do coronavírus. O cenário impacta principalmente ações de empresas bastante atreladas à recuperação econômica, como as de educação. A Cogna está dando passos em busca de novas alternativas de crescimento, mas ainda inspira cautela para os investidores.

Quer trabalhar como assessor de investimentos? Entre no setor que paga as melhores remunerações de 2021. Inscreva-se no curso gratuito “Carreira no Mercado Financeiro”.