Otimismo

Opções de Ethereum batem recorde com traders especulando atualização

O número de contratos de opções abertos atingiu 4 milhões

Por  CoinDesk -

O número de contratos de Ethereum (ETH) abertos no mercado de opções atingiu um recorde de 4 milhões, segundo dados da empresa suíça de análise de derivativos Laevitas, que acompanha a movimentação das principais exchanges. O pico anterior, de cerca de 3,5 milhões, foi registrado no segundo trimestre. Contratos abertos são aqueles que ainda não foram liquidados.

O cenário positivo se deve à empolgação gerada pela atualização conhecida como “Merge” (Fusão, em português), importante upgrade que mudará o mecanismo de consenso do Ethereum de prova de trabalho (proof-of-work, ou PoW) para o sistema de prova de participação (proof-of-stake, ou PoS). A data prevista para isso acontecer é 19 de setembro.

“A mesa negociou uma quantidade incrível de opções de compra (call) de ETH nesta semana, mais de 250.000 ETH nocionais”, observou a empresa de trade de opções QCP Capital.

“Alguns hedge funds têm sido grandes compradores de calls de ETH e a altíssima demanda elevou os volumes de setembro em 100%”, disse a empresa. “Esperamos que essa demanda continue à medida que nos aproximamos da fusão em setembro”, acrescentou.

Martin Cheung, trader de opções da Pulsar Trading Capital, falou para a reportagem que “há grandes players no vencimento de setembro e dezembro, apostando em uma vantagem no ETH”.

Recentemente, o spread entre os preços pagos pelas opções de venda (put) em relação às opções de compra diminuiu acentuadamente, indicando uma demanda renovada por calls, em movimento considerado por especialistas como positivo.

Uma opção de compra dá ao comprador o direito, mas não a obrigação, de comprar o ativo subjacente a um preço predeterminado em (ou antes de) uma data específica. Um comprador de calls está implicitamente otimista com o mercado. Uma opção de venda, por outro lado, representa uma aposta de baixa.

A euforia em torno do Ethereum voltou desde que Tim Beiko, desenvolvedor do projeto, anunciou o dia 19 de setembro como uma data provisória para a conclusão da atualização da fusão. Como o nome sugere, a mudança envolve a união da atual blockchain do Ethereum com uma rede paralela do projeto, chamada Beacon Chain, que está em execução desde 2020. A transição é considerada otimista para a criptomoeda.

Leia mais: 

“Somos grandes fãs do Ethereum como um ativo. Ultimamente, estamos otimistas com a ideia de que a fusão criará uma onda de valorização dos preços depois de criar uma forte pressão deflacionária (na forma de demanda estrutural)”, escreveu Jack Niewold, fundador do boletim Crypto Pragmatist, na edição de quarta-feira (27).

“Enquanto a inflação nas economias globais permanece em níveis altos, o ETH provavelmente se tornará a maior moeda deflacionária [após a fusão]”, disse Lucas Outumuro, chefe de pesquisa da IntoTheBlock, em um relatório publicado em 23 de julho. “A quantidade de ETH emitida cairá aproximadamente 90%, pois o ativo não será mais necessário para incentivar os mineradores”.

O Ethereum era negociado a US$ 1.620 no momento da redação deste texto. No mês, o criptoativo registrou alta de 50%, de acordo com dados do CoinDesk.

Até onde as criptomoedas vão chegar? Qual a melhor forma de comprá-las? Nós preparamos uma aula gratuita com o passo a passo. Clique aqui para assistir e receber a newsletter de criptoativos do InfoMoney

Compartilhe