Em mercados

As reações de líderes mundiais à eleição de Trump nos EUA

Putin parabeniza Trump e premier italiano deseja “bom trabalho” ao presidente eleito

Trump - Bloomberg
(Andrew Harrer/Bloomberg News.)

O presidente russo, Vladimir Putin, parabenizou na manhã de hoje (9) o magnata republicano Donald Trump por sua eleição à Casa Branca. Em pronunciamento que já era esperado, pois Putin explicitamente torcia para Trump derrotar a democrata Hillary Clinton, o líder russo comentou "que as relações entre o seu país e os Estados Unidos poderão sair da crise", segundo informações são da Agência Ansa.

Putin enviou um telegrama a Trump, que foi eleito o 45º presidente dos Estados Unidos na madrugada de hoje, com 288 delegados no colégio eleitoral, 18 a mais do que o necessário para assumir a Casa Branca. O russo afirmou "estar seguro no diálogo entre Moscou e Washington, que deve se basear no respeito recíproco, atendendo aos interesses dos dois países", divulgou o Kremlin. Os Estados Unidos e a Rússia são os maiores adversários políticos no cenário internacional, em um conflito ideológico e de interesses que perdura desde a Guerra Fria (1945-1991). 

Durante toda a campanha eleitoral à Casa Branca, Putin e Trump trocaram elogios. "Ele representa os interesses das pessoas comuns, que criticam aqueles que estão há anos no poder, gente a quem não agrada a transferência do poder por herança", disse Putin meses atrás, em uma clara referência à Hillary, mulher do ex-presidente Bill Clinton.

A Duma, que compõe o Parlamento russo, recebeu com aplausos a notícia da eleição de Trump. “As atuais relações russo-americanas não podem ser chamadas de amigáveis. Esperamos que se possa instaurar um diálogo mais construtitvo entre os dois países após a posse do novo presidente”, comentou o líder da Câmara Baixa russa, Vyacheslav Volodin.

O primeiro-ministro da Itália, Matteo Renzi, também parabenizou Trump e desejou "bom trabalho" ao novo líder da Casa Branca.  

"O mundo saúda a eleição de Trump. Em nome da Itália, eu o parabenizo e desejo um bom trabalho, convicto de que a amizade permanecerá forte e sólida", disse o premier.

Muito próximo de Barack Obama, Renzi fez diversas manifestações públicas a favor da candidata derrotada Hillary Clinton. Hoje, ele reconheceu que a eleição do magnata gerou "um fato político novo que, junto com outros, [eles] demonstram que nós estamos em uma nova temporada" da política mundial.

Na Bolívia, o presidente Evo Morales reagiu pelo Twitter. Ele disse que nos Estados Unidos “valem mais as armas que os votos” e elogiou as revoluções populares da Venezuela, do Equador e da Nicarágua. 

(Com Agência Ansa)

 

Contato