Em mercados

Ibovespa segue trajetória de recuperação de olho em reunião do FOMC

Após pressão, bolsa brasileira acompanha expectativa de Wall Street acerca de novos estímulos, mas todo cuidado é pouco

SÃO PAULO - Ampliando a trajetória de recuperação observada na abertura, o Ibovespa apresenta forte alta de 3,81% no início da tarde desta sexta-feira (9) e atinge 50.522 pontos, com volume financeiro de R$ 3,822 bilhões às 12h35.

O principal índice da bolsa brasileira segue na esteira de Wall Street, que vivência expectativa de que o FOMC (Federal Open Market Committee) anuncie nesta tarde, às 15h15 de Brasília, novas medidas de estímulo à economia norte-americana, levando inclusive alguns analistas a especularem sobre um eventual QE3 (Quantitative Easing 3).

Cautela
Por outro lado, a situação do mercado ainda é muito delicada, o que faz brotar o risco de que um novo mergulho tenha início nas bolsas internacionais caso haja alguma decepção com a reunião do FOMC. 

Dessa forma, é de ser esperar que a volatilidade ainda impere nos próximos dias, diretamente relacionada ao noticiário fiscal dos EUA, Espanha e Itália, sendo que no caso desses dois últimos o foco fica por conta do comportamento da taxa de juros exigidas junto aos títulos da dívida pública, que finalmente foram contidos na véspera pela intervenção do BCE (Banco Central Europeu).

Altas e baixas
O principal destaque positivo fica com as ações OGX (OGXP3), que registram valorização de 8,70% e são cotadas a R$ 10,00. Apesar dessa variação, a baixa acumulada desde o início do ano chega a -50,00%. Seguido de perto pelas ações do Banco do Brasil (BBAS3), que valorizam-se 6,50% em resposta à surpresa positiva com o lucro do banco no segundo trimestre apresentado nesta manhã.


Por outro lado, o pior desempenho fica com os papéis Marfrig (MRFG3), que são cotados a R$ 8,40 e apresentam forte baixa de 6,87%, pressionadas por operações de saída do papel por parte do fundo GWI.

Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 OGXP3 OGX PETROLEO ON 10,00 +8,70 -50,00 250,09M
 BBAS3 BRASIL ON 24,10 +6,50 -20,58 192,07M
 SANB11 SANTANDER BR UNT N2 13,77 +6,33 -37,11 22,26M
 GOLL4 GOL PN N2 9,69 +6,25 -61,05 15,83M
 TIMP3 TIM PART S/A ON 8,05 +5,92 +21,10 25,16M

 

Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 MRFG3 MARFRIG ON 8,40 -6,87 -45,38 38,92M
 TRPL4 TRAN PAULIST PN 44,23 -1,05 -12,77 1,91M
 LAME4 LOJAS AMERIC PN 13,18 -0,90 -11,77 14,28M
 CIEL3 CIELO ON 40,75 -0,61 +26,64 61,32M
 ELET6 ELETROBRAS PNB EJ 20,86 -0,33 -16,44 7,32M
* - Lote de mil ações
1 - Em reais (K - Mil | M - Milhão | B - Bilhão)


Bolsas internacionais
Os principais índices acionários dos Estados Unidos registram forte alta nesta sessão, em movimento de recuperação após as perdas dos pregões anteriores, por conta do pessimismo dos mercados acerca da recuperação das economias norte-americana e da Zona do Euro.

Entretanto, as bolsas europeias, que até tentaram enasiar trajetória similar, registram forte volatilidade, tendo os principais índices oscilado entre as bandas negativas e positivas do gráfico desde o início da manhã.

Juros e câmbio
As taxas dos principais contratos de juros futuros operam em alta nesta terça-feira, em possível correção após a forte queda da véspera, enquanto o mercado repercute o aumento das chances de que o aperto monetário seja interrompido, com a projeção de que a taxa Selic seja mantida em 12,50% ao final de 2011.

Por fim, o dólar comercial é negociado em alta de 2,64%, a R$ 1,646 embora a expectativa é de que a moeda siga perdendo valor frente às demais divisas internacionais. Por volta das 10h30, a divisa norte americana recuava frente ao euro (-0,62%), a libra (-0,04%), ao iene (-0,53) e ao franco suíço (-1,93%).

 

Contato