Maha Energy prevê fechar acordos para fusão de ativos de PetroReconcavo e 3R no 2º tri

Uma proposta formal de negócio para a combinação de ativos poderá ser apresentada até o fim de fevereiro

Reuters

Publicidade

RIO DE JANEIRO (Reuters) – A sueca Maha Energy tem a expectativa de finalizar negociações e fechar acordos para uma fusão de ativos entre as brasileiras PetroReconcavo (RECV3) e 3R Petroleum (RRRP3) ao longo do segundo trimestre, afirmaram executivos da companhia em videoconferência com analistas nesta quinta-feira.

A 3R comunicou ao mercado na véspera que a Maha comprou 5% de seu capital e propôs uma operação de “carve out” ao conselho de administração da brasileira, incluindo uma sugestão para a combinação dos ativos onshore da 3R com os da PetroReconcavo.

Sob a proposta, que fez as ações das petroleiras brasileiras dispararem, as concessões de petróleo onshore e os ativos de midstream e downstream da 3R seriam combinados com a PetroReconcavo. A 3R manteria ainda o controle de seus ativos offshore (marítimos), e seus acionistas receberiam ações na PetroReconcavo.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“Estamos fortemente convencidos de que este é o caminho natural para criar valor para os acionistas”, disse o presidente do conselho da Maha, Paulo Thiago Mendonça, em videoconferência com analistas.

Uma proposta formal de negócio para a combinação de ativos entre as duas petroleiras brasileiras poderá ser apresentada até o fim de fevereiro, para o início das negociações, disseram executivos da Maha Energy, que prevê a conclusão da operação ainda no terceiro trimestre do ano.

A empresa a ser criada a partir da transação, segundo Mendonça, seria a segunda maior produtora independente de óleo e gás do Brasil, perdendo apenas para a Prio.

Continua depois da publicidade

O passo da sueca visa um movimento de consolidação do mercado, depois que as duas brasileiras compraram nos últimos anos ativos da Petrobras, que durante governos anteriores vendeu bilhões de dólares em campos menores, enquanto focava seus esforços em áreas de maior rentabilidade no pré-sal.

Para os executivos da Maha, o mercado de ações atualmente não avalia adequadamente o valor intrínseco nem da 3R Petroleum nem da PetroReconcavo e há enormes oportunidades a serem capturadas por ambas as empresas em sinergias.

Às 13h35, as ações da PetroReconcavo disparavam quase 13%, enquanto os papéis da 3R saltavam cerca de 8%. O Ibovespa mostrava queda de 0,6%.

Analista do Safra afirmaram em uma “impressão inicial” que o acordo proposto pela Maha “é positivo para os acionistas da 3R.

Os analistas destacaram que o valor patrimonial considerado dos ativos onshore seria quase equivalente ao valor total de mercado atual da empresa e eles acabariam com uma participação de 50% numa operação onshore maior e menos endividada – a empresa combinada -, mantendo a participação na 3R offshore sem dívidas e a um custo virtualmente baixo”.

Eles também veem a transação de forma positiva para a PetroReconcavo, “pois, apesar de incorporar os ativos com prêmio aos múltiplos de mercado…ainda seria inferior ao múltiplo atual da PetroReconcavo”.