IRB Brasil (IRBR3) é alvo em processo arbitral por fundos, Camil (CAML3) aprova JCP e Vale (VALE3) publicará resultados

Confira os destaques do noticiário corporativo desta quinta-feira (16)

Felipe Moreira

Publicidade

O radar corporativo desta quinta-feira (16) traz o ressegurador IRB Brasil (IRBR3) que está sendo alvo de processo arbitral movido por 155 gestoras, no valor de R$ 10 milhões.

O Conselho de Administração da Camil (CAML3), por sua vez, aprovou o pagamento de juros sobre capital próprio (JCP).

A Americanas (AMER3) elegeu Leonardo Coelho Pereira para o cargo de Diretor-Presidente da companhia.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A rede de atacarejo Assaí (ASAI3) apresentou um lucro líquido de R$ 406 milhões no quarto trimestre de 2022, uma queda de 23% frente ao apresentado no mesmo período de 2021.

A operadora da Bolsa B3 (B3SA3) informou um lucro líquido recorrente de R$ 1,15 bilhão no período, queda de 6,3% ante mesma etapa do ano anterior.

A Telefônica Brasil/ Vivo (VIVT3) lucrou de forma líquida R$ 1,126 bilhão no quarto trimestre (4T22), um recuo de 57,2% na comparação com igual período de 2021

Continua depois da publicidade

A temporada de balanços segue a todo vapor, com a divulgação de resultados da Vale (VALE3), Hypera (HYPE3), Lojas Renner (LREN3), Engie (EGIE3) e Sanepar (SAPR11).

Para a Vale, a projeção de receita líquida, segundo o consenso Refinitiv, que traça uma média com as expectativas de várias casas, projeta US$ 11,6 bilhões, o que representaria uma alta de 17,1% frente ao terceiro trimestre, mas uma queda de 7,2% na comparação ano a ano. O consenso do mercado para o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) é de R$ 4,9 bilhões, alta de 7,2% na base trimestral e de 2% no ano. O lucro líquido, por fim, deve ficar em US$ 2,4 bilhões, baixa de 50% no trimestre e de 59% no ano.

Na última linha do resultado, referente ao lucro líquido, os analistas destacam que a Vale deve registrar baixas na comparação trimestre a trimestre, apesar do melhor preço médio do minério. Isso se dá pela companhia ter registrado um efeito não recorrente no período imediatamente anterior. Uma reclassificação de variação cambial somou US$ 1,5 bilhão ao último balanço publicado.

Confira mais destaques:

Camil (CAML3)

O Conselho de Administração da Camil (CAML3) aprovou a distribuição de Juros sobre capital próprio (JCP), no valor bruto de R$ 25 milhões, correspondente ao valor bruto unitário de R$ 0,071487089 por ação ordinária. Terão direito ao JCP todos os acionistas detentores de ações na data base de 22 de fevereiro. O pagamento ocorrerá em 3 de março.

IRB Brasil (IRBR3)

O IRB Brasil (IRBR3) informou que está sendo alvo de processo arbitral movido por 155 gestoras, no valor de R$ 10 milhões. O motivo é que as empresas alegam que as ações detidas por elas sofreram forte desvalorização, que teria se iniciado em 2 de fevereiro de 2020, em decorrência de alegada divulgação de informações falsas ou enganosas sobre os resultados da companhia e de sua base acionária.

Os investidores buscam a condenação da companhia por danos e perdas relacionados à forte desvalorização de suas ações, iniciada em fevereiro de 2020, após a gestora Squadra anunciar que estava vendida em IRBR3 por inconsistências nos números dos balanços do ressegurador.

Em junho do mesmo ano, as fraudes nas demonstrações financeiras da empresa foram reveladas e os balanços de 2019 e 2018 tiveram que ser refeitos, gerando uma redução de lucro de mais de R$ 600 milhões. Na época, a PwC era a responsável por auditar a contabilidade do IRB.

Entre os requerentes estrangeiros do procedimento arbitral, estão fundos das gestoras norte-americanas Fidelity e The Charles Schwab Corporation, além do banco State Street. O GIC Private Limited, fundo soberano de Cingapura, também se encontra na lista.

Nexpe ([ativo=NEXP3])

A Nexpe (NEXP3), antiga BR Brokers, informou que Justiça de SP deferiu o pedido de recuperação judicial da companhia e de suas subsidiárias, ingressado no último dia 13.

A ACFB – Administração Judicial, representada por Antonia Viviana Santos de Oliveira Cavalcante, vai atuar como administradora judicial no processo.

Americanas (AMER3)

A Americanas (AMER3) anunciou um novo CEO para o lugar do interino João Guerra. Trata-se Leonardo Coelho, que veio do escritório Alvarez & Marsal, contratado pela varejista para trabalhar em sua reestruturação financeira.

“O Sr. Leonardo Coelho Pereira é um executivo com sólidas e bem-sucedidas experiências em empresas do setor de varejo, assim como em ambiente de consultoria de reestruturação, tendo exercido posições de liderança em empresas dominantes em seus segmentos”, escreveu a varejista, em fato relevante.

Assaí (ASAI3)

A rede de atacarejo Assaí (ASAI3) apresentou um lucro líquido de R$ 406 milhões no quarto trimestre de 2022, uma queda de 23% frente ao apresentado no mesmo período de 2021. No entanto, esse resultado considera efeitos não recorrentes em créditos tributários, especialmente no período usado como comparação. Se desconsiderados esses efeitos, o lucro líquido teria subido 7,3%. No ano de 2022, o lucro líquido foi de R$ 1,2 bilhão, com queda de 24% sobre 2021. Com o mesmo ajuste do lucro trimestral, o indicador mostraria estabilidade frente ao ano anterior.

Já o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado da companhia foi de R$ 1,2 bilhão, alta de 28,6% frente ao ano passado. A margem Ebitda teve leve queda de 0,6 ponto porcentual. A empresa já havia sinalizado ao mercado que, com a compra das lojas de hipermercado do Extra e suas reformas, esse indicador poderia ser afetado, mas, na visão do diretor-presidente da companhia, Belmiro Gomes, o impacto foi menor do que o esperado.

B3 (B3SA3)

A operadora da Bolsa B3 (B3SA3) divulgou seus resultados do quarto trimestre (4T22), informando um lucro líquido recorrente de R$ 1,15 bilhão no período, queda de 6,3% ante mesma etapa do ano anterior. De acordo com a B3, a queda do lucro refletiu o aumento das despesas, principalmente em pessoal e tecnologia. Retirando Neoway, o lucro foi de R$ 1,17 bilhão, ou baixa anual de 4,9%.

O lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (Ebitda, na sigla em inglês) recorrente somou R$ 1,626 bilhão, queda de 1,7% na comparação anual.

CCR (CCRO3)

A concessionária CCR (CCRO3) registrou prejuízo líquido de R$ 217,1 milhões no quarto trimestre (4T22), um aumento de 63% na comparação com igual etapa de 2021.

O lucro líquido mesma base foi de R$ 219,1 milhões entre outubro e dezembro de 2022, alta de 36,3% na comparação ano a ano.

O consenso Refinitiv apontava para lucro líquido de R$ 404,6 milhões no quarto trimestre de 2022.

Já o lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado foi de R$ 1,057 bilhão no 4T22, bem abaixo do consenso Refinitiv de R$ 2,04 bilhões.

Vivo (VIVT3)

A Telefônica Brasil/ Vivo (VIVT3) lucrou de forma líquida R$ 1,126 bilhão no quarto trimestre (4T22), um recuo de 57,2% na comparação com igual período de 2021, informou a operadora de telefonia.

O consenso Refinitiv projetava lucro líquido de R$ 1,068 bilhão no período, queda de 59,36% na comparação anual.

Já o lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (Ebitda, na sigla em inglês) foi de R$ 5,234 bilhões, um avanço de 6,1% frente ao 4T21.

Ultrapar (UGPA3)

A distribuidora Ultrapar (UGPA3) teve lucro líquido de R$ 836,4 milhões no 4T22, alta de 114% frente a mesma etapa de 2021.

O consenso Refinitiv apontava para lucro líquido de R$ 145,85 milhões no período.

Segundo a companhia, o resultado é decorrente principalmente do efeito de créditos fiscais extraordinários na Ipiranga e na Ultragaz e da menor despesa financeira líquida.

Já o lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado foi de R$ 1,833 bilhão, alta de 54% na base anual, enquanto o Ebitda ajustado recorrente totalizou R$ 750 milhões, queda de 29%. O consenso Refinitiv previa Ebitda de R$ 885,39 milhões.

Rumo (RAIL3)

A Rumo (RAIL3) teve lucro líquido de R$ 243 milhões no quarto trimestre de 2022 (4T22), revertendo prejuízo de R$ 384 milhões do quarto trimestre de 2021, informou a companhia logística.

Conforme a empresa, o desempenho foi impulsionado pela melhora dos resultados operacionais e ganho de capital na alienação de participação acionária na EPSA.

Já o lucro antes juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado totalizou R$ 905 milhões no 4T22, um crescimento de 116% em relação ao 4T21.

Neoenergia (NEOE3)

A Neoenergia (NEOE3) reportou lucro líquido atribuído aos controladores de R$ 936 milhões no quarto trimestre de 2022 (4T22), montante 47% superior ao reportado no mesmo intervalo de 2021.

O lucro antes juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado totalizou R$ 2,485 bilhões no 4T22, um crescimento de 18% em relação ao 4T21.

A receita líquida somou R$ 10,921 bilhões no quarto trimestre deste ano, uma redução de 4% na comparação com igual etapa de 2021.

Kepler Weber (KEPL3)

A Kepler Weber ([ativo=KPLE3]) reportou lucro líquido ajustado de R$ 107,2 milhões no quarto trimestre de 2022 (4T22), montante 27,5% superior ao reportado no mesmo intervalo de 2021.

O lucro antes juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado totalizou R$ 156,7 milhões no 4T22, um crescimento de 32,2% em relação ao 4T21.

Banrisul (BRSR6)

O Banrisul (BRSR6) registrou lucro líquido ajustado de R$ 251,1 milhões no quarto trimestre de 2022, aumento de 82,1% frente ao trimestre anterior e 2,7% menor em relação aos R$ 258 milhões do quarto trimestre do ano passado. O retorno sobre o patrimônio líquido (ROAE) caiu para 10,9% no quarto trimestre, de 11,6% no mesmo intervalo de 2021.

Segundo o banco, o resultado do quarto trimestre reflete, principalmente, o crescimento da margem financeira, da carteira de crédito e das receitas de prestação de serviços e tarifas bancárias.

O lucro líquido ajustado em 2022 atingiu R$ 780,8 milhões, representando uma queda de 21,2% frente a 2021. O ROAE cedeu de 11,4% em 2021 para 8,5% no ano passado.