5 assuntos

Inflação e novos lockdowns na Europa elevam aversão ao risco e mais assuntos que vão movimentar o mercado hoje

Confira os 5 assuntos mais relevantes para ficar de olho nesta sexta-feira (19/11/2021)

Por  Equipe InfoMoney -

SÃO PAULO – Os principais índices mundiais operam sem tendência definida na sessão desta sexta-feira (19). Enquanto a temporada de resultados anima, a preocupação com a alta de preços e o aumento dos casos de coronavírus na Europa aumentam a aversão ao risco do mercado, em meio a novos lockdowns no continente e inflação ao atacado disparando na Alemanha.

A sessão também marca o vencimento de opções sobre ações nos EUA e no Brasil, o que pode adicionar ainda mais volatilidade nos mercados. Os investidores em Brasil também monitoram as discussões no Congresso para aprovação da PEC dos precatórios, com a possibilidade de fatiamento da proposta. Confira os destaques:

1. Bolsas mundiais

EUA

Os índices futuros americanos operam sem tendência definida nesta sexta-feira.

Na semana, o Dow perde 0,6%, rumando para sua segunda semana consecutiva de perdas; o S&P ganha 0,5%; e o Nasdaq avança 0,8%.

Até o momento, mais de 90% das empresas integrantes do S&P divulgaram seus resultados, dentre as quais 80% tiveram resultados acima da expectativa, segundo dados da Refinitiv. Assim, as componentes do S&P se encaminham para uma alta de 41,5% no lucro em comparação com o mesmo período do ano anterior.

Na quinta foi divulgado que os novos pedidos de seguro-desemprego durante a semana encerrada em 13 de novembro somaram 268 mil, o menor nível desde março de 2020, e a sétima semana consecutiva de perdas. Economistas ouvidos pela Dow Jones esperavam 260 mil pedidos.

Investidores também se mantêm atentos para a escolha pelo presidente americano Joe Biden do próximo presidente do Federal Reserve, cujo nome em substituição a Jerome Powell deverá ser anunciado neste final de semana. Muitos esperam a nomeação de Lael Brainard, o que poderia abrir espaço para uma política ainda mais expansionista. Isso poderia fazer com que o Fed demorasse mais tempo para elevar as taxas de juros ou desacelerar o ritmo de compra de títulos.

Ainda no radar, a Câmara dos Estados Unidos busca aprovar o programa de infraestrutura de US$ 1,75 trilhão. E o Senado planeja assumir a votação após a volta do feriado de Ação de Graças.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Além disso, após renovado recorde do S&P ontem, atenção hoje para a potencial volatilidade por conta do vencimento de opções nos EUA.

Ásia

As bolsas asiáticas fecharam a sexta-feira com desempenhos variados. Os papéis do Alibaba listados em Hong Kong perderam mais de 10% após a empresa divulgar resultados trimestrais abaixo da expectativa do mercado, com impacto da desaceleração do crescimento da China, impactando o desempenho do índice Hang Seng. Os papéis do Meituan perderam 1,61%; os do Baidu, 3,26%; os do Tencent, 0,16%; os da JD, rival do Alibaba, ganharam 9,1%.

No Japão, investidores aguardam pelo anúncio de um pacote recorde de estímulos, em US$ 488 bilhões.

Europa

Na Europa, o índice Stoxx 600, que reúne as ações de 600 empresas de todos os principais setores de 17 países europeus, operava perto da estabilidade.

O rápido avanço da Covid no continente continua um motivo central de preocupação. Diversos países registram recordes de novos casos diários, fazendo com que imponham medidas parciais de lockdown e implementem regras mais rígidas sobre os não vacinados.

Novo lockdown na Áustria

O dia começava positivo, com as principais bolsas amenizando as altas após a divulgação de informação de que a Áustria vai entrar em lockdown a partir de segunda-feira e que a Alemanha – que já adotou restrições a quem não se vacinou – não descarta adotar medida semelhante.

Os dados e comentários de inflação também estão no radar. Na Alemanha, o índice de preços ao produtor registrou alta de 3,8% em outubro. Também nesta manhã, Christine Lagarde, presidente do Banco Central Europeu (BCE), fez discurso. Lagarde sinalizou que a autoridade monetária não deve apertar as suas políticas face à inflação, visto que podem sufocar ainda mais a economia, dando a entender a continuidade das compras de títulos no próximo ano.

Os preços do petróleo viraram para queda, enquanto os do minério de ferro avançam após a forte baixa da véspera.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Veja os principais indicadores às 7h30 (horário de Brasília):

Estados Unidos

Dow Jones Futuro (EUA), -0,34%
*S&P 500 Futuro (EUA), -0,08%
*Nasdaq Futuro (EUA), +0,37%

Europa

*FTSE 100 (Reino Unido), -0,2%
*Dax (Alemanha), -0,12%
*CAC 40 (França), -0,37%
*FTSE MIB (Itália), -0,92%

Ásia

*Nikkei (Japão), +0,5% (fechado)
*Shanghai SE (China), +1,13% (fechado)
*Hang Seng Index (Hong Kong), -1,07% (fechado)
*Kospi (Coreia do Sul), +0,8% (fechado)

Commodities e Bitcoin

*Petróleo WTI, -1,75%, a US$ 77,63 o barril
*Petróleo Brent, -1,98%, a US$ 79,62 o barril
*Bitcoin, -4,67% a US$ 56.827,19 (em relação à cotação de 24 horas atrás)
*Sobre o minério de ferro: **O minério negociado na bolsa de Dalian teve alta de 2,49%, a 536 iuanes, o equivalente a US$ 83,94

2. Agenda

Brasil

Vencimento de opções sobre ações
12h: Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, faz palestra no evento Meeting News, realizado pelo Grupo Parlatório, em São Paulo

Estados Unidos

10h30: Licenças de construção relativas a outubro

Discursos
12h45: Christopher Waller, membro do Federal Reserve
14h15: Richard Clarida, membro do Comitê Federal do Mercado Aberto do Fed
15h: dados de poços e plataformas de petróleo em atividade pela Baker Hughes

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

3. Covid no Brasil, disparada de casos na Europa, medicamentos e vacinação

Na quinta-feira (17), a média móvel de mortes por Covid em 7 dias no Brasil ficou em 265, alta de 15% em comparação com o patamar de 14 dias antes, segundo informações do consórcio de veículos de imprensa, às 20h. Em apenas um dia, foram registradas 279 mortes.

A média móvel de novos casos em sete dias foi de 8.990, o que representa queda de 9% em relação ao patamar de 14 dias antes. Em apenas um dia foram registrados 12.735 casos.

No total, chegou a 157.474.941 o número de pessoas que receberam a primeira dose da vacina contra a Covid no Brasil, o equivalente a 73,82% da população.

A segunda dose ou a vacina de dose única foi aplicada em 127.422.765 pessoas, ou 59,73% da população. A dose de reforço foi aplicada em 13.210.455 pessoas, ou 6,19% da população.

Reportagem publicada nesta sexta no portal UOL ressalta que, após quase 1,5 ano, a Covid deixou de ser a maior causa de morte no Brasil desde a segunda quinzena de outubro. A análise se baseia em dados de cartórios de registro civil disponibilizados no portal da transparência da Arpen (Associação dos Registradores de Pessoas Naturais).

Desde o fim de abril de 2020 a Covid vinha sendo a principal causa de morte no Brasil, que voltou a ser as doenças cardiovasculares, em especial o acidente vascular cerebral (AVC), assim como ocorria antes da pandemia de Covid-19.

Além disso, o comitê de aconselhamento de vacinas da Alemanha recomendou doses de reforço de Covid-19 para todas as pessoas acima de 18 anos na quinta-feira, em meio a um novo recorde no número de novas infecções diárias por Covid na Europa. Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) fez uma recomendação similar no Brasil.

Segundo informa a agência internacional de notícias Reuters a partir de documentos aos quais teve acesso, líderes nacionais e regionais reunidos na quinta decidiram restringir o acesso a eventos culturais e esportivos e a restaurantes no caso daqueles que não se vacinaram ou não se recuperaram da doença.

Segundo informações do jornal Bild reproduzidas pela Reuters, a Saxônia, que vem sendo a região mais atingida pela quarta onda, cogita medidas como fechar teatros e locais de danças e cancelar shows e jogos de futebol novamente.

Além disso, na quinta a farmacêutica AstraZeneca informou que seu coquetel para a prevenção da Covid Evusheld, aplicado por meio de injeção, foi capaz de reduzir em 83% o risco de que pessoas acometidas pela doença apresentem sintomas por ao menos seis meses, o período em que foi estudado até o momento.

Em nota, o autor do estudo, Hugh Montgomery, professor de medicina intensiva na University College of London afirmou: “O que é importante é que essa proteção em seis meses foi mantida nos participantes de alto risco e/ou imunocomprometidos, apesar do surto da variante Delta”.

Na quinta-feira, a Pfizer informou que o governo dos Estados Unidos deverá pagar US$ 5,29 bilhões por 10 milhões de tratamentos com seu comprimido antiviral experimental contra a Covid-19. O acordo tem quase o dobro do volume do contrato que o governo norte-americano tem com a MSD.

Além disso, reportagem do jornal Folha de S. Paulo afirma que, na quarta-feira, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) enviou uma lista de questionamentos ao Ministério da Saúde sobre a decisão de liberar a dose de reforço de vacinação contra a Covid a todos os adultos.

E também sobre a decisão de aplicar a vacina da Janssen em duas doses e ainda em uma terceira dose cinco meses depois –o imunizante vinha sendo aplicado em dose única. Segundo o jornal, as decisões do ministério pegaram os fabricantes das vacinas de surpresa.

Em nota divulgada na quinta-feira à imprensa, a agência afirmou: “os esclarecimentos solicitados são necessários sob o ponto de vista sanitário, especialmente no que se refere ao monitoramento do uso dos novos esquemas vacinais no Brasil”. E que só conhece discussões sobre a Janssen que tratam da “possibilidade de aplicação de dose de reforço e não de segunda dose como parte do esquema primário de vacinação”.

4. Precatórios, câmbio e desmatamento

Na quinta-feira, o líder do governo no Senado e relator da PEC dos Precatórios na Casa, Fernando Bezerra (MDB-PE), afirmou que o governo pode modificar pontos da proposta e acolher sugestões de senadores visando facilitar a aprovação.

Em entrevista à GloboNews, o senador afirmou que o governo também está aberto para tornar o novo programa de transferência de renda permanente, e não transitório até o final de 2022, como vem sendo aventado no momento. E falou sobre a possibilidade de criar uma comissão mista no Congresso para acompanhar o pagamento dos precatórios, que são dívidas da União às quais não cabe mais recurso.

Na quinta-feira, o ministro da Economia Paulo Guedes previu que todos os candidatos à eleição presidencial em 2022 deverão prometer tornar permanente o Auxílio Brasil em R$ 400. O valor é mais do que o dobro do que a média paga pelo Bolsa Família.

A solução para a PEC dos Precatórios pode passar por uma “PEC Paralela”, com a ideia de buscar a rápida promulgação de pontos da proposta que permitam ao governo iniciar o pagamento dos valores que irão complementar o Auxílio Brasil já em dezembro. O acordo seria para aprovação da mudança do cálculo do teto e a criação de um subteto para o pagamento dos precatórios.

A transformação do Auxílio Brasil em benefício permanente, a criação de uma comissão para avaliar a gestão pública dos precatórios e a vinculação do espaço aberto no teto de gastos ao pagamento do benefício são alguns pontos que devem tramitar como “PEC Paralela”, a ser posteriormente apreciada pela Câmara. Caso o acordo prospere, a votação no Senado e a promulgação da medida seriam feitas já na semana do dia 30, dando prosseguimento ao pagamento do benefício.

Câmbio

Também na quinta, Guedes disse que o dólar está acima do patamar de equilíbrio por conta de brigas e desavenças políticas. Mas disse que esse cenário pode favorecer o Brasil por conta de mais de R$ 500 bilhões em investimentos contratados para os próximos anos. Ele também disse que tem novos acertos em andamento. O ministro disse avaliar que o dólar já esteve artificialmente desvalorizado no passado, o que trazia risco para investidores caso o câmbio voltasse ao equilíbrio.

Desmatamento

Dados divulgados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe)_ apontam que o Brasil registrou entre agosto de 2020 e julho de 2021 o maior nível de desmatamento na Amazônia Legal nos últimos 15 anos. Foram perdidos 13.235 km² de florestas, alta de 21,97% frente ao mesmo intervalo de 12 meses antes. O Pará tem a maior taxa de desmatamento.

Os dados são divulgados pouco após o governo de Jair Bolsonaro (sem partido) se comprometer na COP26 a zerar o desmatamento e reduzir pela metade as emissões de gases estufa até 2030. O desmatamento é uma das principais fontes de emissão de gases estufa do país.

Questionado pelo jornal O Estado de S. Paulo, o ministro do Meio Ambiente Joaquim Leite afirmou que o governo “atuará de forma contundente contra o crime ambiental.

5. Radar corporativo

Alliar ([ativo=ALLR3]) 

A Alliar (ALLR3) comunicou ontem (18), que a MAM Asset Management, gestora de recursos do empresário Nelson Tanure, enviou proposta vinculante direcionada aos acionistas controladores da empresa para aquisição de até a totalidade das ações da companhia detidas pelos acionistas controladores, pelo preço por ação de R$ 20,50.

Segundo comunicado, a Proposta é válida até o dia 26 de novembro de 2021.

Petz (PETZ3)

A Petz (PETZ3) precificou sua oferta subsequente de ações (follow-on, em inglês) em R$ 19,00 por ação. Com base no valor fixado por ação, a operação movimentou R$ 779 milhões. 

Os recursos captados na oferta serão direcionados ao desenvolvimento da plataforma digital da companhia, de tecnologia e logística, a possíveis aquisições e à aceleração de abertura de lojas e hospitais veterinários. O plano da Petz é abrir 50 novas lojas no ano que vem.

Em razão do aumento do capital social, o novo capital social da Petz passou a ser de R$ 1,188 bilhão, dividido em 435.057.914 ações ordinárias.

Dasa (DASA3)

A Dasa (DASA3) comunicou ontem (18) a aquisição de 100% da Mantris. A Mantris desenvolve serviços relacionados à medicina ocupacional e à gestão integrada de saúde.

Em nota, a companhia informou ainda que sua subsidiária, Diagnósticos Maipú por Imágenes, realizou a compra total da empresa Laboratório de Medicina, situada em Buenos Aires, Argentina.

Os valores não foram revelados.

Raia Drogasil (RADL3

A Raia Drogasil (RADL3) aprovou a aquisição da Cuco Health de modo que o valor do preço de compra por quota é superior, em mais de uma vez e meia, ao valor de patrimônio líquido da ação.

Sendo assim, haverá direito de recesso para acionistas que não votaram favoravelmente à aquisição da Cuco Health vai até 20 de dezembro.

O valor do reembolso será de R$ 2,64 por ação.

Ouro Fino (OFSA3)

A Ouro Fino Saúde Animal (OFSA3) adquiriu a totalidade das quotas sociais de emissão da Regenera Medicina Veterinária Avançada, pelo valor de R$ 20 milhões.

Alupar (ALUP11

A Alupar (ALUP11) aprovou o pagamento de dividendos no valor de R$ 70,33 milhões, equivalente a R$ 0,08 por ação ordinária, R$ 0,08 por ação preferencial e R$ 0,24 por unit.

Farão jus ao recebimento destes dividendos os acionistas inscritos nos registros da companhia ao final do dia 27 de abril.

Porto Seguro (PSSA3)

A Porto Seguro (PSSA3) corrigiu valor de juros sobre capital próprio (JCP) informado no final de outubro a ser pago até 30 de maio de 2022.

A remuneração correta é de R$ 0,2773 por ação.

 

CDB com 300% do CDI? XP antecipa Black Friday com rentabilidade diferenciada para novos clientes. Clique aqui para investir agora!

Compartilhe