Fechamento

Ibovespa segue exterior e tem alta de 1,7% apesar de derrocada do petróleo; dólar sobe para R$ 5,18

Índice avança, mas não com tanto ímpeto quanto bolsas americanas, que registraram ganhos de mais de 3%

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Após uma manhã bastante volátil, o Ibovespa se fixou no campo positivo na tarde desta segunda-feira (30), seguindo o desempenho dos índices americanos, que saltaram mais de 3%.

No noticiário, além de acompanhar a luta contra o novo coronavírus, os investidores também ficaram atentos a forte queda do preço do petróleo, provocada pela redução do consumo nos países atingidos pela epidemia mundial do coronavírus.

O barril do Brent recuou 9,5%, ficando em US$ 22,56, enquanto o tipo WTI recuou 6,42%, para US$ 20,13. Ambos fecharam em seus menores valores desde o início de 2002.

Aprenda a investir na bolsa

Especialistas apontam que pesou a falta de sinais de que a disputa entre a Arábia Saudita e a Rússia vá terminar tão cedo. Mas, além disso, o mercado começa a sentir também os impactos das medidas de combate ao novo coronavírus pelo mundo, em especial as quarentenas, que têm reduzido a circulação de pessoas e leva uma forte queda na demanda pelo petróleo.

O benchmark da bolsa fechou com alta de 1,65%, aos 74.639 pontos, com volume financeiro de R$ 19,708 bilhões. Enquanto isso, o dólar comercial teve ganhos de 1,48%, cotado a R$ 5,1787 na compra e R$ 5,1822 na venda, ao passo que o dólar futuro para abril sobe 1,56%, para R$ 5,181.

Em Wall Street, os três índices registraram ganhos expressivos: o Dow Jones subiu 3,2%, enquanto S&P 500 e Nasdaq tiveram alta de 3,3% e 3,6%, respectivamente.

No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2022 caiu 20 pontos-base a 4,18%, o DI para janeiro de 2023 teve baixa de 27 pontos-base a 5,38% e o DI para janeiro de 2025 recuou 23 pontos-base a 6,77%.

Durante a tarde a agência de rating Fitch afirmou em comunicado que revisou a perspectiva do setor bancário do Brasil de estável para negativa “devido à piora da pandemia global de coronavírus”.

Segundo a agência, o choque macroeconômico global por causa da doença impõe “desafios de execução para todos os setores no Brasil”, em um quadro mais complexo e desafiador para as empresas, o setor de varejo e as pessoas físicas.

PUBLICIDADE

No exterior, ontem o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que as medidas de distanciamento social prosseguirão até 30 de abril. Trump descartou o fechamento da cidade de Nova York, mas alertou que “a prioridade número 1 é a vida, a número 2 é a economia”.

Nesta manhã, em entrevista para a Fox News, Trump voltou a ressaltar que nesta semana os Estados Unidos devem começar a usar um novo teste mais rápido para detectar o novo coronavírus. Ele ainda destacou que o pico da doença no país deve acontecer nas duas próximas semanas.

Além disso, o Secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, disse que o governo está disposto a pedir mais dinheiro ao Congresso se o pacote de US$ 2 trilhões já aprovado for insuficiente para conter os efeitos da pandemia do novo coronavírus sobre a economia. Ele mostrou preocupação especial com pequenas e médias empresas americanas, prometendo mais ajuda caso os US$ 377 bilhões previstos no pacote para ajudá-las precise de um reforço financeiro.

Novas projeções na economia…

O mercado reduziu a sua projeção para o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil em 2020, de um crescimento de 1,4% para uma queda de 0,48%, informou na manhã de hoje a pesquisa semanal Focus do Banco Central. O mercado manteve as projeções de crescimento de 2,5% para o PIB brasileiro em 2021 e 2022.

A pesquisa também mostrou que o mercado mudou a projeção para a inflação – medida pelo IPCA do IBGE, de 3,04% para 2,94% ao ano.

Houve também mudança na projeção da taxa básica de juros (Selic), de 3,75% ao ano para 3,50% ao ano. O mercado agora projeta uma Selic ligeiramente mais baixa em 2021, com a taxa de juros em 5% durante 2021 – a projeção anterior era de uma Selic em 5,25% ao ano.

…e na Bolsa

Destacando o forte impacto nos lucros das empresas previstos em 2020 por conta da crise com o coronavírus, a XP Investimentos e o Bank of America cortaram projeções para o Ibovespa para este ano.

A XP diminuiu a estimativa para o Ibovespa de 132 mil pontos para 94 mil pontos ao final de 2020 (o que corresponderia a um potencial de valorização de 28% frente o fechamento de sexta-feira), enquanto o Bank of America cortou a projeção de 130 mil pontos para 87 mil pontos (representando um upside de 18,5% frente sexta-feira).

PUBLICIDADE

Nas últimas semanas, o Morgan Stanley já havia cortado a projeção de 125 mil pontos para 85 mil pontos (veja aqui), o Itaú BBA passou de 132 mil pontos para 94 mil pontos (veja aqui), enquanto a revisão mais drástica ficou com o JPMorgan, que cortou de 126 mil para 80.500 pontos (confira aqui), todos eles agora vendo o índice abaixo dos 100 mil pontos em 2020.

Polêmicas com Bolsonaro

O Twitter apagou duas publicações da conta oficial do presidente Jair Bolsonaro na noite do último domingo (29). No lugar das publicações, feitas na tarde de domingo, aparece a mensagem: “Este tweet não está mais disponível porque violou as regras do Twitter”.

O presidente Jair Bolsonaro divulgou neste domingo um vídeo em que conversa com um vendedor ambulante em Taguatinga, no Distrito Federal. Ele afirma que o povo quer voltar a trabalhar. Ele acabou contrariando a orientação do ministro da saúde, Luiz Henrique Mandetta, que defendeu o isolamento horizontal de forma a evitar a disseminação do coronavírus. Bolsonaro também defendeu a hidroxicloroquina para tratar a Covid-19. Na véspera, Mandetta alertou para os efeitos colaterais do uso do remédio de forma indiscriminada.

Vale destacar que os governadores estudam acionar a Justiça se o presidente levar adiante sua ideia de editar um Decreto-Lei autorizando a abertura do comércio no país, informa a Folha de S. Paulo. “O que os governadores querem é que o presidente assuma a sua responsabilidade de coordenar as ações da saúde pública para salvar vidas humanas”, Rui Costa (PT), governador da Bahia. O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), afirmou que assina hoje decreto ampliando as medidas restritivas.

A divergência entre o discurso de Bolsonaro e o dos governadores e outros segmentos do país também segue sendo monitorada. O discurso do presidente contra o isolamento social ganhou força entre apoiadores e um dos grupos, o Avança Brasil, lançou uma campanha para que os trabalhadores retomem a vida normal nesta segunda-feira, segundo informações do Valor Econômico.

Ainda no radar político, o Senado vota hoje o pagamento de um auxílio emergencial por três meses, no valor de R$ 600, destinado aos trabalhadores autônomos, informais e sem renda fixa. O presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), havia confirmado a data da votação em postagem no Twitter, na última sexta-feira.

Noticiário corporativo

A Klabin anunciou no domingo a aquisição da operação de embalagens e papelão ondulado da International Paper no Brasil, por R$ 330 milhões. Segundo a Klabin, a unidade tem a capacidade de produzir 305 mil toneladas por ano e um market share de 6,6% do mercado brasileiro.

Já a Eletrobras, maior empresa de energia elétrica do Brasil e da América Latina, publicou balanço de 2019 no sábado. A estatal informou um lucro líquido de R$ 3,1 bilhões no quarto trimestre do ano passado, uma retração de 77% sobre igual período do ano anterior. No ano fechado de 2019, o lucro líquido da estatal caiu menos, 20% para R$ 10,7 bilhões.

PUBLICIDADE

Aprendizados em tempos de crise: uma série especial do Stock Pickers com as lições dos principais nomes do mercado de ações. Assista – é de graça!