Números de fechamento

Ibovespa fecha em queda, mas longe da mínima do dia; Banco Inter (BIDI11) e Magazine Luiza (MGLU3) foram maiores baixas

Perspectiva de aumento de juros nos Estados Unidos voltou a diminuir apetite por risco do investidor

Por  Vitor Azevedo -

O Ibovespa acompanhou os índices no exterior e terminou em baixa a sessão desta segunda-feira (10). O mercado segue repercutindo a perspectiva de alta de juros nos Estados Unidos, o que eleva a rentabilidade dos títulos do Tesouro americano e diminui o apetite dos investidores por ativos de risco. O Ibovespa fechou em queda de 0,75%, aos 101.945 pontos.  O volume negociado no dia ficou em R$ 22,7 bilhões, abaixo da média.

Carteira gráfica da XP mantém nomes recomendados para a semana; Vale e Petrobras estão na lista

Na mínima da sessão, o Ibovespa chegou aos 101.037 pontos. O índice mais uma vez acompanhou Nova York, onde as Bolsas também passaram um parte do dia em forte baixa, mas amenizaram perdas. O Dow Jones fechou em queda de 0,45%, a 36.067 pontos; S&P 500 recuou 0,14%, a 4.670 pontos; a Bolsa de tecnologia Nasdaq, que chegou a cair mais de 2% no dia, inverteu sinal e fechou em alta de 0,05%, a 14.942 pontos.

Sobem as apostas sobre um aperto monetário nos Estados Unidos mais rigoroso do que o esperado. Jamie Dimon, CEO do JP Morgan, estima mais de quatro aumentos nas taxas de juros americanas este ano. A previsão é maior que a do Goldman Sachs, que aposta em quatro ajustes este ano.

“A curva de juros brasileira está seguindo a elevação das curvas de juros americana hoje, o que tem aumentado a rentabilidade de títulos do Tesouro e diminuído o apetite por risco”, afirma Jansen Costa, sócio-fundador da Fatorial Investimentos.

Os contratos de DI voltaram a subir hoje: na sessão estendida, os juros para janeiro de 2023 avançaram dez pontos-base, a 12,08%; os contratos para janeiro de 2025 também subiram dez pontos-base, a 11,48%; e o DI para janeiro de 2027 subiu dez pontos-base, a 11,37%.

No mercado de câmbio, o dólar teve mais uma sessão de valorização frente o real. O dólar comercial fechou em alta de 0,76%, a R$ 5,674 na compra e na venda.

Na Europa, as Bolsas os investimentos também acompanharam o sentimento de aversão ao risco. O DAX, da Alemanha, recuou 1,13%, o FTSE, do Reino Unido, caiu 0,53% e o CAC 40, da França, fechou em baixa de 1,44%. O STOXX 600, que conta com companhias de todo o continente, recuou 1,48%.

Após acumular alta de 5% na semana passada, os preços do petróleo fecharam em baixa. O mercado reagiu à perspectiva de normalização da produção no Cazaquistão e na Líbia, dois pólos produtores da matéria-prima que passaram por uma onda de protestos nos últimos dias.

O aumento no número de casos de Covid-19, por outro lado, pressupõe uma queda na demanda, o que pressiona os preços para baixo. O petróleo WTI para fevereiro fechou em baixa de 0,54%, a US$ 78,47; o petróleo Brent para março caiu 0,76%, a US$ 81,13.

Oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje. Assista aqui!

Compartilhe