Pré-mercado

Ibovespa futuro volta a subir, descolado do pré-mercado em NY; dólar recua

Balanços corporativos pautam mercados na última sessão do mês de abril

Por  Mitchel Diniz -

O Ibovespa futuro opera em alta nos primeiros negócios desta sexta-feira (29), descolado do pré-mercado em Nova York. Os investidores continuam repercutindo os resultados trimestrais das empresas enquanto monitoram riscos: guerra na Ucrânia, pressões inflacionárias pelo mundo, aperto de ciclo monetário nos Estados Unidos e avanço da Covid-19 na China.

Às 9h12 (horário de Brasília), o Ibovespa futuro para junho subia 0,93%, aos 111.875 pontos.

O dólar comercial operava em baixa de 0,97%, a R$ 4,891 na compra e R$ 4,892 na venda.

Os juros futuros recuam: DIF23, -0,01pp, a 13,03%; DIF25, -0,04pp, a 11,98%; DIF27, -0,03pp, a 11,80%; DIF29, -0,03pp, a 11,93%.

Em Nova York, o Dow Jones futuro recuava 0,41%, enquanto os futuros do S&P 500 e da Nasdaq caíam, respectivamente, 0,96% e 1,35%.

Nos Estados Unidos, os resultados das big techs impactam o pré-mercado. Destaque negativo para a Amazon, que registrou prejuízo de US$ 3,8 bilhões no primeiro trimestre, ofuscando a Apple, que lucrou US$ 25 bilhões no mesmo período, superando expectativas. No pré-mercado da Nasdaq, a Amazon recua mais de 9% e as ações da Apple também caem, operando em baixa de 2,74%.

A retração do PIB americano no primeiro trimestre não deve mudar o plano de voo do Federal Reserve, que pode subir os juros em 0,5 ponto percentual na reunião da semana que vem. O destaque do dia é a divulgação do PCE, índice de preços do consumo pessoal, dado de inflação usado como parâmetro pelo Fed.

Núcleo da inflação ao consumidor nos EUA avança 0,3% em março na base mensal, em linha com o esperado

As Bolsas europeias avançam após o Produto Interno Bruto (PIB) da zona do euro subir 5% no primeiro trimestre, na comparação anual, em linha com as expectativas. A inflação oficial do bloco, por sua vez, teve variação mensal de 0,6% em abril, levemente acima do esperado – na comparação anual, a alta foi de 7,5%.

Diversos países do bloco divulgaram seus dados simultaneamente: o PIB da Alemanha avançou 0,2%, na comparação com o trimestre anterior, enquanto o da Espanha cresceu 0,3%. O da França ficou estável, decepcionado projeções de alta e o da Itália recuou 0,2%, dentro do previsto.

Os investidores continuam monitorando atentamente a escalada de tensões sobre a guerra na Ucrânia, depois que Vladimir Putin disse que dará resposta “rápida como um relâmpago” aos países que interferirem no conflito.

EUA dizem que Rússia planeja encenar votação falsa de independência em território ucraniano capturado

As Bolsas asiáticas fecham em alta, com o índice de Hong Kong saltando mais de 4%. O Hang Seng foi impulsionado por ações de tecnologia, como Alibaba e Tencent Group. Notícias de que o governo da China prepara medidas para garantir o crescimento econômico do país animaram os mercados. Os chineses lidam com a mais grave onda de Covid-19 desde o início da pandemia e medidas restritivas severas que ameaçam o desempenho da economia.

Mesmo com a recuperação de última hora, abril foi um período difícil para muitas das Bolsas asiáticas e o pior mês em mais de dois anos para muitas delas. Os investidores começarão maio monitorando os impactos da Covid na China, os desdobramentos da guerra da Ucrânia na inflação e o clico de aperto monetário nos Estados Unidos.

Procurando uma boa oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje.

Compartilhe