Conteúdo editorial apoiado por
IM Trader

Ibovespa Futuro sobe seguindo exterior; repercussão do Copom e dados do varejo estão no radar

Reunião de bancos centrais na Europa são alguns dos temas de maior destaque nesta quinta-feira

Felipe Moreira

Publicidade

O Ibovespa Futuro opera com alta nos primeiros negócios desta quinta-feira (14), com investidores repercutindo as sinalizações do Federal Reserve (Fed) e do Banco Central do Brasil enquanto aguardam decisões de juros na Europa.

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil decidiu por mais um corte de 0,50 ponto percentual na Selic, a taxa de juros básicos da economia. A taxa passou de 12,25% para 11,75% ao ano, em nova decisão unânime entre os membros do Comitê.

Já o volume de vendas do comércio varejista no Brasil caiu 0,3% em outubro, após ter avançado 0,5% em setembro (dado revisado para baixo, de 0,6% anterior), segundo dados divulgados nesta quarta-feira (14) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Na comparação com setembro de 2022, houve alta de 0,2% nas vendas, no quinto crescimento consecutivo do indicador.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O consenso Refinitiv projetava crescimento de 0,2% nas vendas no mês e estimava avanço de 1,76% na comparação anual.

Ainda no cenário nacional, o Congresso pode votar nesta quinta-feira a Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2024 (LDO) e os vetos ao arcabouço fiscal, ao Carf e à folha de pagamentos.

Às 9h14, o índice futuro com vencimento em fevereiro de 2024 operava com ganho de 0,39%, aos 132.725 pontos.

Em Wall Street, os índices futuros dos Estados Unidos operam em alta, com investidores repercutindo a decisão do Federal Reserve (Fed) de manter os juros pela 3ª reunião seguida e a sinalização de cortes para o próximo ano.

O Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc) manteve na véspera as taxas de juros num intervalo entre 5,25% e 5,5%, em linha com as expectativas de Wall Street. Juntamente com a decisão de permanecer em espera, os membros do colegiado previram pelo menos três cortes nas taxas de juros em 2024.

Nesta manhã, o Dow Jones Futuro subia 0,22%, S&P Futuro avançava 0,24% e Nasdaq Futuro registrava alta de 0,33%.

Dólar hoje

O dólar comercial operava com baixa de 0,69%, cotado a R$ 4,884 na compra na venda.

O dólar futuro (DOLF24) para janeiro caía 0,59%, indo aos 4,889 pontos.

Enquanto isso, DXY, índice que mede a força do dólar perante à uma cesta de moedas, opera com baixa de 0,48%, a 102,37 pontos.

No mercado de juros, os contratos operavam com baixa, um dia depois do Copom reduzir os juros novamente. O DIF24 opera com baixa de 0,03 pp, a 11,65%; DIF27, -0,03 pp, a 9,67%; DIF29, -0,03 pp, a 10,16%; DIF31 -0,03 pp, a 10,45%.

Exterior

Os mercados europeus operam em alta, com investidores reagindo positivamente ao sinal de que o Fed irá cortar os juros no próximo ano, enquanto aguardam pela decisão sobre juros do Banco Central Europeu (BCE).

A decisão do BCE será seguida de entrevista da presidente do BCE, Christine Lagarde. O consenso do mercado é de manutenção da taxa em 4,50%.

O Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês), por sua vez, decidiu nesta quinta-feira (14) manter sua taxa básica de juros em 5,25%, após concluir reunião de política monetária. A decisão do BoE de manter os juros pela terceira reunião seguida veio em linha com a expectativa de analistas.

Ásia

Os mercados acionários da Ásia compartilharam apenas em parte a animação global com o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) de ontem, após o BC dos EUA manter juros, mas sinalizar cortes em 2024. Houve perdas em Xangai e também em Tóquio, mas a Bolsa de Seul subiu mais de 1% e outras também avançavam, em quadro misto no continente.

A Bolsa de Xangai fechou em baixa de 0,33%, em 2.958,99 pontos, e a de Shenzhen, de menor abrangência, caiu 0,55%, a 1.919,91 pontos. Xangai chegou a mostrar mais força no começo do pregão, na esteira do Fed, porém o impulso não perdurou, com sentimento sobre a China ainda negativo, após uma conferência econômica recente ter desapontado investidores, que aguardavam mais estímulos oficiais.

Na Bolsa de Tóquio, o índice Nikkei caiu 0,73%, para 32.686,25 pontos. A força do iene pressionou ações de exportadoras do Japão, entre elas montadoras. O Nikkei também chegou a subir, mas inverteu o sinal no meio da manhã local, diante do movimento no câmbio. Investidores avaliavam mudanças no gabinete de governo do país, com a saída do ministro da Indústria e do chefe de gabinete.

Já em Seul, o índice Kospi avançou 1,34%, a 2.544,18 pontos. Ações de fabricantes de baterias, microchips e do setor de internet estiveram entre os destaques, com o apetite por risco apoiado pelo Fed. Kakao Corp. subiu 6,7% e Kakaopay, 5,9%.LG Energy Solution teve ganho de 3,1% e SK Hynix, de 4,2%.

Em Hong Kong, o índice Hang Seng registrou ganho de 1,07%, para 16.402,19 pontos.

Commodities

Os preços do petróleo sobem, ampliando os ganhos da véspera, devido a preocupações com Oriente Médio e e sinalização de que o Fed começará a cortar os juros em 2024.

 As cotações do minério de ferro na China fecharam em baixa, ampliando as perdas da véspera, enquanto o mercado digeria a falta de novas medidas de estímulo e dados que mostram empréstimos bancários mais fracos do que o esperado no mês passado.

Os novos empréstimos bancários na China aumentaram menos do que o esperado em novembro em relação ao mês anterior, mostraram dados na noite de quarta-feira, mesmo com o banco central mantém a política acomodatícia para apoiar uma recuperação fraca na segunda maior economia do mundo.

O minério de ferro de referência para janeiro SZZFF4 na Bolsa de Cingapura subiu 0,25%, no entanto, para US$ 133,95 a tonelada.