Pré-mercado

Ibovespa futuro acompanha exterior e opera em alta; dólar recua

Investidores vão acompanhar dados de inflação ao longo da semana e aguardam pela próxima decisão do Fed

Por  Mitchel Diniz -

O Ibovespa futuro começou a sessão desta segunda-feira (6) em alta, acompanhando o movimento positivo do pré-mercado em Nova York e das Bolsas na Europa e na Ásia. Flexibilizações sobre os lockdowns na China marcam o início desta segunda semana de junho, na qual novos indicadores de inflação são esperados.

Relatório Focus: mercado prevê inflação de 8,89% em 2022, aponta boletim parcial

Às 9h25 (horário de Brasília), o Ibovespa futuro para junho operava em alta de 0,57%, aos 112.375 pontos.

O dólar comercial caía 0,45% a R$ 4,757 na compra e na venda.

Os juros futuros operam com viés de alta: DIF23, estável, a 13,44%; DIF25, + 0,01 pp, a 12,43%; DIF27, estável, a 12,30%; e DIF29, +0,01 pp, a 12,39%.

Em um dia de agenda esvaziada nos Estados Unidos, os investidores seguem apostando que o Fed apertará a política monetária agressivamente para combater o aumento da inflação.

A próxima reunião de política monetária está marcada para terça-feira e quarta-feira da semana que vem. O BC americano deve elevar os juros em 50 pontos base. Mas antes disso, tem o indicador de preços ao consumidor americano, previsto para sexta-feira.

O Dow Jones futuro subia 0,85%, enquanto os futuros do S&P 500 e Nasdaq avançavam, respectivamente, 1,14% e 1,59%.

As Bolsas europeias começam semana em alta, mas também mantêm a política de juros no radar. O índice Stoxx 600 subia 0,97%.

O Banco Central Europeu (BCE) se reúne na quinta-feira, mas ainda não deve subir juros no encontro desta semana. A expectativa é que a autoridade monetária inicie os ajustes a partir de julho.

Na semana que vem, além da reunião do Comitê de Mercado Aberto do BC americano (Fomc, na sigla em inglês), o Banco Central da Inglaterra também promove seu encontro periódico para decidir sobre juros – ambos os BC’s devem anunciar novas altas nas taxas.

As Bolsas em Xangai e Hong Kong tiveram as maiores altas em quase dois meses com a retomada gradual das atividades em importantes cidades chinesas, após recentes lockdowns. Ainda assim, o Morgan Stanley afirma que é preciso ter paciência, pois as reaberturas impactam “mais sentimento do que fundamentos”, segundo a Reuters.

Pequim tenta equilibrar crescimento econômico com política de “covid-zero”

Aplicativo da Didi, dona da 99, deve voltar a funcionar na China; ADR da empresa em NY sobe mais de 50%

Paralelo às flexibilizações, o governo chinês deve seguir adotando medidas de estímulo à economia. Outra notícia que animou o mercado asiático hoje foi a sinalização de que o governo de Joe Biden poderá suspender taxas de importação de alguns produtos chineses, conforme reportou o The Wall Street Journal.

Análise técnica por Pamela Semezatto, analista de investimentos e especialista em day trader da Clear Corretora

Ibovespa

“No curtíssimo prazo segue em tendência de alta e em um movimento de consolidação. Na sexta-feira, não rompeu a máxima do candle anterior. Próximo suporte: 109.000. Próxima resistência: 115.000.”

Dólar

“Segue na região de resistência em 4.860 e se mostrar continuidade do candle de sexta, podemos esperar por retomada no movimento de baixa, com próximo ponto de suporte em R$ 4.700. Para pensarmos em altas e possível reversão da tendência de baixa, precisa romper a resistência de R$ 4.860.”

Oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje. Assista aqui.

Compartilhe