Retomada chinesa

Pequim tenta equilibrar crescimento econômico com política de “covid-zero”

Tanto Xangai quanto Pequim disseram na última semana que estão suspendendo restrições amplas e severas à circulação das pessoas e atividades comerciais

Por  Estadão Conteúdo -

Enquanto a China tenta se recuperar dos custosos bloqueios para frear o surto recente de covid-19, uma abordagem de duas vias está surgindo em Pequim: manter a posição do presidente Xi Jinping de controlar rigorosamente as infecções, enquanto dá ao seu número 2, o primeiro-ministro Li Keqiang, a tarefa de consertar a economia. No entanto, a abordagem de tolerância zero de Xi à covid-19 está complicando a missão de renascimento econômico de Li.

Tradicionalmente na China, o primeiro-ministro é responsável pela economia, embora essa divisão de poder tenha sido subvertida durante grande parte da década passada, durante a qual Xi sozinho dominou a tomada de decisões. Li ganhou recentemente um papel econômico maior ao explorar as preocupações dentro das fileiras do Partido Comunista sobre o crescimento vacilante e o aumento do desemprego, dizem pessoas próximas ao governo.

Sinais de uma divergência nas prioridades políticas no alto escalão do poder chinês – com Xi enfatizando a necessidade de manter o curso de controles rígidos do covid-19 e Li enfatizando a importância de obter impulso econômico – confundiram as autoridades locais, expondo rachaduras no poder de Xi.

Agora, o partido parece estar buscando unificar as mensagens. A mídia estatal, firmemente controlada por Xi e seus subordinados, há muito concentra sua cobertura em Xi, mas nos últimos dias também mencionou a agenda econômica de Li, sinalizando um endosso de ambos os objetivos.

“A prevenção e o controle de epidemias são do maior interesse da nação”, afirmou um artigo de primeira página na quinta-feira no Diário do Povo oficial, onde o Partido Comunista telegrafa suas principais prioridades. Mas a primeira página também destacou os esforços de Li para reanimar a economia.

Outro artigo de primeira página descrevendo a recente flexibilização das restrições em Xangai como uma vitória sobre o vírus parecia reconhecer o impacto econômico do bloqueio de dois meses da cidade, dizendo: “Devemos compensar o tempo perdido e as perdas causadas pela epidemia.”

Leia também: Como a China vai retomar a economia após lockdowns

Tanto Xangai quanto Pequim disseram na última semana que estão suspendendo restrições amplas e severas à circulação das pessoas e atividades comerciais, à medida que o surgimento de novos casos de covid-19 se estabilizam. As autoridades também estão relaxando algumas medidas para permitir que fábricas fechadas retomem a produção e reiniciem viagens internacionais.

Mas os bloqueios generalizados podem retornar se os surtos de covid-19 ressurgirem novamente: autoridades e conselheiros do governo dizem que é improvável que Xi abandone a abordagem de covid-zero que definiu os últimos dois anos de sua liderança, em um momento em que ele está buscando um terceiro mandato de cinco anos como principal líder da China.

A permanência do Partido Comunista no poder há muito depende de sua capacidade de proporcionar um crescimento contínuo. Xi entrou em 2022 enfatizando a estabilidade econômica, mas permaneceu inflexível em manter a sua política contra a crise sanitária.

Transforme seu FGTS em investimento: use até 50% do seu FGTS para investir na Eletrobras, a maior empresa de energia da América Latina.

Compartilhe