Enauta (ENAT3) conclui venda de FPSO Atlanta, BTG (BPAC11) e Klabin (KLBN11) aprovam proventos; PRIO (PRIO3) divulgará balanço

Confira os principais destaques do noticiário corporativo desta quarta-feira (2)

Felipe Moreira

Publicidade

O radar corporativo desta quarta-feira (2) traz a Enauta (ENAT3) que conclui o processo de venda do FPSO Atlanta para a Yinson.

Já o BTG aprovou pagamento de juros sobre capital próprio aos acionistas. O Conselho de Administração da Klabin (KLBN11), por sua vez, aprovou o pagamento de dividendos intermediários, no valor de R$ 269 milhões.

A Marisa (AMAR3) elegeu Daniel Charleaux Roque como Diretor Executivo Comercial.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A Cielo (CIEL3)  teve lucro recorrente de R$ 486 mi no 2º tri, alta de 26,8%; empresa pagará R$ 197 mi em JCP.

A Vulcabras (VULC3) teve lucro de R$ 133,8 mi no 2º tri, alta de 41%, e estuda aumentar distribuição de dividendos.

A Marcopolo (POMO4) viu lucro crescer mais de 5 vezes no segundo trimestre, para R$ 140,5 milhões.

Continua depois da publicidade

Depois do fechamento do mercado, saem os resultados trimestrais de Suzano (SUZB3), PRIO (PRIO3),  CSN (CSNA3), CSN Mineração (CMIN3), Dexco (ex-Duratex) (DXCO3), Construtora Tenda (TEND3), Kepler Weber (KEPL3), Taesa (TAEE11), Auren Energia (AURE3) e GetNinjas (NINJ3).

Para a PRIO, a XP espera que a empresa reporte resultados fortes mais uma vez, impulsionados por aumentos sequenciais de produção (quase +50% no trimestre, com um trimestre cheio de Albacora Leste e números fortes do campo de Frade). A queda nas receitas em relação ao trimestre anterior é explicada por menores embarques de petróleo (-2% frente o 1T23), preços da commodity mais baixos e quase um trimestre inteiro de impactos de impostos de exportação de petróleo (estima um custo de cerca de US$ 30 milhões).

Confira mais destaques:

Enauta (ENAT3)

A Enauta (ENAT3) informou que a Yinson Bouvardia Holdings Pte. Ltd. concluiu a aquisição da totalidade das ações da AFPS B.V., empresa proprietária do FPSO Atlanta.

A compra do FPSO Atlanta reflete um valor de US$ 465 milhões da AFPS B.V., na data do exercício da opção, dos quais US$ 86 milhões pagos em caixa e pagamentos diferidos do contrato de EPCI e US$ 379 milhões em financiamento concedido a Yinson por 15 anos.

Adicionalmente, o exercício da opção implica uma redução no desembolso líquido da Enauta até a conclusão da plataforma de aproximadamente US$ 100 milhões.

A Fase 1 do desenvolvimento de Atlanta está prevista para iniciar produção em meados de 2024 através de seis poços. O FPSO Atlanta tem capacidade para processar 50 mil barris de óleo e 140 mil barris de água por dia, e estocar 1,6 milhão de barris de petróleo.

Klabin (KLBN11)

O Conselho de administração da Klabin (KLBN11) aprovou o pagamento de dividendos intermediários, no valor de R$ 269 milhões.

Os dividendos da Klabin serão pagos aos acionistas de papéis ordinárias e preferenciais no valor de R$ 0,0487 por ação. Os investidores das units vão receber R$ 0,24378 por cada papel.

O pagamento dos proventos da Klabin será realizado em 15 de agosto de 2023.

A data de corte é 4 de agosto. Assim, a partir do dia 7 de agosto deste ano, as ações da empresa vão passar a ser negociadas como “ex-dividendos” (sem direito a receber os dividendos).

BTG Pactual (BPAC11)

O Conselho de Administração do BTG aprovou a distribuição de juros sobre capital (JCP) no valor bruto de R$ 0,133814235 por ação ordinária ou preferencial.

Já o valor bruto por Unit BPAC11 referente aos juros sobre capital próprio é de R$ 0,401442705.

Os proventos serão pagos aos acionistas que se encontrarem inscritos nos registros da companhia no final do dia 04 de agosto de 2023, sendo as ações da Companhia negociadas “ex-direitos” a partir de 07 de agosto de 2023, inclusive. O pagamento dos juros sobre capital próprio ocorrerá no dia 15 de agosto de 2023.

BRF (BRFS3)

A BRF (BRFS3) comunicou que sua subsidiária integral BRF GmbH e a Halal Products Development Company (HPDC), uma subsidiária integral do Public Investment Fund (PIF) da Arábia Saudita, cumpriram integralmente, na terça-feira (1), as condições precedentes do acordo de joint venture (JVA).

Com isso, as partes do JVA passam a implementar as formalidades de constituição de uma sociedade na Arábia Saudita, que contará com participação de 70% da BRF e de 30% pela HPDC.

Viveo (VVEO3)

A Viveo fechou em R$ 21,21 o preço da ação em sua oferta subsequente (“follow-on”), informou a empresa em fato relevante enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Assim, a operação totalizou R$ 1,233 bilhão. Desse total R$ 778,348 milhões são referentes à oferta primária e outros R$ 445,410 milhões da oferta secundária.

Com a oferta, a empresa emitirá 36.697.248 novas ações ordinárias. Outras 21 milhões de ações foram vendidas na operação pelo Genoma VI, o que representa um acréscimo de 57,22% em relação as ações inicialmente ofertadas.

Cielo (CIEL3)

A Cielo (CIEL3) registrou lucro líquido recorrente de R$ 486 milhões no 2T23, alavancado pelo desempenho operacional robusto, com novo avanço na margem Ebitda (receita sobre Ebitda) recorrente. O resultado representa um crescimento de 26,8% frente a mesma etapa do ano passado.

Já o lucro antes juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) recorrente totalizou R$ 1,045 bilhão no 2T23, um crescimento de 14,3% em relação ao 2T22.

Iguatemi (IGTI11)

A rede de shopping centers Iguatemi (IGTI11) registrou lucro líquido de R$ 77,3 milhões no segundo trimestre de 2023, revertendo prejuízo de R$ 133,3 milhões de um ano antes.

O resultado foi impulsionado pelo crescimento das receitas com locação de espaços a lojistas e estacionamentos.

O lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (Ebitda, na sigla em inglês) foi de R$ 195,5 milhões, alta anual de 17,3%.

Vulcabras Azaleia (VULC3)

A Vulcabras apresentou um lucro líquido recorrente (que exclui efeitos extraordinários) de R$ 133,8 milhões no segundo trimestre do ano, alta de 40,8% na comparação com igual período de 2023. O lucro líquido societário ficou em R$ 139 milhões, uma expansão de 33,9%.

Marcopolo (POMO4)

A Marcopolo (POMO4) registrou aumento de 424,1% no lucro líquido no segundo trimestre de 2023 em relação a igual período do ano passado, saindo de R$ 26,8 milhões para R$ 140,5 milhões.

Já o lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (Ebitda, na sigla em inglês) foi de R$ 158 milhões, alta anual de 206,2%. Isso levou a uma elevação da margem Ebitda de 7 p.p. (pontos percentuais), para 11,6%.

Alper Seguros (APER3)

A Alper Seguros (APER3) reportou lucro líquido ajustado de R$ 8,2 milhões no segundo trimestre de 2023 (2T23), montante 113,6% superior ao reportado no mesmo intervalo de 2022, informou a seguradora nesta terça-feira (1).

O lucro antes juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado totalizou R$ 19,7 milhões no 2T23, um crescimento de 75,5% em relação ao 2T22.

Movida (MOVI3)

A Movida (MOVI3) anunciou o início de uma nova oferta de aquisição, no valor de até US$ 175,0 milhões de principal, de sustainability linked notes de sua emissão, com remuneração de 5,250% ao ano e vencimento em 2031, garantidas pela Movida e Movida Locação de Veículos.

Segundo fato relevante, a iniciativa visa reduzir o custo médio da dívida da locadora de veículos.

Marisa (AMAR3)

O Conselho de Administração da Marisa (AMAR3) elegeu Daniel Charleaux Roque como Diretor Executivo Comercial. Ele será responsável por todas as atividades relacionadas com a formulação e o desenvolvimento de produtos, sua precificação, assim como pelo planejamento de vendas (incluindo marketing, inovação e sourcing), além de comandar o desenvolvimento do Canal Digital.

Log Commercial Properties (LOGG3)

A Log Commercial Properties (LOGG3) celebrou contrato com o fundo de investimento imobiliário (FII) do BTG Pactual LOGCP para venda de ativos em Aracajú e Londrina, pelo montante de R$ 207,4 milhões.

Os ativos possuem 90.761 m² de área bruto locável (ABL) e margem bruta de 29%.

A liquidação financeira da venda dos ativos se dará da seguinte forma: (i) 51,8% na primeira parcela, recebida na presente data, com o fechamento da transação; (ii) 19,2% na segunda parcela em até 13 meses, contados da presente data, com correção pelo IPCA; e (iii) 29% na parcela final em até 24 meses, a partir da presente data, também com correção pelo IPCA.