Dólar hoje sobe com temor por Petrobras sobrepondo dados favoráveis dos EUA

Presidente Lula demitiu na véspera Jean Paul Prates do cargo de CEO da Petrobras

Equipe InfoMoney

Reprodução / Pixabay

Publicidade

O dólar fechou com leve alta frente ao real nesta quarta-feira (15), depois que notícias sobre a troca de comando da Petrobras (PETR4) levantaram temores de interferência política na estatal, enquanto importantes dados de inflação dos Estados Unidos vieram um pouco abaixo do esperado, impedindo maior valorização da moeda americana.

Apesar do clima doméstico avesso ao risco, o exterior fornecia suporte ao real, e o dólar foi devolvendo gradativamente seus ganhos frente à divisa brasileira a partir das 9h30 (de Brasília), depois que dados mostraram que os preços ao consumidor dos Estados Unidos aumentaram menos do que o esperado em abril.

No entanto, durante a tarde, a moeda norte-americana voltou a registrar leves ganhos ante o real, sugerindo que o desconforto com a condução da Petrobras pelo governo ainda não havia sido superado.

Continua depois da publicidade

O índice de preços ao consumidor subiu 0,3% no mês passado, depois de avançar 0,4% em março e fevereiro, informou o Departamento do Trabalho nesta quarta-feira. Nos 12 meses até abril, o índice teve alta de 3,4%, de 3,5% em março.

Economistas consultados pela Reuters previam alta de 0,4% no mês e de 3,4% no comparativo anual.

O resultado sugere que a inflação norte-americana retomou sua tendência de queda no início do segundo trimestre, em um impulso para as expectativas do mercado financeiro de um corte na taxa de juros em setembro.

Continua depois da publicidade

Os contratos futuros dos juros dos EUA passaram a embutir uma chance de 73% de que a primeira redução na taxa básica do Fed ocorra na reunião de setembro, acima dos 69% de antes do relatório.

Baixe uma lista de 11 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de crescimento para os próximos meses e anos

Qual a cotação do dólar hoje?

O dólar à vista fechou com leve valorização de de 0,12%, a R$ 5,136 na compra e R$ 5,137 na venda. Às 17h38 (horário de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento subia 0,20%, equivalente a 5.143 pontos.

Continua depois da publicidade

Dólar comercial

Compra: R$ 5,136

Venda: R$ 5,137

Dólar turismo

Compra: R$ 5,175

Continua depois da publicidade

Venda: R$ 5,355

Leia mais: Tipos de dólar: conheça os principais e qual importância da moeda

O que acontece com o dólar hoje?

A moeda brasileira não seguiu o desempenho lá fora. No exterior, o índice do dólar contra uma cesta de pares fortes perdia mais de 0,66%.

Continua depois da publicidade

Num geral, quanto mais o Federal Reserve cortar os juros e quanto menos o BC afrouxar a política monetária local, melhor para o real. Isso porque, quanto maior o diferencial de juros entre Brasil e EUA, mais interessante fica a moeda doméstica para uso em estratégias de “carry trade”, em que investidores tomam empréstimo em país de taxas baixas e aplicam esse dinheiro em mercado mais rentável.

No Brasil, a Petrobras informou em fato relevante na terça-feira que recebeu de seu presidente-executivo, Jean Paul Prates, solicitação para que o conselho de administração da estatal se reúna para apreciar o encerramento antecipado de seu mandato como CEO.

Em fato relevante posterior, a empresa afirmou que o Ministério de Minas e Energia manifestou a intenção de indicar Magda Chambriard, ex-diretora-geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), como substituta de Prates.

As notícias derrubaram os papéis da petroleira no pós-mercado da bolsa de Nova York, em meio a riscos para a governança citados por analistas, e o impacto negativo se estendeu para a abertura dos mercados domésticos nesta quarta-feira, com o dólar chegando a avançar cerca de 0,80% apesar do exterior ameno.

Em relatório a clientes, o Goldman Sachs avaliou a mudança no comando da Petrobras como notícia negativa. “Com base em nossas conversas com investidores, acreditamos que o mercado viu o Prates como um bom conciliador entre interesses dos investidores e do governo. Além disso, acreditamos que o anúncio de hoje pode reacender preocupações sobre a potencial intervenção política na empresa”, explicou o banco.

Mais cedo, aliviando um pouco o humor doméstico, o diretor de Política Monetária do Banco Central, Gabriel Galípolo, disse que a autoridade monetária tem a obrigação de manter os juros em patamar suficientemente restritivo para levar a inflação à meta, aparente tentativa de passar credibilidade após temores recentes do mercado de que os diretores do BC indicados pelo atual governo deixariam o perfil do Copom mais leniente a partir de 2025.

Falando em eventos separados, Galípolo e o presidente da autarquia, Roberto Campos Neto, procuraram amenizar discordâncias e reforçaram postura dura para alcançar a meta de inflação.

Na véspera, o dólar à vista encerrou o dia cotado a 5,1300 reais na venda, em baixa de 0,42%.

(com Reuters)