De Cyrela (CYRE3) à MRV (MRVE3): 4 debates sobre as ações de construtoras com a temporada de balanços do 2º tri

Até onde a Cyrela pode ir na Bolsa, a precificação da Resia dentro do grupo MRV, ROE da Direcional e desconto da EzTec estão no radar

Equipe InfoMoney

Publicidade

A temporada de balanços de construtoras ganha força nesta semana e, com isso, os analistas do Goldman Sachs destacaram quatro temas que o banco americano está de olho para as empresas do setor. 

Confira abaixo os temas de destaque, segundo o Goldman Sachs:

1. Cyrela (CYRE3): até onde ela pode ir na Bolsa?

A Cyrela é a ação de construtora com melhor desempenho da cobertura do Goldman Sachs no acumulado do ano, superando o Ibovespa em 80 pontos percentuais (p.p.), levando-a a ser negociada a um retorno de 1,2 vez sobre o valor contábil.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Assim, uma questão-chave dos investidores é até onde ela pode ir.

Embora atualmente a Cyrela seja negociada com um prêmio em relação ao seu valor contábil médio (1,1 vez), os analistas veem que um corte das taxas básicas de juros (Selic) acima do esperado poderia levar a uma forte reação das ações, levando em conta análises de sensibilidade históricas.

Outro ponto de discussão com os investidores tem sido sobre o valor de mercado das participações em empresas de capital aberto. No 1T23, a Cyrela detinha participações em três construtoras brasileiras de capital aberto não cobertas: Cury focada em baixa renda (CURY3, participação de 23,8%) e Plano & Plano (PLPL3, 34,5%) e Lavvi (LAVV3, focada em renda média/alta, com fatia de 28,4%).

Continua depois da publicidade

Leia mais:

Confira o calendário de resultados do 2º trimestre de 2023 da Bolsa brasileira

O que esperar da temporada de resultados do 2º trimestre? Confira ações e setores para ficar de olho

Semelhante à Cyrela, essas empresas tiveram um forte desempenho no acumulado do ano, subindo 41%, 190% e 85%, respectivamente, contra a Cyrela em 98%. “Assim, um debate importante com os investidores é se os valores dessas empresas de capital aberto são devidamente contabilizados na avaliação da Cyrela”, apontam.

2. MRV (MRVE3): Quais são as perspectivas para a Resia?

Os investidores começaram a se concentrar cada vez mais na Resia. As ações da MRV tiveram a recuperação mais forte das mínimas recentes, subindo cerca de 150% desde o início de março, impulsionadas em parte por 1) uma inflexão nos juros de 10 anos, que atingiram um pico próximo a 14% em março e comprimiram cerca de 300 pontos-base desde então, 2) a perspectiva do Minha Casa, Minha Vida, que viu um aumento nos tetos de preço de R$ 264 mil para R$ 350 mil, o que a MRV declarou que significa que 90% de seu estoque estaria dentro do escopo do programa, ante cerca de 60% anteriormente .

Dada a significativa desalavancagem após o recente follow-on de R$ 1 bilhão, que em parte levou à elevação da recomendação do banco para neutra e avaliações atuais em linha com as médias históricas, tem havido um foco crescente dos investidores na perspectiva da Resia, empresa da MRV com sede nos EUA.

A partir do 1T23, pré-follow on, a Resia representava 40% da dívida líquida consolidada da MRV, apesar de representar 20% do valor contábil do grupo. “Assim, a perspectiva de desalavancagem da Resia é parte importante da tese da MRV; atualmente estimamos que a Resia venderá cerca de US$ 70 milhões em 2024 como um curso normal de negócios”, aponta o Goldman.

Os otimistas em MRV acreditam que isso pode ser ainda maior, pois o mercado dos EUA pode abrir mais cedo do que o esperado e que os fundamentos são fortes para a Resia.

“Conforme observado anteriormente, no entanto, o mercado multifamiliar dos EUA está enfrentando desafios de transação e financiamento, e espera-se que continue assim devido aos custos de financiamento mais altos. Além disso, os principais mercados da Resia em sua classe de ativos (Classe B) estão vendo um crescimento lento dos aluguéis e aumento da vacância, o que pode trazer desafios para o portfólio”, aponta o banco.

3. Direcional (DIRR3): como o mercado está precificando o ROE [Retorno sobre Patrimônio Líquido] futuro?

A lucratividade futura está em foco. A Direcional concluiu um follow-on de R$ 430 milhões em junho com a intenção de aumentar sua exposição ao programa Minha Casa, Minha Vida; a empresa observou que aproximadamente 90% do estoque de baixa renda agora seria elegível para o programa, contra 60% como antes.

Assim, os analistas do Goldman atualizaram recentemente suas estimativas de vendas e receita para a Direcional para levar em consideração nessa perspectiva mais construtiva.

“Uma questão-chave para os investidores, no entanto, dado que as avaliações, pelo menos de uma perspectiva de preço, atingiram níveis quase recordes, é sobre o ajuste para o crescimento do ROE”, apontam.

Os mais otimistas acreditam que a empresa possa alcançar vendas e lucratividade melhores do que o esperado (a previsão do Goldman para 2024 para margens brutas é de 35,7%), dados os fundamentos historicamente fortes e tamanho menor em relação aos pares da MRV, o que pode aumentar o ROE e a expansão dos múltiplos.

4. EzTec (EZTC3): Por que o desconto relativo ao histórico e à Cyrela?

A EzTec historicamente tem negociado com prêmio ante a Cyrela, mas atualmente está com desconto. Embora a EzTec, semelhante a seus pares, tenha superado os índices locais no acumulado do ano, atualmente está sendo negociada com desconto em relação à sua própria média histórica de avaliação e contra a Cyrela.

“Assim, uma questão-chave dos investidores é o que está impulsionando esse desconto tanto para a Cyrela quanto para suas próprias avaliações históricas, dados os ventos favoráveis ​​para renda média/alta”, aponta o Goldman.

Os analistas acreditam que um obstáculo importante para as ações EZTC3 foi a queda das margens brutas devido a atrasos e estouros orçamentários para o projeto-chave Parque da Cidade, conforme observado em seus dois últimos releases de resultados (4T22, 1T23).

Isso levou as margens brutas a mínimas históricas a partir do 1T23 nos últimos 12 meses; portanto, uma questão-chave é o andamento das questões relacionadas ao Parque da Cidade. “Esperamos que as margens brutas se recuperem e melhorem para 35% até 2024. Um desempenho de margem bruta melhor do que o esperado pode ajudar na avaliação relativa da empresa”, finalizam os analistas.