Crise energética vira problema global e ameaça retomada econômica pós-pandemia

Enquanto os brasileiros lidam com escassez hídrica, Reino Unido tem falta de combustíveis e China paralisa fábricas para reduzir consumo de energia

Mitchel Diniz

Publicidade

SÃO PAULO – Já faz alguns meses que a escassez de chuvas tem encarecido o preço da energia no Brasil, elevando a inflação do país e mexendo também com as ações do setor na Bolsa brasileira. O cenário se agravou ao ponto de ser criada uma nova bandeira tarifária chamada “escassez hídrica”, que deve vigorar até o final de abril do ano que vem. Até o próprio presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse que não é possível garantir que não haverá apagões. Mas, nos últimos dias, ficou claro que crise energética não é um problema exclusivo do Brasil.

Em poucas linhas, o economista-chefe da gestora Julius Baer resumiu a sucessão de eventos recentes. “Preços do petróleo chegando nas máximas em meses, a Europa enfrentando preços recordes de energia e gás natural, o Reino Unido sofrendo com escassez de combustíveis nos postos, enquanto a China faz cortes de energia e fecha fábricas”, escreveu Norbert Rücker.

O economista fala em um choque de oferta. Diz que a indústria se recuperou muito rápido da queda de produção do ano passado, quando foi afetada pela pandemia de Covid-19, e agora está sobrecarregando a cadeia de fornecimento de energia. O timing não podia ser pior. A crise energética já começa a ter alguns reflexos na cadeia de suprimentos, justamente em um momento que era para ser de retomada econômica.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O chefe-global de pesquisa de commodities do Goldman Sachs, Jeff Curie, deu uma explicação polêmica para esse cenário, dizendo que a crise é resultado da falta de investimentos em fontes tradicionais de energia, como gás e carvão. “Em muitas partes do mundo, houve muita construção eólica, muita construção de energia solar. A nova economia está superinvestida, e a velha economia está faminta”, afirmou.

China no epicentro da crise

Relatório do Bradesco BBI, assinado por Thiago Lofiego, cita dados do governo chinês que mostram um descompasso entre oferta e demanda: enquanto o consumo de energia no país aumentou 13,8% entre janeiro e agosto deste ano, a geração cresceu 11,3%, ou seja, em ritmo menor.

Agora em setembro, a China engatou esforços para descarbonizar a economia do país, colocando em prática metas de redução de emissões. Para isso, pretende diminuir o consumo de energia em 13,5% até 2025. Mais da metade da indústria chinesa consome energia à base de carvão. Os cortes estão afetando residências e fechando fábricas. As previsões de crescimento para a economia chinesa neste ano já estão sendo revistas. O Goldman Sachs reduziu a expectativa de crescimento do PIB chinês de 8,2% para 7,8%. O Nomura foi pelo mesmo caminho, reduzindo a previsão de 8,2% para 7,7%.

Continua depois da publicidade

“Mais de 70% das indústrias de aço em Jiangsu, segunda maior produtora de aço da China, está sendo afetada pelo racionamento. […] E é improvável que as interrupções sejam suspensas antes da segunda semana de outubro”, diz o relatório do Bradesco BBI.

Segundo a consultoria Mysteel, mais de 80 siderúrgicas no país suspenderam suas atividades. Os cortes podem reduzir a demanda por minério-de-ferro e têm pressionado o preço da matéria-prima nos últimos dias. 

O Morgan Stanley calcula que os cortes de energia, caso se prolonguem, podem reduzir em até um ponto percentual o PIB da China no quarto trimestre deste ano. “Estimamos que o corte de emissões poderia reduzir em até 9% a produção de aço bruto entre setembro e dezembro. Enquanto isso, 7% da produção de alumínio foi suspensa e 29% da produção nacional de cimento foi afetada”, afirma relatório do banco.

Leia mais: Crise de energia na China ameaça novo choque após Evergrande

Efeito cascata

Segundo informações da Reuters, alguns fornecedores da Apple e Tesla suspenderam a produção em fábricas chinesas por alguns dias para atender às políticas de redução de consumo de energia. As interrupções acontecem em um período de pico produtivo para bens eletrônicos, com a Black Friday e datas festivas no radar. A medida afeta fabricantes de chips, placas de circuito e outros componentes.

“A princípio estávamos vendo faltar chips aqui no Brasil para fabricação de carros e agora pode ser que faltem outras coisas. A indústria chinesa poderá reduzir a produção de vários componentes que ela exporta”, afirma Isabel Lemos, gestora de ações da Fator.

O corte de energia e a interrupção das indústrias podem também afetar o desempenho das ações da Vale (VALE3), avalia Jennie Li, estrategista de ações da XP. “O minério de ferro acaba sendo uma matéria-prima muito importante para nós, pois está muito relacionado com o preço da Vale, que é a ação com maior posição no Ibovespa“, explica.

Além disso, há o risco de aumento da inflação global. “Se os preços do petróleo, gás natural e carvão continuarem subindo, vamos continuar vendo a inflação global em alta. Aqui no Brasil, o consumo em geral seria afetado”, afirma Jennie Li.

Norbert Rücker, da Julius Baer, acredita que a crise energética que se desenha é um fenômeno de curto prazo e transitório, uma vez que vê a dinâmica atual como característica em um momento de pico de ciclo econômico.

O Morgan Stanley, por sua vez, prevê que a China ajuste o ritmo dos cortes de energia até o final de outubro, diante das pressões de baixo crescimento econômico. “Pequim vai precisar impedir uma rápida deterioração de crescimento da economia que poderia trazer riscos ao mercado de trabalho e à estabilidade social do país”, dizem os analistas do banco.

Especialistas certificados das maiores corretoras do Brasil ensinam como ir do básico à renda extra crescente operando como trader na Bolsa de Valores. Inscreva-se Grátis.

Mitchel Diniz

Repórter de Mercados