Criptos hoje

Bitcoin evita mergulho após perder US$ 40 mil, mas mercado teme novo impacto com inflação dos EUA; Monero dispara

Possível inflação recorde nos Estados Unidos pode levar a mais uma onda de liquidações no mercado de ações e nas criptomoedas, temem analistas

Por  Paulo Alves, CoinDesk -

O Bitcoin (BTC) e o Ethereum (ETH) caíram forte na noite de ontem e perderam, momentaneamente, níveis de preço considerados chave para a manutenção do mínimo de otimismo de curto prazo: US$ 40 mil e US$ 3 mil, respectivamente. Em sinal de recuperação, as criptomoedas retomam esses patamares hoje e mantêm perdas em 3,4% e 2,1%. Investidores, no entanto, seguem em modo de cautela, atentos ao dado de inflação dos Estados Unidos, que ficou em 8,5% anuais após aumento de 1,2% março.

O desempenho acompanha as ações da Nasdaq, em meio a um aumento recorde da correlação entre as duas classes de ativos. Como pano de fundo, seguem as preocupações do investidor em relação ao impacto do aumento da taxa de juros e redução do balanço patrimonial pelo Federal Reserve, nos Estados Unidos. Segundo analistas, o índice de preços ao consumidor dos EUA em 8,5% confirma mais uma vez a tendência de alta da inflação americana, impulsionando o Fed para um movimento agressivo de incremento dos juros.

Até onde as criptomoedas vão chegar? Qual a melhor forma de comprá-las? Nós preparamos uma aula gratuita com o passo a passo. Clique aqui para assistir e receber a newsletter de criptoativos do InfoMoney

O governo americano coloca a culpa na guerra da Rússia contra a Ucrânia, e o consequente salto de preços de energia e alimentos. “Esperamos que a inflação do CPI de março seja extraordinariamente elevada devido ao aumento de preços do [presidente russo Vladimir] Putin”, disse secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, em uma coletiva de imprensa ontem.

“Outra questão que também está no radar dos investidores é o fato da União Europeia estar tomando medidas ainda mais duras para sancionar a Rússia por conta da invasão à Ucrânia”, afirmou o analista de trading do Mercado Bitcoin, Humberto Andrade. “Na última sexta-feira (8), o bloco apresentou uma proibição ao fornecimento de serviços para criptoativos de alto valor à Rússia”, apontou o especialista, ressaltando se tratar do quinto pacote de medidas restritivas anunciadas pela UE desde que a guerra começou.

O impacto das incertezas globais sobre as criptomoedas levou a grandes perdas entre traders que apostaram na manutenção do preço do Bitcoin acima dos US$ 40 mil ontem. Quem apostava no cenário mais otimista acumulou mais de US$ 430 milhões em prejuízo com liquidações, de acordo com dados da Coinglass.

Leia também:

As liquidações ocorrem quando uma bolsa fecha a posição alavancada de um trader como mecanismo de segurança devido a uma perda parcial ou total da margem inicial depositada (chamada de margem). Isso acontece principalmente na negociação de futuros, que rastreia apenas os preços dos ativos, ao contrário da compra à vista, em que investidores possuem os ativos reais.

Longs, ou posições que apostam na alta, foram os mais atingidos e responderam por quase 90%, ou US$ 386 milhões, de todas as perdas nas últimas 24 horas. Os shorts, ou posições que apostam na queda tiveram perdas relativamente menores, de US$ 44 milhões, no mesmo período.

  • Assista: Ethereum 2.0: o que esperar da atualização mais aguardada da história das criptomoedas

Em participação ontem durante o Cripto+ (assista no player acima), o trader Vinícius Terranova apontou que o Bitcoin tem um suporte (preço com alta demanda de compra) ao redor dos US$ 39.600, o que poderia interromper a queda no curto prazo. No entanto, o especialista alerta para perdas mais prolongadas das criptomoedas, de modo que permanece na mesa o risco de o BTC cair para US$ 34.500 e até para US$ 30 mil nas próximas semanas.

Em possível cenário de terra arrasada que levaria a um bear market (período de baixa) de cerca de um ano, Terranova aponta que o Bitcoin poderia ir até US$ 21 mil. Ele, no entanto, não aposta suas fichas de que as perdas podem chegar a esse ponto.

Enquanto isso, um respiro do Bitcoin é suficiente para catapultar algumas altcoins e salvá-las de uma queda mais aguda. O destaque hoje é a Monero (XMR), uma criptomoeda anônima que dispara 12,3% pouco antes do dia da declaração de imposto de renda nos EUA, marcado para a próxima segunda-feira (18).

Confira o desempenho das principais criptomoedas às 7h15:

CriptomoedaPreçoVariação nas últimas 24 horas
Bitcoin (BTC)US$ 40.211,65-3,4%
Ethereum (ETH)US$ 3.025,16-2,1%
Binance Coin (BNB)US$ 407,90-0,2%
Solana (SOL)US$ 103,23-2,6%
XRP (XRP)US$ 0,706255-1,5%

As criptomoedas com as maiores altas nas últimas 24 horas:

CriptomoedaPreçoVariação nas últimas 24 horas
Monero (XMR)US$ 247,51+12,3%
Near Protocol (NEAR)US$ 16,84+9,6%
Waves (WAVES)US$ 23,82+9%
ApeCoin (APE)US$ 11,57+5,6%
Axie Infinity (AXS)US$ 47,66+3,3%

As criptomoedas com as maiores quedas nas últimas 24 horas:

CriptomoedaPreçoVariação nas últimas 24 horas
Convex Finance (CVX)US$ 29,07-13%
Ziliqa (ZIL)US$ 0,111475-12,5%
Celsius Network (CEL)US$ 2,63-9%
Humans.ai (HEART)US$ 0,03772963-8,2%
Mina Protocol (MINA)US$ 2,53-7,2%

Confira como fecharam os ETFs de criptomoedas no último pregão:

ETFPreçoVariação
Hashdex NCI (HASH11)R$ 34,05-8,19%
Hashdex BTCN (BITH11)R$ 45,10-6,37%
Hashdex Ethereum (ETHE11)R$ 41,96-7,27%
Hashdex DeFi (DEFI11)R$ 37,64-7,06%
Hashdex Smart Contract Plataform FI (WEB311)R$ 42,98-3,84%
QR Bitcoin (QBTC11)R$ 12,00-6,97%
QR Ether (QETH11)R$ 10,28-7,05%
QR DeFi (QDFI11)R$ 6,83-10,13%

Veja as principais notícias do mercado cripto desta terça-feira (12):

Meta começa a criar economia digital em novo jogo

A economia digital da Meta Platforms começou na segunda-feira (11) com novas ferramentas para vender bens virtuais no jogo de realidade virtual Horizon Worlds. Um grupo de criadores poderá vender “itens e efeitos virtuais” em seus respectivos mundos, disse a Meta em comunicado.

“Claramente a capacidade de vender bens virtuais e levá-los com você de um mundo para outro será uma parte importante” do futuro metaverso, disse o CEO Mark Zuckerberg em um vídeo publicado junto com o anúncio oficial.

A declaração sugere o possível uso de tokens não fungíveis (NFTs) de propriedade do usuário. Mas, por ora, as ferramentas de monetização não trazem a aplicação de criptomoedas.

Segundo a Meta, criadores de mundos virtuais populares serão recompensados com pagamentos de bônus mensais. O programa não estará sujeito a taxas, mas se espera que o mercado de itens virtuais possa render de 25% a 70% de comissões à empresa, de acordo com The Verge.

Criptomoeda evapora após sequência de liquidações em ambiente DeFi

Uma criptomoeda chamada Ichi despencou 90% ontem e deixou investidores no prejuízo após uma crise que levou a liquidações generalizadas no ambiente de finanças descentralizadas (DeFi).

A queda foi ocasionada por uma ação automática de um contrato inteligente do projeto Fuse, que usa a cripto Ichi. Em meio às variações de preço no mercado, a plataforma iniciou vendas do ativo para equilibrar o preço no pool de depósitos, em paridade com uma stablecoin, que não varia de preço.

No entanto, uma liquidez baixa demais fez o preço cair rapidamente. Embora não tenha caído 100%, o token já não vale virtualmente nada, pois a liquidez do pool está zerada. Sem liquidez, quem possui os tokens não consegue vendê-los.

Até onde as criptomoedas vão chegar? Qual a melhor forma de comprá-las? Nós preparamos uma aula gratuita com o passo a passo. Clique aqui para assistir e receber a newsletter de criptoativos do InfoMoney

Compartilhe